Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Música para descolar os pés do chão

Após anos circulando pelos principais circuitos da música independente dentro e fora do Brasil, a cantora e instrumentista Larissa Baq lança • v o a •, seu primeiro álbum, no palco do Sesc Ribeirão Preto. A EOnline conversou com "cantautora", como ela mesmo se define, sobre sua carreira, seu novo trabalho e o show desta quinta.

Além de guitarrista, você teve experiências com percussão, certo? Como se descobriu na música?
Foi ali pelos 12 anos, a vontade de tocar guitarra igual aos ídolos que eu já tinha na época, Kurt Kobain do Nirvana foi grande influência pra dar esse primeiro passo e tentar ter aulas. Quando pequena ouviamos muita música em casa, não era algo imposto mas era algo sempre presente.

Existe espaço para a circulação de trabalhos autorais no interior paulista? Você é de Franca, como é a cena local?
O interior paulista tem sido cada vez mais alvo de bandas independentes, existem muitas casas que recebem música independente, em Ribeirão a UGT e o Hierofante são grandes exemplos. Sem dúvida alguma os Sescs são de extrema ajuda pra fazer a música autoral independente circular também!

Em Franca as pessoas começaram a se atentar pra música autoral há muito pouco tempo. Têm surgido alguns espaços e fico feliz em ver esse movimento rolando! O Espaço Lumiar é, na minha opinião, dos mais favoráveis pra se receber bandas independentes circulando pelo interior.

Em 2015, você se apresentou em várias cidades brasileiras e fez alguns shows internacionais, como foi essa experiência?
Foi incrível! Pude passar por todas as capitais do sul, Uruguai e Argentina, ficando duas semanas em cada país. Pude viver a cena independente de todos esses lugares, estar em contato com públicos que realmente estavam afim de ouvir algo novo e isso é impagável. Buenos Aires é fortíssima, mega produtiva, existem muitas bandas, todas se apoiam, existem muitas casas pra música autoral, isso é formidável. Temos muito o que aprender com eles, em vários quesitos.

Você tem nomes como Maria Gadu e Pedro Altério entre suas parcerias. Quais são suas referências? O que tem ouvido?
Com certeza essas pessoas às quais me junto hoje em dia são minhas referências. Já ouvi muito Lenine, Guinga, Edu Lobo, Andy Mckee, Jon Gomm. Hoje me encontro numa busca por compositores e cantores que tenham uma linguagem mais experimental por muitas vezes me deparar com sonoridades que não saiam do lugar, sabe? Tenho ouvido todos os dias o ultimo album do Jack Garrat, Bernhoft, Asgeir, Bjork, Radiohead e o trabalho solo do Thom Yorke, etc.

Seu primeiro álbum, • v o a •, teve produção de Michi Ruzitschka, como foi esse encontro?
Conheci o trabalho do Michi através de amigos em comum em São Paulo. Fiz o convite logo depois de a campanha de financiamento coletivo acabar ano passado e ele topou. Mandei algumas músicas e ele gostou muito, já começamos a fazer os arranjos em seguida. Nos demos muito bem na produção, ele teve a sensibilidade de respeitar meus processos criativos, minha identidade enquanto guitarrista, isso foi essencial, pois eu já tinha tudo muito firmado, precisava ser um cara que entrasse pra somar com o que eu já tinha.

• v o a • está disponível em várias plataformas digitais. Qual é a sua relação com a internet,  é uma boa ferramenta para artistas independentes mostrarem seu trabalho?
Eu gosto muito de estar disponível o tempo todo pras pessoas. É o mínimo que eu posso fazer, estar aqui pra poder agradecer caso minha música te cause alguma sensação e vc queira me escrever ou me xingar, rs.
As vezes não consigo responder todo mundo, as vezes, pra responder com carinho, eu acabo respondendo quando consigo um tempo maior e isso pode demorar um pouco, mas é importante esse respaldo, tanto quanto é importante recebê-lo.
A internet é essencial pra artistas independentes, porém ainda sinto que muitas das ferramentas que temos a galera não usa, as vezes por não saber como, as vezes por não ter paciencia. São tempos muito novos, temos que nos adaptar frequentemente e sem dúvida pra música autoral não é diferente.

O que o público de Ribeirão pode esperar do show desta quinta?
Um show extremamente redondo, já feito algumas vezes em outras cidades e recentemente lançado na capital. Algumas releituras de artistas que me influenciaram no processo de pré produção do disco, algumas nuances, efeitos, uma banda deliciosa. Espero que gostem! :)

Para conhecer o trabalho de Larissa Baq:
www.facebook.com/larissabaq
www.youtube.com/larissabaq
www.instagram.com/larissabaq
www.soundcloud.com/larissabaq
Snapchat: larissabaq

Compre seu ingresso online aqui.

Outras programações