Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Habitar Palavras: Grimaldi Brito

Covid-19 e Isolamento Social: 1º poema

Vivemos tempos difíceis em nossas vidas,
Uma repentina inversão de valores.
Foi substituído o tempo calmo,
Por um tempo de grandes temores.
Tempos de grande aflição e agonia,
Com muitos morrendo ao passar dos dias,
Sem achar a solução para os seus clamores.

A Covid-19 veio com uma força brutal,
Uma nova doença que ninguém conhecia.
Matando pessoas de todas as raças,
Destruindo famílias à revelia.
Trazendo tristeza e uma grande dor,
Sem piedade e com falta de amor,
Um fardo difícil ao nosso dia a dia.

Aquele abraço que queremos ganhar,
Ou aquele fraterno aperto de mão.
Há muito tempo está proibido,
Trazendo a carência e a solidão.
E pra se viver um pouco legal,
Precisamos do isolamento social,
Para amenizar a real situação.

Aquela festinha de aniversário,
Do nosso melhor e estimado amigo.
Onde as pessoas se ajuntam demais,
É ali mesmo que mora o perigo.
O vírus só quer se movimentar,
Esperando uma falha para te atacar,
E tu serás o culpado pelo acontecido.

Aquele barzinho lá na esquina,
Bem estreitinho e superlotado.
Somente é bom para o vírus,
Que se encontra ali ao lado.
À espera de alguém desprevenido,
Que ao perigo não dá ouvidos,
E por isso será afetado.

Aquele churrasco na esquina da rua,
De cheiro saudável e muito atraente.
Com muitas mesas e cadeiras próximas.
É mais uma isca pra saúde da gente.
Se o distanciamento não for adequado,
Tu poderás ser mais um infectado,
Se ali no meio estiver um doente.

Aquele campeonato de futebol,
Mesmo sendo ele bem amador.
Oferece um certo risco,
Para a plateia e o jogador.
Pois na disputa pela bola,
A proximidade não se controla,
O que facilita o invasor.

Andar com a máscara colada no rosto,
É uma medida muito importante.
Lavar as mãos com água e sabão,
Outra atitude bem triunfante.
Manter distância do seu melhor amigo,
Não diz que você é seu inimigo,
Mas, sim, cuidadoso e bem elegante.

Vamos fugir ao máximo desse perigo,
Matar esse vírus que está nos matando.
Mostrar que somos maiores que ele,
Que o tempo dele está se esgotando.
Não dê brecha para esse fatal invasor,
Que age em silêncio, trazendo horror,
E milhares de vidas continuam ceifando!

Daqui para frente, os hábitos mudarão,
Seja em casa, no trabalho ou na escola.
Precisamos sempre driblar esse vírus,
Para que ele não fure a nossa bola.
Medidas de higiene e distanciamento,
São urgentes nesse exato momento,
Para que esse mal caia logo fora.

Vamos agir com muito cuidado,
Cuidando de si e do próximo também.
Sempre um cuidando do outro,
Para que todos se sintam bem.
Só assim tudo volta ao normal,
Cessando de vez esse vendaval,
Para não sermos eternos reféns.
 

Covid-19 e isolamento Social: Poema 2

No início de dois mil e vinte,
A Covid-19 aqui chegou.
Ela veio lá da China,
E pelo mundo se espalhou.
Contaminou muita gente,
Se expandiu tão de repente,
E a todos dominou.

Criou um caos na Amazônia,
Sem leitos pra quem sofria.
Pacientes passavam mal,
Mas ninguém os acolhia.
Faltavam leitos na UTI,
Com a doença a progredir,
Muita gente ali morria.

Parentes muito aflitos,
À procura de uma solução.
Com a escassez do oxigênio,
Faltava a respiração.
Assim o povo de Manaus,
Via de perto esse caos,
Com tristeza e indignação.

Governadores e prefeitos
Impuseram o fechamento.
E por semanas seguidas,
Houve o confinamento.
Na tentativa de salvar vidas,
Essa era a única saída,
Sem vacina no momento.

Em todos os outros estados,
A pandemia avançava.
Os óbitos só aumentavam,
E a crise se agravava.
Hospitais superlotados,
E muitos infectados,
Ajuda ali procuravam.

Uma triste e real situação,
Que nosso país enfrenta.
O povo já está cansado,
A humanidade já não aguenta.
É pressão sobre pressão,
E essa dor no coração,
Arde mais do que pimenta.

Enquanto não houver vacinas,
Para toda a população.
O isolamento social,
É a única e real solução.
Pra quem anda preocupado,
Ela traz bons resultados,
Nos momentos de aflição.

O mundo só será bonito,
Quando todos estiverem bem.
Assim chegando ao equilíbrio,
Sem deixar fora ninguém.
Então virá a prosperidade,
Mudando a realidade,
Pois isso a todos convém.

Que sejamos conscientes,
Do nosso maior dever.
Proteja-se, fique em casa,
Para o outro não perecer.
Enquanto se aguarda a ciência,
Demonstre a sua resiliência,
A quem precisa de você.

É hora de um ajudar o outro,
Na batalha da prevenção.
Cada um com os seus cuidados,
E ninguém na contramão.
Só assim seremos vencedores,
Transformando espinho em flores,
Com muito amor e gratidão.
 

Covid-19 e isolamento Social: 3º poema

Covid, um nome tão pequeno,
Mas de grande destruição.
Quando essa doença surgiu,
O mundo andava na contramão.
O povo não acreditava,
E muitos até caçoavam,
Por pura falta de instrução.

O fato é que ela chegou velozmente,
Sem tempo para o mundo se preparar.
Em poucos dias circulou o continente,
E em pouco tempo aqui veio a se instalar.
E aquilo que parecia ser tão manso,
Retirou o nosso sono e o descanso,
O nosso chão e o nosso jeito de pensar.

Mudou hábitos assim tão repentinamente,
Nos fez aprender que o momento exigia.
Nos trouxe aflição e muito pavor,
Enquanto muita gente se despedia.
Sem saber sequer o que fazer,
E na tentativa de se defender,
O povo muito chorava e também sofria.

Na Itália morreram milhares,
Somente num único dia.
O país inteiro sofreu sem controle,
Nessa terrível e mortal pandemia.
Numa dura luta entre a vida e a morte,
Escapando somente aquele mais forte,
Depois de sofrer e vencer a agonia.

As autoridades nada podiam fazer,
Apenas adotavam medidas de restrição.
E muitos lockdowns foram anunciados,
Visando uma melhora naquela situação.
Milhares de fake news povoavam a internet,
E as pessoas, perdidas, pareciam marionetes,
Mudando toda hora de opinião.

Cientistas buscavam a todo custo as vacinas,
Vários laboratórios pesquisavam sem parar.
Testes eram feitos com urgência,
Na fé de uma solução se encontrar.
Até comprimidos foram inventados,
E o anseio dos infectados,
Era de logo a vacina encontrar.

Já se passou mais de um ano de pandemia,
E muitas coisas vieram para o bem.
Apesar de não alcançar a todos,
A ciência já foi bem mais além.
Pesquisou com muita luta e dedicação,
E já se encontra bem próxima da solução,
Para que não precise morrer mais ninguém.

Com a chegada de diversas vacinas,
Produzidas por alguns fabricantes.
O mundo talvez respire melhor,
E o povo agora está mais confiante.
Apesar da minoria ter sido vacinada,
A ciência está cumprindo a sua jornada,
Para que o futuro seja mais brilhante.

A qualquer hora eu ouvirei, com certeza,
Um “adeus, Covid” para nunca mais.
E o mundo inteiro não mais chorará,
Esvaziando assim todos os hospitais.
Com a vida devagar voltando ao normal,
Aquele que venceu essa batalha mortal,
Pelo resto da vida não esquecerá jamais.

Sobre o Autor

Grimaldi Pereira de Brito, natural da cidade de Santo Antonio/ RN e residente de Castilho/ SP, é admirador e escritor da Literatura de Cordel há mais de 30 anos, abordando vários temos da sociedade e qualquer assunto. Não publicou livros, mas amo o que faz e gosto muito de apresentar meus trabalhos em escolas, com alunos do Ensino Fundamental, mas principalmente para os anos iniciais. Espera colaborar muito com essa arte que não pode acabar.

Habitar Palavras - Biblioteca Sesc Birigui

Que sensações - palavras têm habitado em ti nestes tempos de isolamento social?
Por meio de diferentes propostas literárias, apresentamos as contribuições de atores sociais locais quanto a essas leituras sensoriais do momento que vivemos. Compartilhe seus textos, poemas e pensamentos em nosso grupo no Facebook.

Outras programações