Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Planta é resistência

Produção e consumo sustentáveis são tema de oficinas e bate-papos
Produção e consumo sustentáveis são tema de oficinas e bate-papos

O projeto Planta Resistência do Sesc Consolação discute, por meio de bate-papos e oficinas, formas alternativas e sustentáveis de produção e comércio de produtos artesanais. Na programação, o foco é mostrar maneiras práticas de preparo e consumo caseiros com vistas à redução do desperdício e de resíduos.

É preciso valorizar a potencialidade dos produtos naturais, a troca dos saberes tradicionais e acadêmicos e a autonomia dos indivíduos frente ao condicionamento industrial hegemônico. Para tanto, as atividades têm as plantas alimentícias como protagonista, levando a discussão da produção e do consumo sustentável à mesa e à rotina das pessoas. Planta é resistência, pois é política, é economia, é social. É desenvolvimento.

Entre as ações que encontramos neste sentido hoje, o trabalho da Mato no Prato apresenta a educação ambiental para valorizar nossos recursos naturais, reinserindo-os na nossa culinária. No material a seguir, a instituição oferece uma lista de plantas comestíveis, além de receitas com elas. 

 

Confira mais receitas aqui.

Demandar maior variedade de alimentos
 


Arthur Rodrigues conversa com a EOnline sobre PANC e consumo consciente 
Foto: Divulgação
 

“É interessante notar que a maioria das pessoas diz que não consome as PANC por não encontrar no comércio, mas os feirantes afirmam que a procura se mantém entre os vegetais convencionais”

Dentro das ações do projeto, conversamos com o geógrafo que trabalha com permacultura e PANC (Plantas Alimentícias Não Convencionais) Arthur Rodrigues, da Mato no Prato, que destaca a importância do resgate da cultura alimentar tradicional que o Sesc, entre outras instituições, oferece em sua programação, nas comedorias e com o programa Mesa Brasil.

Arthur ainda fala sobre a memória afetiva de plantas que hoje não se vê em feiras e mercados, mas consumíamos direto da horta, e ações para diminuirmos o desperdício de alimentos.
 

EOnline - O que as pessoas precisam saber sobre as PANC?
Arthur Rodrigues - Atualmente o conceito de PANC está bem difundido, principalmente nas grandes cidades, que se configuram como espaços de troca de informações. As pessoas conhecem a sigla, mas ainda consomem as PANC somente em ocasiões especiais ou restaurantes. Para esta população é importante consolidar o consumo, de forma que estes alimentos façam parte do cotidiano. Nas áreas rurais, muitos vegetais considerados PANC se fazem presentes por serem parte da memória afetiva alimentícia, mas é preciso resgatar o valor destes ingredientes para manter viva a tradição de uma alimentação mais biodiversa.

EO - Como podemos cultivar/comprar PANC e outros alimentos de exploração mais consciente?
A.R. - As PANC se dividem entre plantas que já foram historicamente cultivadas como ornamentais e também como alimento. Ainda assim, muitas mantiveram aspectos naturais, sendo rústicas e ocorrendo espontaneamente, por isso cultivo é mais simples que a maioria das plantas convencionais, que dependem de defensivos sofisticados ou um pacote de sementes transgênicas. Com alguns cuidados é possível colher alimento seguro, saudável e saboroso que cresce por conta própria em determinados ambientes. Além disso, é importante se aproximar dos produtores da sua comida. O primeiro passo é frequentar as feiras livres e consumir produtos diferentes, depois demandar maior variedade de alimentos. É interessante notar que a maioria das pessoas diz que não consome as PANC por não encontrar no comércio, mas os feirantes afirmam que a procura se mantém entre os vegetais convencionais. É imprescindível eliminar estes ruídos na comunicação entre o consumidor final e o produtor.

EO - O mundo hoje desperdiça muita comida: de acordo com a FAO Brasil – Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, 28% dos alimentos se perdem no processo de produção agrícola e mais 28% são jogados no lixo após chegarem às nossas casas. Que ações devemos tomar para evitar o desperdício e aproveitar melhor os alimentos?
A.R. - Além da má distribuição na produção dos alimentos no Brasil e da logística deficiente, há preconceitos relacionados aos padrões estéticos dos vegetais e ao aproveitamento integral associado à situações de escassez, que levam ao desperdício. Alguns vegetais ou partes deles que caíram em desuso são os que hoje se enquadram como PANC, como por exemplo, o coração da bananeira (inflorescência) ou mesmo as cascas e as ramas de vegetais usuais como a cenoura e a beterraba. Este alimentos têm potenciais que precisam ser melhor estudados, testados, experimentados e divulgados, para que haja revalorização. Para tanto, é necessário que as pessoas despertem para a importância da alimentação na sua saúde,  se tornem mais criteriosas com a comida industrializada e atentas à monotonia alimentar que a mesma provoca.

EO - Gostaria de dizer mais alguma coisa sobre o assunto que não foi abordado nas perguntas acima e que seria importante ressaltar para nossos leitores?
A.R. - O Sesc é um dos maiores apoiadores do resgate da cultura alimentar tradicional no país, tanto na programação quanto nas comedorias, que como a do Sesc Carmo funciona há anos no coração de São Paulo, servindo para o público refeições naturais. Além disso, o programa Mesa Brasil, que teve o seu início no Sesc SP, destina o alimento excedente de produções e mercados à instituições filantrópicas, melhora o acesso à alimentação saudável e reduz o desperdício, sendo também vantajoso para o meio ambiente.


Arthur Rodrigues é geógrafo (UNIFAL-MG), mestrando em Planejamento Urbano e Regional (UNIVAP) e trabalha com permacultura há mais de dez anos e com PANC desde 2013.

E online

Banca PANC
O que:
Banca PANC
Quando:
23/01/2019 a 23/01/2019
Quarta, 12h30 ÀS 15h30
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Conhecendo as PANC
O que:
Conhecendo as PANC
Quando:
26/01/2019 a 26/01/2019
Sábado, 14h ÀS 17h
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Fogão e Prosa: Menu Sustentável
O que:
Fogão e Prosa: Menu Sustentável
Quando:
30/01/2019 a 30/01/2019
Quarta, 19h ÀS 21h
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Cultivo com PANC
O que:
Cultivo com PANC
Quando:
09/02/2019 a 09/02/2019
Sábado, 14h ÀS 17h
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Alimentação Viva
O que:
Alimentação Viva
Quando:
12/02/2019 a 12/02/2019
Terça, 19h ÀS 21h
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Caminhada de Reconhecimento das PANC
O que:
Caminhada de Reconhecimento das PANC
Quando:
23/02/2019 a 23/02/2019
Sábado, 10h30 ÀS 13h30
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação
Cozinha Experimental, Banquete Marginal
O que:
Cozinha Experimental, Banquete Marginal
Quando:
27/02/2019 a 27/02/2019
Quarta, 19h ÀS 21h
Onde:
SESC Consolação
Rua Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque - tel.: (11)3234-3000
Quanto:
  • Grátis

*espetáculo não recomendado para menores de 14 anos

Ver programação

Outras programações