7 grupos de música indígena que você precisa conhecer

21/10/2022

Compartilhe:

A Coleção Sonora Brasil – A Música dos Povos Originários do Brasil é um álbum digital que traz um recorte da diversidade cultural e estética dos povos indígenas no território brasileiro. Em 2019, durante a circulação do projeto Sonora Brasil, eles se encontraram nos estúdios do Sesc Casa Amarela, em Recife-PE. O resultado pode ser ouvido nas plataformas de áudio e no Sesc Digital

Grupo Teko Guarani e Grupo Nóg Gã

Grupo Teko Guarani do povo Guarani Mbyá (Porto Alegre/RS)   

O grupo Teko Guarani é um coral infantojuvenil que tem por característica a força e o brilho vocal. Em sua música utilizam também o ravé, uma espécie de rabeca de três cordas que, segundo alguns relatos, é um instrumento de invenção indígena, posteriormente aperfeiçoado pelos juruá (não-indígenas).   

Grupo Nóg Gã do povo Kaingang (São Leopoldo/RS)   

Os Kaingang possuem característica aguerrida e seus ritos envolvem a realização de movimentos em um contexto musical cíclico. As lanças utilizadas em suas apresentações, além de se tornarem instrumentos percussivos e embasarem ritmicamente as marcas coreográficas, também representam seu processo de luta e resistência.

Grupo Dzubucuá e Grupo Memória Fulni-Ô

Grupo Dzubucuá do povo Kariri-Xocó (Porto Real do Colégio/AL)   

Os Kariri-Xocó praticam o toré, um ritual indígena mágico-espiritual que envolve performance corporal e música. Nela, tocam-se buzos (aerofone da família das buzinas), maracás de mão e chocalhos de tornozelos. As suas letras carregam simbolismos e nos possibilitam conhecer um pouco da história do povo e seu cotidiano. 

Grupo Memória Fulni-Ô do povo Fulni-Ô (Águas Belas/PE)  

As músicas tradicionais do povo fulni-ô são o toré e a cafurna. As cafurnas ou unakesa são manifestações que envolvem dança e música com letras cantadas em yaathe que abordam temas como a preservação da natureza, reverência aos animais da região e à identidade indígena.

Grupo Wagôh Pakob e Grupo Byiyyty Osop Aky

Grupo Wagôh Pakob do povo Paiter Surui (Terra Indígena Sete de Setembro, Cacoal/RO) 

Os Paiterey têm canções que são atribuídas à criação individual e cantadas somente por seus criadores. Os Paiter utilizam michãngab (maracás de tornozelo) e os wãab (espécie de flautas), instrumentos de sopro. 

Grupo Byiyyty Osop Aky do povo Karitiana (Porto Velho-RO)     

A música tradicional do povo Karitiana relaciona-se fortemente ao sagrado. Na festa da chicha, bebida feita exclusivamente pelas mulheres a partir de milho ou mandioca fermentada, as mulheres tocam o pilão, os homens dançam e tocam o jewy (espécie de clarinete feito de taquaruçu) e o maracá.

Grupo Wiyae

Grupo Wiya

O grupo Wiyae é formado pelas cantoras Djuena Tikuna e Magda Pucci e pelos instrumentistas Diego Janatã e Gabriel Levy. Wiyae significa “canto” na língua Tikuna. O grupo foi especialmente criado para integrar o projeto Sonora Brasil com o objetivo de apresentar releituras de músicas indígenas de diversos povos e composições próprias. 

O Sonora Brasil é uma ação que tem o objetivo de apresentar ao público brasileiro as mais diversas manifestações culturais do país. Estéticas e narrativas historicamente colocadas à margem dos processos de difusão musicais pautam a elaboração, a curadoria e a realização do Sonora Brasil. Esse é o resultado da ação integrada entre o Departamento Nacional e os Departamentos Regionais do Sesc, por meio da Rede Sesc de Música, que envolve todo o corpo técnico da área de Música da instituição. Assim, aprofundam-se os processos de discussão, pesquisa e produção, colaborando para o desenvolvimento cultural e artístico do país através de ações realizadas pelo Sesc. 

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.