Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

100 anos de glória, apenas uma noite inesquecível!

Uma imagem da noite inesquecível narrada por Robson Monteiro.
Uma imagem da noite inesquecível narrada por Robson Monteiro.

Durante o período da exposição 100 anos do Esporte Clube Taubaté serão publicados no Portal Sesc SP crônicas de jornalistas convidados a registrar suas lembranças em textos que homenageiam o Taubaté. Além das crônicas, vídeos inéditos compõem o conteúdo exclusivo para internet. 

100 anos de glória, apenas uma noite inesquecível!

Por Robson Monteiro*

100 anos se passaram. Cerca de 36.500 dias foram vividos por homens, mulheres, dirigentes, jogadores e apaixonados torcedores. Algo em torno de 876 mil horas foram consumidas entre o amor, a paixão e, muitas vezes, a tristeza e decepção. Mas uma noite só foi inesquecível: a de 29 de novembro de 1979.

O palco era o extinto Estádio do Parque Antártica. O adversário, o maior rival: Esporte Clube São José, de São José dos Campos. Em jogo, a disputa do acesso à Divisão Especial (hoje chamada de A1).

Naquela noite fria, na maior cidade brasileira – São Paulo –, um bando de caipiras humildes, entre os quais me incluo, deixou a Praça Santa Terezinha em ônibus cedidos para vivenciar aquela que seria uma das maiores glórias do futebol da cidade: a vitória da raça taubateana sobre a equipe elitizada do São José.

Lembro-me até hoje de que naquela noite de quinta-feira, pensei sozinho: “Esse time do Taubaté é um grupo guerreiro; é uma família”.

Durante os 90 minutos, 11 homens com “H” vestiram a tradicional camisa alviazul – aquela com a faixa branca no peito – e com talento, harmonia, raça, dedicação e, sobretudo, amor à camisa mostraram aos torcedores de uma cidade que o sonho era possível. Porém, era preciso não só colocar “o coração na ponta da chuteira”, mas também suar, sangrar, correr e travar aquela que seria a maior batalha de um clube tradicional que nunca mudou de nome para fugir do fisco.

Os dribles maravilhosos de Toninho Taino, a habilidade do meia China, a inteligência de Piorra, a segurança do goleiro Wagner, a força da dupla de zagueiros Ari e Botú, a velocidade de Amauri, a raça de Antônio Carlos, a proteção cuidadosa dos laterais Banha e Cleto e a irreverência e o improviso genial do ponta Betinho levaram o time a uma vitória magnífica, construída na lucidez de um time solidário e unido. Mas também não podemos esquecer do zagueiro Buzuca, do meia Paulão, do goleiro Alfredo, do lateral Julião e de tantos outros que nos alegrara naquela caminhada memorável de 1979.

Eles encantaram o mundo do futebol. Após o término do jogo, esses atletas ensinaram aos presentes (torcedores, jornalistas e dirigentes) uma forma diferente de jogar bola.

Apresentaram a força e a raça como uma divertida alegria de superar o adversário, em que o sorriso sempre estava estampado no rosto.

Não quero e nem devo ser nominado de saudosista, afinal, no alto de meus 53 anos, acabei de viver em Taubaté, num domingo sob chuva fina, a conquista de mais um título glorioso do nosso “Burro da Central”, em que 4 gols selaram a vitória sobre a Votuporanguense, no recém -reformado Estádio Joaquim de Morais Filho, o Joaquinzão, e nos colocaram no alto do podium do Campeonato da A3 de 2015, com o título de campeões da temporada.

Mas quero confessar: a emoção de ver o título de 1979 é insuperável. Para muitos cinquentões de hoje, nada supera aquela noite de glória e vitória em terras paulistanas.

Ao longo de todos esses 100 anos a galera taubateana viu e aplaudiu muitos ídolos e heróis, vivenciou dias felizes e vitórias consagradoras, riu e chorou – de alegria – pelas conquistas de um time e de uma cidade.

Mas, na vida de alguns, nestes 100 anos, a noite de 28 de novembro e a madrugada de 29 de novembro tiveram um sabor místico, maravilhoso, feliz, histórico e.... inesquecível!

Vida longa, Esporte Clube Taubaté!

__________________________________________________________________________________________________________

* Robson Luís Monteiro, 53 anos, jornalista, professor universitário e torcedor apaixonado pelo E.C. Taubaté. Jornalista formado pela Unitau em 1984, pós-graduado em Comunicação Social em 1993 e mestre em Linguística Aplicada pela Unitau em 2003. Acompanha o Esporte Clube Taubaté desde 1979 como torcedor, repórter esportivo e curioso.

 

Outras programações