Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Habitar Palavras: Kelvin Gomes

A esperança na corda bamba de sombrinha

Por um instante o mundo parou
O mundo se olhou no espelho e se amedrontou

Não era belo o que via
Sua própria imagem em melancolia
Sem ir nem vir
Só o reflexo a sorrir

Um sorriso amarelo
Sem cor
Sem brilho
Nem um martelo para o espelho quebrar
E de uma vez por todas não mais se olhar

Não tinha jeito o que estava posto já tinha sido feito

Por um instante o mundo parou
Mas não parou a esperança
Essa que como criança
Cai, machuca e retorna a levantar
Não se deixa enganar
Se esconde
Se mostra
A esperança é nossa
E de quem quiser pegar.


O que te faz sorrir?

Chegou a hora
Hora de olhar para dentro de si
Mostrar o que aprendeu
O que te fez sorrir

A hora é agora
Sem tempo e sem demora
- Com pandemia?
- Mas, minha senhora, o que te faz sorrir?

A TV ligada
Barulho de carro na estrada
O trem passando
Um apito a menos talvez
O tic tac do relógio
São tantas coisas que
Depende o freguês

Mas o que te faz sorrir?
A música dançante
Um amor impactante
Quem sabe seja o seu próprio amor

O que te faz sorrir?
Ouso dizer que as coisas simples
As coisas que a gente costuma não ver.

O meu choro é de alegria

Chora a pobre senhora
Já não sabia o que faria
- Por que choras, minha senhora?
O que a vida lhe traria?

- Não choro de tristeza, o meu choro é de alegria

O que a vida lhe guardou
Nem mesmo eu sei explicar
Mandaram buscar de longe
O que de longe vem chegar

A senhora em choradeira
Quase não conseguia escutar
Mas seu nome era chamado
Seu momento há de chegar

Na fila o choro aumenta
O silêncio a falar
Não sabia o que viria
Mas sabia o que esperar

O braço furado não impediu
Dos joelhos abaixar
E com uma prece
A Deus pai agradecer
Era a segunda dose de uma vida
Que vivia sem saber
E agora sabia que a vida
É bem maior que envelhecer.

 

Sobre o autor

Kaique Kelvin Gomes, 23 anos, professor de história e escritor. Ainda muito jovem, começou a escrever na escola. Participou de concursos literários como o "Mapa Cultural Paulista", a antologia "Semeando Gentiliza" da Diretoria de Ensino da Região de Araçatuba, em 2012, Antologia "Palavra é Arte", em 2014, e participou de duas edições da antologia "Além do Céu, Além da Terra", em 2017 e 2018. Publicou dois livros e um terceiro está a caminho, o primeiro "Chão Ventoso" e o segundo "Céu de Estrelas e um pouco Apaixonado", ambos de Crônicas e Poesia. Hoje atua como professor em escola pública, comanda um programa cultural e escreve matérias para uma rádio, além de ser colunista de literatura na Revista Arte Brasileira.

Habitar Palavras - Biblioteca Sesc Birigui

Que sensações - palavras têm habitado em ti nestes tempos de isolamento social?
Por meio de diferentes propostas literárias, apresentamos as contribuições de atores sociais locais quanto a essas leituras sensoriais do momento que vivemos. Compartilhe seus textos, poemas e pensamentos em nosso grupo no Facebook.

Outras programações