Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Roupa como emblema social

Foto: Lucio Telles
Foto: Lucio Telles

Um Brasil que busca migrar sua condição de vida, tendo na roupa um signo de status social, que revela camadas socioeconômicas, culturais e históricas da relação entre classe é o mote do espetáculo teatral Roupa Suja, que faz curta temporada no Sesc Consolação. A partir dos contos Modelo de Vida, Roupa Suja, Vestido Longo e Lavagem a Seco (nunca publicado), obras de Marcelino Freire, a montagem inédita foi idealizada pela companhia as de fora, que há aproximadamente 3 anos pesquisa a transposição de obras literárias para o teatro.

Dirigidos por João Júnior (Estopô Balaio), os artistas, residentes na cidade de São Paulo, tiveram a migração como experiência de vida e, consequentemente, estética. Em cena, num percurso não linear, os personagens fazem um jogo entre passado, presente e futuro, a partir das roupas que estão para lavar - como se estas fossem emblemas sociais.

Não tem essa de não se misturar”, diz Maria por trás do balcão da lavanderia em que trabalha. A fé de Maria é comprovada na nódoa de roupa que ela esfrega e nunca fica limpa, mas é o ato de esfregar que lhe dá sentido à vida. Ela - Maria - sonha em casar-­se com o cliente elegante de óculos escuros; a ex-­prostituta deseja ter um vestido longo para se sentir digna; a mulher casada com um europeu entra em várias lojas de roupa; a mãe, também empregada da lavanderia, pega ‘emprestado’ um terno de um cliente para seu filho ir a um casamento. Ou seja, as tramas se cruzam, assim como as roupas no conhecido movimento de uma máquina de lavar.


Foto: Lucio Telles

Segundo o diretor, a peça "é uma teia de narrativas que lança olhos sobre os desejos de vida de personagens que vivem numa linha tênue de desejo e disputa de classes. Personagens marginais buscando ascender socialmente através de um olhar crítico, sensível e bem humorado sobre o país a partir de uma camada da população dita subalterna."

Para o autor Marcelino Freire, a montagem, assim como seu texto, tentam passar a limpo a nossa sociedade: "Escancarar, direta e secamente, as sujidades que aí estão. Haja trabalho esse nosso. De lavar, lavar, lavar. Até sobrar o que interessa. A verdade que a arte busca. E que a água, essa fonte de criação, nos revela."

Outras programações