Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Exposição Oficina Molina-Palatnik

A mostra Oficina Molina-Palatnik exposta na Praça do Sesc Avenida Paulistade 2/12/20 a 28/8/21, traz um diálogo entre a obra de Mestre Molina e Abraham Palatnik, dois artistas emblemáticos da história da arte brasileira que integram o Acervo Sesc de Arte.

Neste encontro, o diálogo poético entre as produções artísticas evidencia que a ação de um objeto no espaço e no tempo, o movimento, é matéria plástica de inegável qualidade sensível. 

Ambos - artistas inventores - se conectam em sua atração pelo lúdico, em seu prazer pela invenção, no assombro pela automação e em sua entrega a um paciente trabalho investigativo. Compartilham ainda de um mesmo período histórico, embora sejam lidos em diferentes chaves estéticas: o popular e o erudito.
 


Mestre Molina | Foto: Divulgação


Manuel Josette Molina nasceu em Bocaina (SP), em 1917, e faleceu em São Paulo (SP), em 1998. Durante mais de vinte anos perambulou muito pelo Brasil. Permanecia pouco tempo nos locais, não tinha moradia fixa e se locomovia a pé, de trem ou nos caminhões que recrutavam pessoas pelo caminho para trabalho na lavoura. Só começou a criar suas obras aos 52 anos de idade, produzindo bancadas – geringonças, como ele mesmo apelidou – repletas de figuras artesanais, feitas com enorme diversidade de materiais que se movem por meio de engrenagens e motores elétricos. Tornou-se o Mestre Molina após sua primeira exposição no Sesc Santos, em 1974, quando se entendeu como artista. Em 1985 foi contratado pelo Sesc Pompeia, onde permaneceu disseminando a arte popular até o final de seus dias. O Acervo Sesc de Arte mantém 25 obras do artista.
 


Abraham Palatnik | Foto: Divulgação


Abraham Palatnik nasceu em Natal (RN), em 1928, e faleceu no Rio de Janeiro (RJ), em 2020. Seu interesse pelas possibilidades criativas das máquinas evoca a relação entre arte e tecnologia. A formação em engenharia contribuiu para que desenvolvesse investigações técnicas focadas na experimentação com o movimento e a luz: assim surgem as obras Aparelhos Cinecromáticos, Objetos Cinéticos, Lúdicos e Rotativos, Relevos Progressivos, Campos Magnéticos, e tantas outras criações. Em 70 anos de carreira, Palatnik participou de diversas exposições no Brasil e no exterior, incluindo oito edições da Bienal de São Paulo, Brasil (1951-1969), e a 32ª La Biennale di Venezia, Itália (1964). Suas obras estão nas coleções de museus como o de Arte Moderna de Nova York (MoMA) e de Arte Moderna de São Paulo (MAM). Atualmente o Acervo Sesc de Arte conta com duas obras do artista em sua coleção.


➤ PROTOCOLOS DE SEGURANÇA

- 
Em todas as unidades, estão sendo adotadas medidas para diminuição do risco de contágio e propagação do Coronavírus, conforme as orientações do poder público.

- A utilização de máscara cobrindo boca e nariz durante toda a visita e a medição de temperatura dos visitantes na entrada da unidade serão obrigatórias.

 Todas as unidades permanecem fechadas para visitação espontânea, exceto Interlagos e Itaquera.

- A proteção de todos é prioridade! Sugerimos que pessoas dos grupos de risco, conforme definido pelas autoridades de saúde, sejam preservadas neste momento.

 Clique aqui para saber mais.

- Se você apresentar os sintomas relacionados à Covid-19, procure o serviço de saúde e permaneça em isolamento social.


➤ COMO VISITAR?

- Os ingressos são disponibilizados AQUI todas as quintas-feiras, a partir das 14h, referente aos dias da semana seguinte. 

Leia abaixo mais informações sobre a visitação.

- Escolha o horário de sua sessão no link acima. O agendamento é gratuito e tem por finalidade a organização da visita e controle de acesso de público. Todas as pessoas precisam de ingressos para o acesso à exposição, mesmo as crianças de colo. Para essa atividade limitamos a retirada de ingressos para três por CPF.

- Você receberá o ingresso em seu e-mail (verifique a caixa de spam, caso não chegue em alguns minutos). Apresente o comprovante em seu celular na entrada da exposição. Não é necessário imprimir.

- Compareça no horário agendado. Para não formar filas ou gerar aglomerações, não se atrase nem chegue com muita antecedência.



- A entrada na exposição será permitida apenas após confirmação do agendamento feito no portal do Sesc São Paulo. Não será permitida a entrada de acompanhantes sem ingressos.

- Com ocupação máxima regulamentada pelo Plano São Paulo, a visitação da exposição tem duração de 30 minutos.

- 

Recomendamos que tragam celular em condições de uso e fone de ouvido pessoal, pois a exposição oferece conteúdo educativo e de acessibilidade com acesso por QR Code.

- Caso tenha interesse em agendar atividade educativa, virtual ou presencial, com nossa equipe, escreva para educativo.avenidapaulista@sescsp.org.br



➤ ACESSIBILIDADE

Com o objetivo de ampliar cada vez mais o acesso à arte, a exposição Oficina Molina-Palatnik conta com recursos de acessibilidade. Conheça alguns deles:

- QR Codes - você pode ouvir a audiodescrição das obras e visitar o site educativo, basta trazer um celular com câmera e fones de ouvido.

- Piso podotátil e adaptações táteis das obras para pessoas com deficiência visual.

- Vídeo-libras com percurso educativo da exposição.

- Algumas obras podem produzir barulho incômodo para pessoas hipersensíveis a ruídos, que utilizem aparelhos auditivos ou com deficiência intelectual.

 

➤ AÇÃO EDUCATIVA

Como desenvolver uma ação educativa no contexto da pandemia da COVID-19? Como estar junto, dialogar, experimentar e construir conhecimentos artísticos e culturais com outras pessoas e, ao mesmo tempo, nos proteger mantendo as distâncias físicas que o momento impõe?

Auana Diniz, coordenadora da ação educativa da exposição expõe a seguir como o projeto educativo foi desenvolvido nesse contexto: "O projeto partiu da criação de um Percurso Educativo, que pudesse ser acessado via QR Code por quem visita a exposição presencialmente. A proposta é convidar as pessoas para experimentarem o papel de criadores de histórias, imaginações, movimentos... numa exposição que recebe o nome de Oficina! 

O Percurso foi criado como uma visita educativa, ou seja, um roteiro que passa por algumas obras da exposição, mobilizando temas e pontos de interesse. Mas, diferente de uma visita educativa que conta com a presença de educadores/as para estabelecer diálogos com participantes, a proposta era que fosse acessado por cada pessoa individualmente pelo celular ou tablet, para manter o distanciamento físico. Nos períodos que a exposição está aberta para visitação a equipe de educadores/as do Sesc Avenida Paulista estão presentes no espaço expositivo, mas os modos de dialogar com quem visita são mais breves para proteger tanto profissionais, quanto visitantes."
 

QR Codes

​Sobre os Qr Codes espalhados pela exposição, Auana nos conta:
Imaginando as múltiplas possibilidades de percorrer a exposição, também pensamos o percurso como uma ação que não tem uma ordem (começo-meio-fim), ou seja, pode ser acessado de qualquer ponto, de um ponto só ou ser acessado em alguns momentos no percurso de quem está caminhando pela exposição, considerando o acesso ao Percurso via QR Codes que estão junto das legendas dos trabalhos.

 

Vídeo-oficinas

As vídeo-oficinas foram divulgadas online e estão disponíveis no canal do Youtube do Sesc Avenida Paulista para quem escolhe não visitar presencialmente a exposição, mas quer experimentar suas propostas educativas.

Assista abaixo a um dos vídeo-oficinas produzido pela Ação Educativa Híbrida da exposição, para continuidade da visita além do espaço físico.


 

Ações online

Estão sendo realizadas uma série de ações online integradas ao projeto educativo da exposição. Leonardo Gallep e Gustavo Sarti produziram uma vídeodocumentação da exposição, e durante o mês de agosto de 2021 serão propostas quatro ativações educativas, utilizando as redes sociais do Sesc Avenida Paulista e o site educativo, a partir de múltiplas linguagens artísticas.

 

Partilhas Pedagógicas

Também em agosto acontecerão uma série de encontros online com professores/as, educadores/as e outras pessoas interessadas para conversar sobre práticas educativas híbridas e/ou remotas, partindo das proposições criadas com a exposição Oficina Molina-Palatnik, que estão com inscrições abertas.

Estes encontros, nomeados de Partilhas Pedagógicas, são um convite para experimentarmos algumas ativações educativas e conversar sobre as potências e limites de práticas como estas, que se propõem a repensar as propostas de arte/educação e mediação cultural dentro dos limites que enfrentados atualmente.

Outras programações