Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Desconstruindo Distopias Futurísticas

Exterminador do futuro ou o neurótico do presente?
Exterminador do futuro ou o neurótico do presente?

– A escolaridade é abreviada, a disciplina é relaxada, as filosofias, as histórias e as línguas são abolidas, gramática e ortografia pouco a pouco negligenciadas, e, por fim, quase totalmente ignoradas. A vida é imediata, o emprego é que conta, o prazer está por toda parte depois do trabalho. Por que aprender alguma coisa além de apertar botões, acionar interruptores, ajustar parafusos e porcas?
Trecho do livro Fahrenheit 451 – de Ray Bradbury.

 

Estamos próximos de uma nova edição do Festa! - Festival do Aprender, que ocorre em 39 unidades do Sesc no estado de São Paulo. O Festa! traz mais de 500 atividades gratuitas, dos dias 2 a 4 de março. São oficinas, vivências e minicursos que tratam de programação digital, games, produção audiovisual, artes gráficas, fabricação digital, desenho, pintura, bordado, modelagem, entre outros.

A cada dia parece mais oportuna a iniciativa de valorizar espaços para o desenvolvimento de conhecimentos tão específicos, muitas vezes isolados nos cursos técnicos e universitários ou em recantos pouco visitados na internet. São tempos onde muita informação está disponível para acesso, mas nos falta capacidade (ou interesse) de traduzí-la e capacitá-la para gerar novos conhecimentos. Essa carência permite o surgimento de incertezas que pareciam bem resolvidas no nosso cotidiano (vide os Terraplanistas). Ao entregar ao indivíduo a oportunidade de se relacionar com esses conteúdos, por meio de um aprendizado focado numa experiência de lazer, o Sesc colabora para sua emancipação intelectual.

Esse processo é um fator fundamental para que não nos afoguemos na maré de informações da internet, para não estarmos condicionados a ver somente o que as timelines das nossas redes sociais nos oferecem, para não acabarmos vivendo uma realidade que poderia ser um episódio monótono de Black Mirror. Em larga escala, este aprendizado pode ser uma das chaves para a desconstrução do modo como imaginamos o futuro.

 

A Ficção e o Pesadelo do Futuro

Uma previsão constante assombra o imaginário de quem se aventura a olhar o futuro da humanidade: o avanço tecnológico nos levará a tempos tenebrosos. Ao menos é o que a ficção costuma propor com certa regularidade em cada novo universo futurístico que nos apresenta. Estas distopias nos mostram as ferramentas que caracterizam o espírito do nosso tempo, representando a degradação e o empobrecimento das relações humanas, senão sua própria condenação. Mas por que a aposta num destino terrível é tão unânime? De onde vem o medo que pendrives possam iniciar uma revolução contra esse sistema opressor de backups cotidianos?

O maniqueísmo do exemplo denota a dimensão do seu absurdo: um crânio humano empoeirado é esmagado pelo pé de um esqueleto robótico, que atira com seu fuzil contra alguns poucos humanos sobreviventes. A imagem espetacular, descrição de uma cena do filme O Exterminador do Futuro 2 (JAMES CAMERON, 1992), ilustra uma mentalidade que acusa a gravidade do uso indiscriminado da tecnologia, onde as máquinas adquirem um determinado nível de consciência que as permite escapar de sua condição servil para ocupar a única posição que lhes parece disponível, como destruidores de toda a humanidade. Esta ideia se repete em todas as obras da franquia, sempre sugerindo que o acúmulo de determinados níveis de inteligência só pudesse desvelar uma reação que se aplaca unicamente pela violência e pelo controle. Além do Exterminador, não faltaram oportunidades para o cinema e a literatura cristalizarem esse estereótipo de futuro na mentalidade ocidental. Este fato está refletido em uma acanhada quantidade de utopias que a ficção contemporânea nos apresenta.

Pare um instante para pensar: quantos mundos futurísticos o cinema já te apresentou? E quantos deles pareciam um lugar realmente bacana para viver em sociedade? 

Uma outra constatação menos escandalosa ganha contorno na mesma cena do Exterminador. A simetria entre o robô-esqueleto e o crânio destruído revela o vínculo da criatura feita à imagem e semelhança de seu criador. Livres da conceituação do filme, podemos deduzir que se a forma humanoide é similar, algo indica que exista conteúdo compartilhado entre essas duas gerações. Algo escondido no sorriso psicótico desse robô que é a cara do pai.

 


De fato, quando a ficção científica se propõe a ser algo além da mera roupagem espetacular que o futuro possibilita (vide Transformers), a fantasia futurística nos convida a interpretar comentários que se aplicam à vida no presente. No caso do Exterminador, que está imerso no contexto da Guerra Fria, a condução totalitária das máquinas dialogava intrinsicamente com a sensação de que a terceira guerra mundial estava em vias de fato. Os robôs-esqueleto encarnavam a frieza tecnicista dos homens que poderiam acabar com o mundo apertando um botão.

Podemos atualizar um pouco este cenário visitando o universo de Matrix (LILLY WACHOWSKI e LANA WACHOWSKI, 1999), que parte de uma premissa parecida à do Exterminador, adaptando-a ao contexto da popularização da informática e da internet. Desta vez as máquinas deixam de lado a forma humanoide para serem feras robóticas com tentáculos (uma alegoria para o capitalismo tentacular, quem sabe?), cujo propósito é extrair energia da humanidade adormecida, escravizada em uma realidade virtual que simula a vida no século XXI. O medo do universo desconhecido que se expandia no interior dos computadores de milhões de usuários se personificou na Matrix, uma perversa realidade virtual, mentirosa e controladora. Ironicamente igual à nossa.

Não faltam exemplos de futuros ficcionais que usam a tecnologia como espinha dorsal de uma sociedade distópica: Admirável Mundo Novo (ALDOUS HUXLEY, 1932) e Planeta dos Macacos: A Origem (AMANDA SILVER e RICK JAFFA, 2011) têm a biotecnologia e a genética como o ponto de partida para uma profunda cisão na estrutura social. 1984 (GEORGE ORWELL, 1949), V de Vingança (ALAN MOORE, 1982) e O Show de Truman (ANDREW NICCOL, 1998) denunciam o uso de câmeras e o monitoramento constante como condicionante do comportamento dos indivíduos. Robocop (EDWARD NEUMEIER e MICHAEL MINER, 1987), Blade Runner (HAMPTON FANCHER e DAVID PEOPLES, 1982) e IA – Inteligência Artificial (STEVEN SPIELBERG e STANLEY KUBRICK, 2001) abordam a consciência do indivíduo criado a partir da tecnologia, que descobre o propósito de sua existência como um mero produto ou serviço de mercado: um vigilante robótico cujos valores morais são programados, um androide escravizado capaz de suportar as condições de trabalho em colônias espaciais, um filho adotivo para casais inférteis.

 

Futuros Distópicos em Desconstrução

Na maioria dos casos, as obras ficcionais se apoiam num espaço vazio que a tecnologia deixa ao entrar em contato com a sociedade. Ao distribuir no mercado um novo dispositivo ou plataforma de interação não é possível dimensionar o alcance ou a maneira como as pessoas vão se relacionar com a novidade. O sucesso de Pokémon Go em 2016, que levou milhões de fãs às ruas para interagir com uma experiência de realidade aumentada, derrubando servidores e tirando o aplicativo do ar; ou o crescente aumento de pessoas que acabam se acidentando ao tirar selfies são exemplos de situações em que a relação com a tecnologia ultrapassa a barreira da experiência de consumo e passa a retratar o absurdo que essa relação pode alcançar. Afinal, não se conhece a extensão da influência de determinada novidade na esfera comportamental de uma sociedade até que ela esteja em funcionamento, inserida e adaptada ao seu cotidiano. Muitas vezes o tempo desse amadurecimento é menor que o tempo para a tecnologia ser considerada ultrapassada e ser substituída por outra experiência nova ao usuário. Vivemos nesta teia caótica de informações e aprendizados, fazendo o possível para filtrar o que é de nosso interesse e ignorando, por consequência, tantas coisas que poderiam nos ser úteis e valorosas, mas que não nos encontram em meio ao fluxo de informações.

Neste contexto, torna-se fundamental não ceder ao discurso hollywoodiano que tantas vezes demoniza o conhecimento em troca de cenas de ação e lições baratas de moral, para se apropriar das ferramentas do nosso tempo e exercer democrática e conscientemente o nosso papel de indivíduos do séc. XXI: devoradores de conteúdo, adaptadores de gadgets, tutorialistas de carteirinha, aqueles que driblaram a tomada de 3 pinos, os descentralizadores da mídia tradicional (e tantas outras alcunhas sensacionalistas possíveis). 

Em poucos cliques na internet é possível descobrir como construir uma batedeira portátil. A mesma quantidade de cliques te leva até um tutorial onde você aprenderá a fazer seu acelerador de partículas caseiro. Fazendo um bolo ou uma dobra no espaço-tempo, estas informações estão abertas para se tornarem conhecimento, que pode ser aplicado à vida e (quem sabe) fazer dela uma experiência mais agradável para o maior número de pessoas possível.

Dessa maneira, o FestA! – Festival de Aprender se torna uma iniciativa curatorial para esse oceano de conteúdos. Diversos espaços para diversos tipos de conhecimento: Uma oportunidade para entrar em contato com novos saberes, novas mídias e novas pessoas que podem compartilhar interesses e fomentar o desenvolvimento de novas ideias que levem o mundo para longe das distopias futurísticas e das neuroses robóticas.

 


Sobre o futuro... de fato, não sabemos nada sobre o futuro. Se a consciência vai aprender a viver na nuvem, se nossas enfermidades serão sanadas com peças de metal, se nossos netos nascerão com genes apropriados para serem vencedores, se o Estado e o Facebook vão se fundir e virar o Grande Irmão, se tudo isso ruirá do dia para a noite numa crise financeira...

Esta grande incerteza é o combustível para que escritores e cineastas criem cenários hi-tech enfeitados para o vazio de um futuro que está sempre adiantado às nossas expectativas. Mas é por meio dessa mesma incerteza que somos convidados a caminhar em busca de aprendizado.

Este texto é um oferecimento de ET Bilu. Se você não conhece o ET Bilu, busque conhecimento! ;)

Texto e ilustrações: Wagner Linares

Outras programações

Cinema e vídeo

Estou Me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar

Estou Me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar

SESC CineSesc

à venda na unidade a partir de
02/12

Saiba mais

Cinema e vídeo

Relatos Do Front - Fragmento de uma Tragédia Brasileira

Relatos Do Front - Fragmento de uma Tragédia Brasileira

SESC CineSesc

à venda na unidade a partir de
02/12

Saiba mais