Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Para celebrar a identidade

A cantora Negra Li, que se apresenta no Sesc Osasco
A cantora Negra Li, que se apresenta no Sesc Osasco

A programação especial que toma conta do Sesc em São Paulo nos próximos dias reflete sobre a inserção do negro na sociedade brasileira e sobre sua identidade cultural

Comemorado em 20 de novembro, data da morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares, o Dia da Consciência Negra será lembrado durante todo o mês, com shows, oficinas, vivências, bate-papos e passeios.

Fique por dentro da programação de algumas das unidades:

CAPITAL

Vários espaços do Sesc Pompeia recebem atividades do projeto Na Raiz. Fazem parte da programação uma série de bate-papos e oficinas relacionados aos cabelos crespos e cacheados e à importância de sua valorização. Dicas de como cuidar e até mesmo de como fazer uma trança étnica ou utilizar turbantes e lenços são exploradas junto a ativistas e coletivos de diferentes iniciativas estéticas e políticas, como o Manifesto Crespo e o Coletivo Encrespa Geral Além disso, a Rua Central da unidade é tomada pela Feira Preta, que reúne diversos “afroempreendedores” e seus produtos. Já nas Oficinas de Criatividade, é possível confeccionar uma “abayomi”, boneca negra que significa "aquela que traz alegria". No Espaço de Brincar, os pequenos podem participar de brincadeiras baseadas em tradições musicais africanas, conduzidas pela equipe da Casa do Brincar. E, falando em música, não ficam de fora da programação sambas de roda de Kolombolo e Partido na Cozinha, e show com Os Opalas, DJ Oswaldo e cantor Bebeto.

O espetáculo Preto no Branco estreia no Sesc Bom Retiro discutindo racismo, preconceito, segregação, consumismo e alienação. O texto do autor Nick Gill é encenado de forma cômica pelo Núcleo Experimental, e conta com a direção de Zé Henrique de Paula. Ainda no Bom Retiro,  Canto Negro traz a Cia Cantando Conto unindo narrações orais a canções. Durante uma oficina, os participantes poderão confeccionar Bonecas Abayomi, tradicionalmente africanas e feitas com retalhos de tecidos. Originalmente afro-brasileira, a Capoeira também ganha seu espaço. Uma grande roda - que apresentará, além da capoeira, o maculelê, dança que simula uma luta tribal – traz música ao vivo para a apresentação. O Bicicletar também contempla o especial dedicado ao Dia da Consciência Negra, com dois passeios que abordam a temática. O primeiro leva os participantes até o Parque do Ibirapuera, para visita ao Museu AfroBrasil, que guarda um grande acervo de obras dos universos culturais africanos e afro-brasileiros. O segundo passeio contempla a Rota da Senzala e a Nascente do Rio Tietê, onde os participantes percorrerão 22km nas magrelas até Salesópolis.

Afro Sesc é um encontro que partiu da equipe de estagiários do Sesc Interlagos. Suas atrações referentes à cultura Afro-Brasileira propiciam ao público oportunidades diferentes de conhecimento sobre as manifestações culturais brasileiras, que sofreram influências da cultura africana até à contemporaneidade. Do dia 20 à 23 de novembro, o Sesc Interlagos proporciona atividades diversificadas, desde oficinas até apresentações relacionadas ao tema.

O Dia da Consciência Negra no Sesc Santana será comemorado com uma programação eclética que mostra as nossas raízes africanas na música, na alimentação e no vestuário. O debate Bom Estômago e Ventre Livre discute a importância da culinária negra na gastronomia brasileira. A influência da música negra em nossa cultura está no Baile dos Orixás - Orquestra Heartbreakers convida Carol Bezerra e Aloísio Menezes, e nas apresentações de Vitor da Trindade, Lei Di Dai e Mestre Lumumba. A programação também conta com a oficina Confecção de Acessórios Afrobrasileiros, com apropriação de formas, cores, texturas, estéticas e símbolos dos povos africanos, além de desfile com criações dos ateliês Xongani, Abayomi, Cynthia Mariah e África Plus Size-FWB, que compõem a Mostra de Criadoras Afro-latinas e valorizam a ancestralidade de matriz africana ligadas às vestes contemporâneas. 

Uma tarde especial de celebração e troca sobre as influências da cultura africana faz parte da programação especial do Sesc Carmo. Salloma Salomão é africanista e doutor em História Social, e constante pesquisador da cultura e música afro, e estará presente para um bate-papo sobre culinária e curiosidades do continente africano. Resgatando a identidade da expressão de gesto de celebração da cultura negra, teremos uma performance de canto, música Kabula pertencente à mitologia yorubá. Também será apresentada a dança Xirê, que representa o encontro entre deuses como forma de saudar às divindades, os orixás.

A Missa Luba é celebrada em latim e foi composta de ritmos tradicionais do Congo, sendo pioneira na abertura da Igreja Católica à outras formas de manifestação musical, que não a europeia. Sob direção musical de Marília Vargas, o conjunto vocal é composto de nove cantores da Escola de Música do Estado de São Paulo, se apresentará acompanhado de percussão na Igreja Nossa Senhora da Boa Morte, em frente à unidade, considerada a primeira Igreja em São Paulo onde negros e brancos puderam sentar lado a lado.



No Centro de Pesquisa e Formação, a história da resistência negra à escravidão é contada em forma de quadrinhos por Marcelo D’Salete no livro “Cumbe” (na imagem acima). A unidade realiza também uma palestra sobre as representações da cultura e da modernidade na fotografia do século XX na África, com o professor Sylvester Ogbechie, e um curso com Daniela Ortega, no qual se analisa a construção dos termos “arte popular” e “arte afro-brasileira” a partir da trajetória e da obra do escultor baiano Agnaldo Manoel dos Santos.Angela Fileno, autora do livro “Amanhã é dia de Santo - circularidades atlânticas e a comunidade brasileira na Costa da Mina”, bate um papo com o público sobre os processos de ressignificação da Festa do Senhor do Bonfim. E ainda o ciclo de debates “Desde que o Samba é Samba” traça um panorama da identidade cultural brasileira por meio da história desse gênero musical em São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia. Os encontros contam com a participação de figuras marcantes do samba, como Nei Lopes, Monarco da Portela e Oswaldinho da Cuíca.

Em novembro, a influência da matriz africana na cultura brasileira é colocada em pauta na programação do Sesc Osasco, no projeto “Valeu Zumbi! O Grito Forte de Palmares”. A programação de música traz todas as quintas as Black Nights com muito balanço, reggae, soul e rap. Wilson Simoninha, Negra Li e Rappin Hood agitam as noites de sábado na tenda 1. O projeto Sabores Regionais traz a Gastronomia dos Orixás, com a comida típica baiana, além de oferecer uma vivência com o especialista em cultura e mitologia dos Orixás Dr. Reginaldo Prandi e o pai de santo Rodney William de Oxossi.

Com base no símbolo Sankofa, ideograma que está associado às ideias de retorno e de olhar para trás, a programação do Sesc Vila Mariana propõe a ressignificação das heranças da diáspora africana, em especial na cultura brasileira, a partir da ideia de memórias de mão dupla: o trânsito de nossas compreensões sobre o passado e o presente, em movimento conduzido pelo repertório artístico e cultural de matriz africana. Destacam-se nesse projeto shows de artistas contemporâneos que revisitam personagens, compositores e/ou intérpretes negros do passado, além de artistas como o cantor Bonga, apresentando repertório de semba, e o escritor e sambista Nei Lopes com o trabalho Poétnica e participação de Fabiana Cozza; o CineSábado, com o recorte Películas Negras, apresentando filmes que abordam histórias de conflitos raciais e, complementando o tema, oficinas musicais, cursos de dança e atividades de valorização da estética negra. A programação completa da unidade você encontra aqui.

No Sesc Itaquera, a influência da cultura africana nos mais variados estilos musicais - do blues ao samba, do rock ao rap -  é o tema da programação musical DNA-África, que recebe Sandra de Sá, Nelson Sargento, Projeto Griot e Blues Etílicos.

Em parceria com a prefeitura de Mauá, o Sesc São Caetano leva para o IV Encontro de Dança de Mauá - Movimentos Originais três atividades que compõem as comemorações do Dia da Consciência Negra. O Som do Movimento com Frank Ejara é um espetáculo de dança que leva o público ao universo imaginário, onde som e movimento se misturam. O espetáculo Fresta traz a dança urbana sob múltiplas perspectivas, com a Cia. Discípulos do Ritmo, além do bate-papo "As danças urbanas no universo da criação cênica", com Frank Ejara que atua no cenário da cultura Hip Hop. Na unidade, acontece a vivência de dança africana, Danças Circulares da Guiné, com Aboubacar Sidibé.

A vontade de aprofundar a conexão entre os batuques afro-brasileiros e o hip-hop uniu Lúcio Maia (Nação Zumbi), PG (Elo Da Corrente) e Rodrigo Brandão (vulgo Gorila Urbano) para um novo projeto. Zulumbi leva ao Sesc Consolação uma estética musical psicodélica e altamente percussiva, de letras positivas, e forte identidade nacional. Os músicos misturam as rimas e o equipamento eletrônico, essenciais ao rap, com o elemento orgânico que só um combo liderado pela guitarra da mais importante banda do manguebeat pode oferecer.

O Sesc Santo André dedica à data a sua seção musical Quintas Musicais - programação já tradicional na unidade. Nesta edição será apresentado o projeto Aristocrata Clube, nome dado ao clube recreativo criado em São Paulo na década de 1960, como resposta ao racismo de uma elite cultural paulistana. A programação leva ao público um pequeno recorte de músicos que contribuíram para a construção do orgulho negro frente à elite paulistana; uma reunião de talentos que interpretam sucessos de grandes nomes da Música Popular Brasileira, como Lê Ferreira, que homenageia Milton Nascimento. “A Quatro Vozes” sobe ao palco com os sucessos de Gilberto Gil, e Bia Goes encerra as apresentações interpretando Nelson Sargento.
 

INTERIOR

Em Sorocaba, durante todo o mês haverá uma programação musical ligada ao tema. A Área de Convivência se transforma em uma pista de dança nas noites de sexta, entrando no clima de bailes com discotecagem e shows com nomes representativos da black music. No dia 20, a apresentação do grupo transdisciplinar Frente 3 de Fevereiro, que atua com ações acerca do racismo na sociedade brasileira, traz canções sobre a questão da afrodescendência. Na dança, o espetáculo Movimento I, Parado é Suspeito, do Coletivo DMV22, questiona a premissa “Negro parado é suspeito, negro correndo é ladrão”, que trabalha com sonoridades do passado que continuam a gritar no presente. Em seguida, o idealizador do espetáculo Mário Lopes conversa com o público. 

No Sesc Rio Preto acontece a 6ª edição do Festival Percussivo. Realizado em parceria com o Grupo Maracatu Pedra de Raio, o evento traz o conceito "África, Brasil e Cuba: Povos Malungos", para evidenciar e celebrar as conexões ancestrais entre três povos que se modificaram a partir da miscigenação étnica e cultural. Entre os destaques da programação, totalmente gratuita, estão o Grupo Bongar (Olinda - PE), o Netos de Bandim (Guinée Bissau) e a banda de latin jazz Batanga & Cia. (Cuba). Além das apresentações musicais, o Festival traz ainda palestras, oficinas e vivências de danças e brincadeiras africanas.



Oriundos da Zona Leste de São Paulo, os integrantes da Banda Engrenagem Urbana (foto acima), o rapper e poeta Rincon Sapiência e o já consagrado rapper Apelidado Xis, apresentam, no Sesc Thermas de Presidente Prudente, um repertório autoral instigante com músicas que retratam o dia-a-dia da periferia. Antes do show, eles participam, ainda, de um bate-papo com o público sobre as perspectivas do Hip-Hop. Isso dentro do projeto PAAZ - PelaArte&Prosa, cujo objetivo é oferecer ao público o acesso a notícias e informações sobre os artistas independentes da cultura Hip-Hop. Depois, o debate será publicado na internet e divulgado em diversas redes , como youtube, blog, websites, Facebook, Twitter, entre outros.

A data também reforça a importância da luta contra o preconceito racial. Para além da pele, os cuidados com o cabelo têm se mostrado um importante instrumento de afirmação da identidade de negros e negras. O Sesc Bauru abre espaço para Tranças, Dreadlocks, Black Powers e Turbantes desfilarem a sua resistência

Em Piracicaba o Dia da Consciência Negra se dedica a trazer reflexões através de oficinas, espetáculos e bate-papos. A Cia Liberdade Negra e os fundadores do projeto Afreaka, Flora Pereira e Natan de Aquino, apresentam um panorama histórico sobre a chegada dos negros do Brasil, estereótipos e conceitos de liberdade. Como atrações, o arte-educador Christian Félix, mostra a arte de produzir sons utilizando o próprio corpo como instrumento percussivo, enquanto Mestres Lua de Bobó, Felipe de Santo Amaro e Moreno comandam o Encontro Nacional de Capoeira Angola, em parceria com a Escola de Capoeira Raízes de Angola. Já na Degustação Cultural, direcionado ao público infantil,  a Cia. Ju Cata-Histórias busca narrativas de heróis, reis e rainhas da mitologia Yorubá.

No Sesc Taubaté uma oficina de amarração de turbantes apresentará formas de uso destes tecidos para mulheres, homens e crianças. Acessório tradicional das nações africanas, o turbante traz um simbolismo de valorização da história e da cultura negra. Além da oficina, dois gêneros musicais brasileiros que têm suas raízes fincadas nos ritmos africanos serão homenageados no show de Luara Oliveira e Luiz Guedes. No repertório a dupla apresentará sambas e choros tradicionais mesclados com canções autorais.

SESC TV

Já no SescTV a programação do mês de novembro está repleta de atrações que celebram a herança africana: séries, especiais musicais e documentários selecionados do acervo do canal destacam as diversas influências da cultura negra.

Na série Coleções, que o canal transmite toda quinta-feira, 21h30, serão exibidos os episódios Mestres do Ofício - Capoeira e Ritmos - Tambor de Crioula, entre outros; os documentários Cartas para Angola (dia 15, 22h) e Barka também estão na programação do mês.

E para quem gosta de dança e música, os shows de Tony Allen (dia 5, 22h), Black Star (dia 15, 10h), Tributo a Tim Maia (dia 26, 22h) e a apresentação de Ismael Ivo com o espetáculo Mapplethorpe (dia 20, 20h) são os destaques em novembro.

Para assistir ao vivo, consultar reprises e a programação completa, acesse www.sesctv.org.br.

 

Outras programações