Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Pesos, medidas, saúde e felicidade

Imagem do clipe Carta à Boa Forma, da cantora Anná.
Imagem do clipe Carta à Boa Forma, da cantora Anná.

Por Mariana Krauss*

 

“Por que você quer emagrecer se seu corpo não tá valendo ponto, criatura?”.

Este pensamento marcou um momento de epifania da então estudante de nutrição Paola Altheia. Até aquele momento, ela havia convivido apenas com pessoas do universo do ballet, atividade que praticou com disciplina dos 4 aos 26 anos. Ela vinha de uma família que tinha uma relação muito saudável com a comida e que a blindou das influências midiáticas que moldaram a geração de trinta e poucos anos hoje.

Até o momento em que ela entrou para a faculdade e começou a conviver com pessoas que não eram do meio da dança, Paola acreditava que a busca pela magreza era exclusividade de quem tinha profissões com rígidas normas estéticas, como no caso das modelos e das bailarinas clássicas.

A transformação começou quando ela percebeu que o assunto preferido de suas colegas estudantes era falar dos quilos e medidas que queriam perder. Pouco tempo depois, começou a estagiar e a atender pessoas acima do peso com o procedimento nutricional padrão, calcado em peso, medidas, dietas e broncas. Ao perceber que aquilo raramente dava resultado, ela decidiu estudar a fundo a insatisfação que as mulheres têm com o próprio corpo.

O caminho de Mirian Bottan até o mesmo ponto foi bem mais doloroso. Ela experimentou a competitividade desde os cinco anos, quando começou a participar de concursos de beleza.  Aos 12 anos, e com 42 quilos, ela decidiu que estava gorda. Anotou suas medidas no diário onde definiu que seu objetivo era emagrecer.

 

 

Um ano depois começaram os episódios de bulimia. Foi uma história longa, com diferentes tipos de compulsão, até que aos 27 anos procurou tratamento nutricional. O que era pra ser solução acabou virando outro problema: “Eu achava que o que ia me salvar era a vida fitness”.

Assim como manda o figurino das celebridades nas redes sociais, Mirian cultivava hábitos alimentares acima de qualquer suspeita, com nutrientes calculados sob medida, porções meticulosamente equilibradas, muita disciplina, musculação, foco, força e fé. Quando ela alcançou o almejado “corpo perfeito”, com 15% de gordura corporal, a decepção foi enorme.

Cada foto postada recebia uma enxurrada de comentários positivos, cheios de gente que a admirava e aplaudia. O que os seguidores não sabiam é que, na vida real, a construção daquela imagem ainda envolvia compulsão, vômito, quebra de relações, insegurança e – quem diria? – infelicidade.

No caso dos transtornos alimentares, é comum que os elogios venham junto com as consequências da doença. Assim aconteceu com a cantora Anná, que depois de um processo de ódio ao corpo, também enfrentou a bulimia. Em sua pior fase, quando mais emagreceu compensando a compulsão com o vômito, recebeu os maiores elogios sobre sua aparência. Poucos anos mais tarde, depois de superar a bulimia e de se encontrar na música, ela decidiu expressar sua experiência para o mundo compondo uma música sobre gordofobia e pressão estética. Na mesma mesa de jantar em que viveu relações tão conflituosas com a comida, escreveu os versos de Carta à Boa Forma:

 

“Você sabe o que é olhar para o espelho e desejar que aquele corpo não fosse seu?
sabe o que é não se achar em telas e papéis?
não é sobre ser gorda,
é sobre o peso de se estar acima de um peso”

 


“Eu acho que todo esse auto-ódio vem dessas coisas que a gente vê. Mulheres fotoshopadas, mulheres que não existem. As capas de revista se olham e veem que os caras corrigiram a celulite, a gordura que elas tinham... e nem elas se reconhecem no que é reproduzido”, comenta.

Mirian começou sua jornada de cura acreditando que a questão estava só com ela. “Eu me sentia louca, suja, bizarra. Com a terapia fui percebendo que era um problema de milênios, que era um problema de gênero. A gente pega 10 pacientes de transtornos alimentares e 9 são mulheres”.

Ela foi compreendendo a situação que vinha de muito antes dela estar viva: “Percebi que eu era o produto de uma sociedade que já estava ali há muitos milênios e que não favorece as mulheres. Investigar a minha história, as minhas questões, me trouxe pro estudo inevitável do feminismo, de entender como chegamos até aqui, como a gente já foi oprimida e como ainda não somos livres”.

Não existe uma lei que obrigue mulheres a serem magras e bonitas, dentro de um padrão estético que deixa quase todo mundo de fora. Mas os mecanismos de manutenção desta norma são muito bem enraizados e tão onipresentes que acabam passando despercebidos, mas cumprem muito bem seu papel de moldar as formas de pensar.

 

“Mulher tem que se cuidar”

Certamente você já ouviu ou repetiu essa frase por aí. Mas o que essa expressão realmente significa? “Se cuidar é uma espécie de obrigação que toda mulher tem de fazer a manutenção constante dos atributos físicos para que eles sejam aprimorados e melhorados, para que sejam admirados pelos outros. Inclusive, tem toda a questão do olhar masculino. Isso não necessariamente significa que a pessoa vai ser mais feliz, vai ser mais saudável, ou que está fazendo alguma coisa segura e confortável pro corpo”, comenta Paola, que hoje atua como nutricionista sem a prescrição de dietas e mantém o projeto Não Sou Exposição, em que faz questionamentos sobre corpo, autoestima e saúde.

Embora a busca pela magreza se confunda com uma busca pela saúde, esta não é uma relação estritamente verdadeira. A saúde passa por um conceito que pode soar como um sinônimo do “se cuidar”, mas que tem um sentido muito diferente: o autocuidado. “Esta é uma proposta mais gentil, mais interna, mais compassiva. É uma proposta de respeito e carinho pelo corpo”. Forte defensora do autocuidado e da noção de que o corpo perfeito é o que você está feliz e saudável, Paola combate a ideia de que magreza é sinônimo de bem estar: “A nossa sociedade diz que a busca por esse corpo ideal, que está no pedestal, é uma questão de qualidade de vida e de saúde. Eu discordo, porque se fosse uma questão de saúde seria muito menos desgastante e sofrido".

A pressão estética é um problema antigo, profundo e não tem solução simples, uma vez que os próprios serviços e profissionais de saúde, em sua maioria, ignoram este contexto e o quanto um discurso fundado na ideia de que magro é bom e gordo é ruim tem sido ineficaz. A boa notícia é que todas as mulheres que trilham este caminho de libertação têm em suas mãos uma ferramenta poderosíssima de cura, que muitas chamam de sororidade. 

“Quando a gente começa a pensar sobre essas nossas questões como mulheres, você olha pro lado e vê: está acontecendo com a sua amiga, está acontecendo com a sua mãe, aconteceu com a sua avó,  está acontecendo com quase todas as mulheres ao nosso redor. Quando a gente olha pro lado, a gente enxerga a nossa história na outra, a gente enxerga a outra na gente, a gente tem mais compaixão e julga menos. A gente consegue se unir mais e união é exatamente precisamos. Precisamos olhar pra outra e entender que estamos todas no mesmo barco, por que é isso que vai dar força pra gente fazer um movimento como a gente tá fazendo agora”, conclui Mirian, que segue sua trajetória na busca diária da liberdade.

 


Carta à Boa Forma, de Anná, ganhou um clipe que vem inspirando mulheres neste processo de aceitação.


Anná, Mirian Bottan e Paola Altheia participaram do bate-papo Beleza na Mesa, realizado no Sesc Ipiranga durante a programação do projeto Experimenta! - Comida, Saúde e Cultura.

 

*Mariana Krauss é Editora Web no Sesc SP

Outras programações