Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Uma horta para chamar de nossa

Crédito: Angelita Borges. Flor comestível, Tagetes Patula.
Crédito: Angelita Borges. Flor comestível, Tagetes Patula.

Por Lilian Ronchi Oliveira*

 

Em dezembro de 2018, a horta do Sesc Santos completa um ano. Dias depois da finalização do projeto, em 2017, vimos a primeira flor de alface: o pé começou a ficar meio esquisito, crescendo espichado, parecendo uma árvore de Natal. Todo mundo fez suas apostas: "é o solo!", "é falta de sol!", "está recebendo pouca água"... Mas depois saiu o pendão e, dele, um buquê com pequenas flores e aí descobrimos: alface dá flor e elas são amarelas. E das flores vieram as sementes, que colhemos para iniciar um novo ciclo de plantio.

 

Em janeiro, ficamos preocupados com o calor que fez por aqui e achamos que as plantas não iriam sobreviver. A equipe da rega dobrou a escala e, com água pela manhã e à tarde, todo mundo ficou bem. E já dava para ver a diferença: em pouco mais de um mês, as plantas tinham crescido e já estavam se adaptando ao espaço. O lago era o mais bonito: os peixes, as taiobas, os aguapés, os papiros... Tudo vivo e crescendo.

Em março, veio a nossa sombra: de madeira cumaru, ficou pronto para dar mais uma possibilidade de espécies, as trepadeiras. Plantamos chuchu, jasmim, guaco e feijão. Quando veio a primeira flor do jasmim, que surpresa: como imaginar que de uma pequena estrela branca poderia vir um perfume tão doce e delicado?

Em abril, tivemos a visita do Gerson Pinheiro, do SOS Abelhas sem Ferrão. Que conversa maravilhosa! Ele trouxe colmeias de várias espécies – no Brasil, são mais de 300 sem ferrão – com seus respectivos meles para nos sensibilizar sobre a importância das abelhas: mais de 70% dos alimentos do mundo dependem delas. E, entre vários aprendizados, um bem importante: quem planta manjericão, já deve ter ouvido que para ter folhas maiores deve-se cortar a haste das flores antes mesmo de elas abrirem. Mas olha o dilema: as abelhas ADORAM flor de manjericão! E, como sabemos, as abelhas estão morrendo por conta do uso de agrotóxicos. Sabe como deixar abelhas e humanos felizes? Deixe as flores e, em vez de uma folhona de manjericão, pegue duas folhas menores!

 

Foi em maio, com Guilherme Ranieri, que descobrimos que a horta é PANC, yeah! As tais plantas alimentícias não convencionais, ausentes dos supermercados, estão presentes na nossa horta, muitas vezes confundidas com matos. Vinagreira, alho silvestre, arnica do mato, trevos variados, taioba, capuchinha, peixinho... E ganhamos mudas de melão andino e jambu, aquele que adormece a língua e é usado no tucupi e no tacacá da culinária do Norte!

 

Plantamos e comemos flores em junho. Capuchinha, amor perfeito, gerânio, girassol, camomila, alfazema, hibisco são comestíveis e, além de irem para a salada ou para geleias, tornam o jardim um refúgio para as abelha, pássaros e insetos variados. Conhecemos a composteira de folhas da horta e aprendemos o que é compostagem: um jeito de transformar os chamados resíduos orgânicos — cascas de frutas, legumes e ovos, aparas de verduras, borra de café, saquinhos de chá — em adubo. Acompanhamos nossas primeiras lagartas virando borboletas, descobrimos as flores do boldo e do feijão e colhemos abóboras! Com crianças exploradoras, fizemos uma caça ao tesouro: juro que elas acharam corações, estrelas, lixas, molas, sininhos e bichos de pelúcia pelos canteiros!

Julho chegou e aplicamos preparados naturais na horta: calda de alho, chá de camomila... Mas a lição mais importante foi que a natureza é muito mais cooperativa do que imaginamos e adora uma diversidade: quantos mais plantas diferentes, melhor! Se tem um bichinho devorando sua planta favorita, ele está indicando que tem um desequilíbrio: às vezes, a planta pode estar fraca, o solo compactado, pouca diversidade... Soluções? Adube mais para fortalecer e tente colocar outras espécies juntas. Funciona assim: uma espécie atrai um bicho que come outro que está atacando uma planta, outra libera no solo um nutriente de que a outra precisa, e todo mundo se ajuda. Na nossa horta, colocamos isso em prática: em um canteiro pequeno, fizemos um plantio consorciado de couve, cebolinha, almeirão, alface, rúcula, salsinha e erva doce, a loucura das joaninhas. Por falar em joaninhas, já flagramos algumas namorando no quiabo.

E os cheiros, minha gente? Nos dias de poda do manjericão, a Unidade inteira fica cheirando a pizza! E o orégano – e suas flores – e a menta, a hortelã, a alfazema, a lavanda, o boldo, a alfavaca, a malva, a cânfora, o alecrim, a erva doce...

 

Teve flor de cebolinha, de coentro, de alface roxa, de linhaça, de pitangueira, de amoreira... Acompanhar esses ciclos e esperar os tempos nos faz reconectar com a terra e conosco. Estar nesse pedacinho verde é ficar mais em paz e estabelecer outras relações, ou com as plantas ou com as pessoas que vão junto cuidar do espaço com você. Aliás, agradecimentos especialíssimos a todas as pessoas que doaram um pouquinho do seu tempo para cuidar do espaço, inclusive debaixo de chuva. Vocês foram essenciais.

Em 2019, continuaremos com as atividades e estamos também planejando um viveiro de mudas, mais sombra e uma pia com filtro de plantas. Quem já veio, está convidado a voltar; quem ainda não conhece, está convidado a conhecer. E que venham mais ciclos!

O acesso à horta do Sesc Santos é feito pela parte externa da sala 3, subindo as escadas. Fica aberta para o público nos dias de mutirões e de atividades no espaço. Consulte nossa programação.

 

*Lilian Ronchi Oliveira é programadora do Sesc Santos

Fotos relacionadas

Outras programações

Meio Ambiente

 Criando na horta e na ocupação - A construção de paisagens e esculturas

Criando na horta e na ocupação - A construção de paisagens e esculturas

SESC 24 de Maio

Saiba mais