Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

O Remorso de Baltazar Serapião

Foto: Pat
Foto: Pat

Dica de leitura: Sesc Pompeia

“a voz das mulheres estava sob a terra, vinha de caldeiras fundas onde só o diabo e gente a arder tinha destino. a voz das mulheres, perigosa e burra, estava abaixo do mugido e atitude da nossa vaca, a sarga, como lhe chamávamos.” (parágrafo inicial do romance)

Escritor: Nascido em Angola, no ano de 1971, o poeta, romancista, artista plástico e cantor Valter Hugo Mãe passou a infância em Paços de Ferreira, norte de Portugal, e depois em Vila do Conde, onde vive atualmente. Formou-se em Direito e é pós-graduado em Literatura Portuguesa Moderna e Contemporânea.

Enredo do livro: O romance relata a desastrada existência dos Sargas (referência à submissa vaca de homônimo nome, propriedade da família) e os infortúnios de seu primogênito, Baltazar Serapião. Narrador da história, Baltazar se torna tragicamente enamorado de Ermesinda e se casa com essa moça de extrema beleza. Ela, aos poucos, vai sendo desfigurada por causa do ciúme do marido.

Por que ler: Vencedora do Prêmio Literário José Saramago de 2007 por decisão unânime do júri, a obra relata de maneira sombria a violência contra o gênero feminino existente no período medieval, fato ainda presente nos noticiários atuais. Além disso, o escritor deu voz às pessoas humildes desta época, quase sempre à margem dos registros históricos.

Preste atenção: No extraordinário trabalho de linguagem que recria poeticamente a língua arcaica e bruta do povo da Idade Média. Com o objetivo de tornar a leitura mais ágil e de retomar um discurso ancestral, Valter Hugo Mãe utiliza ao longo de todo o texto somente letras minúsculas.

Comentários sobre a publicação: José Saramago classificou o livro como um “tsunami literário”, acrescentou que o adjetiva assim “no sentido total, linguístico, estilístico, semântico e sintático. Não no sentido destrutivo, mas no sentido do ímpeto e da força”. Saramago também afirmou sobre o livro: “às vezes tive a impressão de assistir a um novo parto da língua portuguesa".

Outros livros do escritor na Biblioteca do Sesc Pompeia: A Máquina de Fazer Espanhóis, O Filho de Mil Homens, O Nosso Reino.

Outras programações