Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Sesc Bom Retiro recebe Ciclo de Debates do 1º dh fest - Festival de Cultura em Direitos Humanos em seu canal no Youtube

Diversas temáticas ligadas aos Direitos Humanos entram em cartaz em um novo festival que reúne filmes, performances musicais e debates. Agendado para o período de 7 a 14 de março, o 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos acontece de forma online e gratuita, via plataformas e redes sociais. A programação completa está disponível em dhfest.com.br.

O festival está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) lançados pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015. Trata-se de uma agenda com 17 objetivos para serem implementados até 2030 por todos os países do mundo: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia limpa e acessível; trabalho decente e crescimento econômico; inovação e infraestrutura resiliente; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; ação contra a mudança global do clima; conservação e uso sustentável da água; proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres; paz, justiça e instituições eficazes; e fortalecimento dos meios de implementação e revitalização de parcerias globais para o desenvolvimento sustentável.

A curadoria do 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos é assinada por Leandro Pardí, Francisco Cesar Filho e pelo Instituto Vladimir Herzog em parceria com o Sesc São Paulo.

O diretor regional do Sesc São Paulo, Danilo Santos de Miranda, relata: "Ao propiciar e difundir ações, sejam artísticas ou socioeducativas, que contribuam para a efetivação dos Direitos Humanos em diferentes âmbitos, a instituição reafirma seu compromisso na construção de uma sociedade cujos valores da solidariedade e da igualdade estejam presentes nas variadas formas de convivência".

Rogério Sottili, diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog, afirma que o festival pretende contribuir para a construção de um país mais justo e democrático. "O Instituto Vladimir Herzog, desde sua fundação, aposta na cultura e acredita que a arte pode sensibilizar para o exercício da cidadania. Esta iniciativa reafirma a importância dos Direitos Humanos e responde ao contexto desolador de desmonte das políticas públicas de cultura no Brasil. Vamos seguir na luta por direitos valorizando por meio do diálogo o que temos de melhor: nossa diversidade e nossa cultura".

Para Leandro Pardí, o 1º dhfest pretende “desde sua primeira edição valorizar a música enquanto elemento engajador e representante de discursos plurais que inspiram transformações a favor da diversidade”. Ele ressalta que o objetivo do festival é “criar um hub para a cultura cidadã, abordar as temáticas de Direitos Humanos pertinentes ao desenvolvimento cultural e social.''

Segundo Francisco Cesar Filho, o festival pretende “estimular a reflexão sobre as diversas temáticas ligadas aos Direitos Humanos, reunindo obras cinematográficas, apresentações musicais e mesas de discussão que dialoguem com esses temas. Assim, se enriquece um debate que se mostra extremamente necessário na atualidade em nosso país.”

Os filmes serão disponibilizados na Plataforma Sesc Digital e Innsaei.TV e as performances musicais em Innsaei.TV e o Ciclo de Debates no canal de Youtube (/sescbomretiro),

CONFIRA PROGRAMAÇÃO DO CICLO DE DEBATES:

8/03, segunda-feira, às 17h00
"Mulheres e resistência: narrativas para romper silêncios”

com Conceição Evaristo, Maria Clara Araújo e Semayat Oliveira (mediação)
Narrar e criar trajetórias de resistência, para si e como inspiração, são maneiras potentes para romper os muitos silenciamentos vividos pelas mulheres. Silenciamentos esses que se originam no patriarcado, mas também no colonialismo, no etarismo, na pobreza, entre outros recortes das desigualdades. As muitas identidades, resistências e formas de se sentir mulher, compõem movimentos pela ampliação e ocupação de espaços públicos, culturais, institucionais e políticos. É a partir deste cenário e no contexto do Dia Internacional da Mulher que se dá a conversa entre a romancista, contista e poeta Conceição Evaristo, e Maria Clara Araújo, pedagoga e afrotransfeminista. Com mediação da jornalista e escritora Semayat Oliveira, do coletivo “Nós, Mulheres da Periferia”.

9/03, terça-feira, às 17h00
“Aldeias, quilombos e periferias: o poder das palavras na luta por direitos”

com Catarina Guarani, Nêgo Bispo e Bianca Santana (mediação)
Ouvir aqueles que resistem há décadas contra a perseguição de seus territórios, línguas e identidades é imprescindível para ampliar os sentidos das lutas por direitos do tempo presente. A professora indígena Catarina Guarani, do litoral de São Paulo, e o pensador quilombola Nêgo Bispo, do interior do Piauí, se unem em uma conversa sobre o uso das palavras como instrumento de luta para manter viva a cultura de seus ancestrais. A partir de suas diversas cosmologias, como as tradições orais e as linguagens escritas podem atuar em defesa da vida? Com mediação da jornalista e escritora Bianca Santana, autora do livro "Quando me descobri negra".

10/03, quarta-feira, às 17h00
“Vladimir Herzog e o documentário social: memória e justiça”

com João Batista de Andrade, Tata Amaral e Paula Sacchetta (mediação)
O jornalista Vladimir Herzog tornou-se símbolo dos horrores cometidos pela violência da ditadura militar no Brasil com seu assassinato em outubro de 1975. No entanto, pouco se conhece o papel fundamental que Herzog teve no cenário cinematográfico brasileiro nas décadas de 1960 e 1970. Ele defendia, sobretudo, uma prática audiovisual que tomasse posição diante das desigualdades do país - seja em sua relação com a Cinemateca Brasileira; seja na direção e escrita de seu único filme, o curta-metragem “Marimbás”. João Batista de Andrade, amigo pessoal de Vlado, e Tata Amaral, renomados nomes do cinema nacional e cuja trajetória é pautada pelo respeito aos Direitos Humanos, prestam homenagem à memória do jornalista e ao seu legado para o documentário social. Com mediação da documentarista Paula Sacchetta, especializada em temas ligados aos Direitos Humanos.

11/03, quinta-feira, às 17h00
Entrevista “Meu norte é o sul: retratos latino-americanos no cinema”

com Patricio Guzmán e Luiz Carlos Merten (mediador)
A carreira do cineasta chileno Patricio Guzmán se desdobra ao longo das últimas cinco décadas sobre o trauma coletivo produzido pela ditadura militar de Pinochet em seu país, e sobre memórias e vestígios de prisioneiros e desaparecidos políticos. Seu filme mais recente, “A Cordilheira dos Sonhos”, e o empenho em trabalhar o passado do Chile e por consequência da América Latina, são temas da conversa entre Guzmán e o jornalista e crítico de cinema Luiz Carlos Merten. Este encontro se propõe a pensar como o cinema e a cultura podem produzir uma poesia marcada por discussões do Sul global sobre os Direitos Humanos.

13/03, sábado, às 17h00
"Somos a terra: os direitos da natureza e o futuro da humanidade"

com Ailton Krenak, Sebastião Salgado e Ana Toni (mediação)
É preciso pensar o futuro do planeta e da humanidade como questões profundamente conectadas. Garantir a justiça climática é proteger a dignidade humana, especialmente para as populações mais vulnerabilizadas. Em diálogo inédito, o escritor Ailton Krenak e o fotógrafo Sebastião Salgado, os dois nascidos em Minas Gerais e vizinhos no Vale do Rio Doce, região conhecida pela intensa atividade agropecuária e extrativista, refletem os desafios e a urgência de pensarmos os direitos da natureza como direitos humanos. Com mediação de Ana Toni, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade.

Sobre os debatedores e mediadores:
Ailton Krenak é escritor e ativista do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas. Organizou a Aliança dos Povos da Floresta e contribuiu para a criação da União das Nações Indígenas (UNI). Sua luta nas décadas de 1970 e 1980 foi determinante para a conquista dos “Capítulo dos índios” na Constituição de 1988. É coautor da proposta da Unesco que criou a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço em 2005. É comendador da Ordem do Mérito Cultural da Presidência da República.

Ana Toni é diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade. Economista e doutora em Ciência Política, foi Presidente de Conselho do Greenpeace Internacional (2011 a 2017), diretora da Fundação Ford no Brasil (2003-2011) e da ActionAid Brasil (1998-2003). Foi membra do conselho do GIFE, Fundo Baobá para Equidade Racial e Sociedade e Wikimedia Foundation entre outros. Atualmente é integrante dos conselhos da Gold Standard Foundation, Instituto República, Transparência Internacional- Brasil, e do Instituto Pesquisa Ambiental da Amazônia -IPAM.

Bianca Santana é jornalista e escritora.  Doutora em ciência da informação e mestra em educação pela Universidade de São Paulo. Autora de "Quando me descobri negra" e de uma biografia de Sueli Carneiro, em processo de edição. Pela UNEafro, colaborou com a articulação da Coalizão Negra Por Direitos e agora se dedica à estruturação do Instituto de Referência Negra Peregum. É conselheira do Instituto Vladimir Herzog.

Catarina Guarani é professora. Catarina Delfina dos Santos, em tupi Guarani Nimbopyruá. Moradora das terras indígenas Piáçaguera na aldeia Tapirema, no litoral de São Paulo. Líder Espiritual, dá aula de terapia tradicional. Tem 4 filhos e vai fazer mestrado em antropologia. É da etnia tupi Guarani.

Conceição Evaristo é escritora. Ficcionista e ensaísta. Mestre em Literatura Brasileira pela PUC/Rio, Doutora em Literatura Comparada pela UFF. Sua primeira publicação (1990) foi na série Cadernos Negros do grupo Quilombhoje. 7 livros publicados, entre eles o vencedor do Jabuti, Olhos D’água (2015), 5 deles traduzidos para o inglês, o francês, espanhol e árabe. Prêmio do Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra; Prêmio Nicolás Guillén de Literatura pela Caribbean Philosophical Association; Prêmio Mestra das Periferias pelo Instituto Maria e João Aleixo (tudo isso em 2018!). Em 2019, lançou seu “Poemas da Recordação e Outros Movimentos” em edição bilíngue no Salão do Livro de Paris. Foi homenageada pelo Prêmio Jabuti ainda em 2019 como personalidade literária.

João Batista de Andrade é cineasta, escritor e gestor. Dirigiu longas-metragens premiados, como “Doramundo” (1978), eleito melhor filme no Festival de Gramado, “O Homem que Virou Suco” (1980), grande vencedor do Festival de Moscou, e “O Tronco” (1999), prêmio de melhor direção no Cine PE – Festival Audiovisual. Realizou “Vlado – 30 Anos Depois” (2005), documentário sobre seu amigo Vladimir Herzog (1937-1975), jornalista torturado e morto pela ditadura civil-militar do Brasil. Em 2014 foi vencedor do Prêmio Intelectual do Ano. Ocupou os cargos de secretário estadual da cultura de São Paulo (2005-2006), quando criou o Programa de Apoio à Cultura (ProAC), presidente da Fundação Memorial da América Latina e ministro interino da cultura.

Luiz Carlos Merten é jornalista e crítico de cinema, considerado um dos mais importantes profissionais brasileiros em sua área. Atuou em diversos veículos de imprensa, entre eles O Estado de S. Paulo, no qual escreveu ao longo de 31 anos, fazendo reportagens e cobrindo eventos como o Festival de Cannes. É autor dos livros “A Aventura do Cinema Gaúcho” (2002), “Carlos Coimbra um Homem Raro” (2004), “Um Sonho de Cinema” (2004), “Anselmo Duarte o Homem da Palma de Ouro” (2004), “Cinco Mais Cinco. Os Maiores Filmes Brasileiros em Bilheteria e Crítica” (2007) e “Cinema: entre a realidade e o artifício: diretores, escolas, tendências” (2010), entre outros.

Maria Clara Araújo é formada em Pedagogia pela PUC-SP e cursando a Especialización y Curso Internacional en Estudios Afrolatinoamericanos y Caribeños pelo Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO) e pela Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO Brasil). Também está cursando o Certificado en Estudios Afrolatinoamericanos do Instituto de Investigaciones Afrolatinoamericanas de la Universidad de Harvard. Integrante do NIP: Núcleo Inanna de Pesquisa e Investigação de Teorias de Gênero, Sexualidades e Diferenças, coordenado pela Profª Dra. Carla Cristina Garcia (PUC-SP).

Nêgo Bispo é lavrador, poeta, escritor, formado por mestras e mestres de ofícios, morador do Quilombo Saco-Curtume, localizado no município de São João do Piauí. Ativista político e militante de grande expressão no movimento social quilombola e nos movimentos de luta pela terra, atua na Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Piauí e na Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas. Faz parte da primeira geração da família de sua mãe que teve acesso à alfabetização.

Patricio Guzmán é um dos cineastas latino-americanos de maior renome internacional. Após o golpe de estado no Chile, permaneceu no Estádio Nacional de Santiago, sofreu confinamento solitário e foi ameaçado de execução. Deixou o país em novembro de 1973. Seu filme “Nostalgia da Luz” recebeu o Grande Prêmio concedido pela Academia de Cinema Europeu em 2010. Com “O Botão de Pérola”, ganhou o Urso de Prata no Festival de Berlim em 2015, e seu filme mais recente “A Cordilheira dos Sonhos” foi eleito melhor documentário no Festival de Cannes em 2019. Guzmán é presidente e fundador do Festival de Documentários de Santiago, FIDOCS. Retrospectivas recentes de sua obra aconteceram no British Film Institute e no FilmArchive de Harvard. Duas de suas obras, “Nostalgia da Luz” e “A Batalha do Chile”, foram incluídas na lista dos melhores documentários de todos os tempos, organizada pela revista britânica Sight and Sound.

Paula Sacchetta é documentarista e é especializada em temas ligados aos Direitos Humanos. Seu segundo longa documental, “Precisamos Falar do Assédio”, foi lançado em setembro de 2016 no 49o Festival de Brasília do Cinema. Dirigiu também duas séries de TV, “Famílias”, sobre jovens LGBT na periferia de São Paulo, e "Eu, Preso", sobre o sistema carcerário brasileiro. Durante a quarentena do Covid-19 lançou um curta todo feito remotamente sobre a chegada do vírus no sistema carcerário e um curta sobre sexo na terceira idade filmado meses antes, "Acende a Luz", ambos para o Mov.doc, da UOL.

Sebastião Salgado é formado em economia e começou sua carreira como fotógrafo na França, onde mora desde 1973. Trabalhou para as agências Sigma e Gamma, e desde 1979 faz parte da Magnum. Já recebeu os prêmios mais importantes concedidos ao fotojornalismo, entre eles o de Melhor Repórter Fotográfico do Ano, oferecido pelo International Center of Photography de Nova York, e o Grand Prix da Cidade de Paris. Ao lado de sua esposa, Lélia Wanick, desenvolve o Instituto Terra, instituição dedicada a recuperar o ecossistema florestal da região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. Salgado é também embaixador da Boa Vontade da UNICEF e membro honorário da Academia de Artes e Ciências dos EUA.

Semayat Oliveira é jornalista, escritora e documentarista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e especialista em Cultura, Educação e Relações étnico-raciais pela Escola de Comunicação e Artes da USP. Cofundadora do grupo jornalístico Nós, mulheres da periferia, atua há dez anos com foco em criar novos imaginários e narrativas sobre as mulheres brasileiras, a periferia e a população negra. No âmbito da comunicação estratégica, atuou como coordenadora de comunicação no Instituto Vladimir Herzog entre 2018 e 2019.

Tata Amaral é citada por vários críticos como uma das mais importantes realizadoras do cinema brasileiro a partir da década de 1990. A realizadora assina premiados longas-metragens, como “Um Céu de Estrelas (1996), exibido nos festivais de Toronto, Roterdã e Berlim, “Antonia” (2006), que inspirou a série televisiva homônima indicada ao Prêmio Emmy Internacional, e "Hoje" (2011), o grande vencedor do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Dirigiu ainda as séries "Rua!" (2013), realizada para a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, e "Causando na Rua" (2016).

Serviço
1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos

Ciclo de Debates
Segunda, terça, quarta, quinta e sábado, às 17h
Youtube.com/sescbomretiro
Programação completa em dhfest.com.br

Facebook (/sescbomretiro) | Instagram (@sescbomretiro) | Youtube (/sescbomretiro) | Twitter (@sescbomretiro)

Outras programações

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais

Artes Visuais

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

Birico - Poéticas Autônomas em Fluxo

SESC Bom Retiro

à venda na unidade a partir de
22/09

Saiba mais