Sesc SP

Esta atividade faz parte da

Contextos - Atividades relacionadas ao campo da cultura, política pública, diversidade, identidade, economia da cultura e economia criativa. saiba mais

Desafios de internacionalização d

O curso parte de um panorama geral, que localiza a circulação de espetáculos no contexto de globalização da cultura, para em seguida abordar temas específicos. Assim, discute-se desde os desafios de uma política cultural voltada para as relações exteriores até os aspectos práticos de capacitação dos profissionais brasileiros que vislumbram trabalhar no âmbito internacional.

18/3 - Criar e se apresentar fora das fronteiras nacionais: permeabilidade e diversidade. Encontrando novos públicos.

20/3 - Da difusão às estratégias de cooperação - construção de parcerias de longo prazo.

25/3 - Aspectos organizacionais de turnê: da construção de redes à circulação.

27/3 - Conclusão e prospecção de estratégias de ação internacional.

Com Andrea Caruso Saturnino, pesquisadora e curadora, especializada em teatro contemporâneo e projetos interdisciplinares, com longa experiência internacional. Graduada em Letras pela UFMG (Belo Horizonte), mestre em Artes Cênicas pela Sorbonne Nouvelle (Paris) e doutora em Artes pela USP (São Paulo). Atualmente se dedica à implementação da plataforma Brasil_Cena Aberta, centrada em ações para o desenvolvimento da internacionalização das artes cênicas nacionais em suas múltiplas vertentes.

Com André Curti, diretor, coreógrafo e intérprete. Entre 1983 e 1990, se formou como ator e bailarino na Escola Jogo Estúdio e na Escola Vento Forte, em São Paulo.  No cinema, trabalhou com Hilda Machado e Renato Tapajós. Desde 1990 na França, fez parceria com Olivier Fornut e Joel Daguerre. Com Com Artur Luanda Ribeiro, diretor, cenógrafo, iluminador e intérprete. Seguiu formação em teatro pela UniRio, em dança pela Escola Angel Vianna, sapateado com Flávio Salles e formação em "Ator frente à câmera" com Tizuka Yamasaki. Trabalhou no Brasil com o diretor Márcio Vianna. Na França desde 1994, se formou na Escola de Mímica Corporal Dramática de Paris, dirigido por Stewen Watson e Corinne Soun e na Universidade Nouvelle Sourbonne-Paris III no curso de Licenciatura em Estudos Teatrais.

Com Marcelo Evelin, é coreógrafo, pesquisador e intérprete. Vive e trabalha entre Teresina e Amsterdam. Na Europa desde 1986, é criador independente com sua Companhia Demolition Incorporada, criada em 1995, e ensina na Escola Superior de Mímica de Amsterdam-Holanda.Trabalha a partir do espaço de residência CAMPO, em Teresina.

Com Aurea Vieira, gerente de Relações Internacionais do SESC SP, instituição na qual trabalha desde 2004. É formada em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia com pós-graduação em Gestão Cultural pela Fundação Getúlio Vargas. Em 2008/2009 foi coordenadora do Ano da França no Brasil, estudou Financement et Économie de la Culture na Universidade Paris Dauphine, em Paris, 2009. É responsável pelas parcerias institucionais estrangeiras no SESC.

Com José Mauro Gnaspini, diretor da Virada Cultural em suas dez primeiras edições. Chefe de Gabinete da Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura e organizador do Mercado de Indústrias Criativas do Brasil -MicBr, é músico, advogado, artista e consultor, tem mestrado em Cinema pela ECA-USP e doutorado em Direito-USP pelo Largo São Francisco.

Com Paula Alves de Souza, é formada em Relações Internacionais e  iniciou sua carreira diplomática em 1994. Serviu nas Embaixadas do Brasil em Washington, Buenos Aires e Pequim. Em Brasília, chefiou a Divisão de Promoção do Audiovisual do Ministério das Relações Exteriores, entre 2008 e 2013. Desde novembro de 2016, ocupa o cargo de Diretora do Departamento Cultural do MRE.

Com Henrique Mariano, vem há 25 anos trabalhando com grandes companhias de teatro em São Paulo e no Rio de Janeiro como Cia Vértice, Cia. dos Atores, Coletivo Improviso,Opovoempé, Cia Elevador de Teatro Panorâmico, Teatro da Vertigem, Cia. Livre de Teatro,Teatro Oficina, Teatro Promiscuo, Teatro do Ornitorrinco entre outras.

Com Ricardo Frayha, produtor e gestor cultural. Possui mestrado em artes pela Universidade de Leeds. Como produtor de artistas internacionais no Brasil, tanto em turnês como em coproduções com artistas e equipes locais.  De 2011 a 2016 foi o responsável pelo gerenciamento internacional e de turnês da companhia Constanza Macras I DorkyPark, baseada em Berlim, contabilizando setenta turnês em mais de trinta países.

(Foto: Andrea Caruso Saturnino)

Teatro

Desafios de internacionalização das artes cênicas brasileiras Módulo 3

Classificação etária: Acima de 16 anos

Sesc Centro de Pesquisa e Formação ver no mapa

18/03 A 27/03

SEG, QUA
19H30 ÀS 21H30
  • R$ 15,00
  • R$ 25,00
  • R$ 50,00

*18/3 a 27/3