Sesc SP

postado em 30/11/2018

Lucio Costa por ele mesmo

Detalhe do Plano Piloto de Brasília | Acervo Lucio Costa
Detalhe do Plano Piloto de Brasília | Acervo Lucio Costa

      


Autobiografia do pai da arquitetura moderna brasileira e fundador do Ipham, Registro de uma vivência ganha nova edição após mais de 20 anos fora de catálogo

Por Gustavo Ranieri*

O lançamento acontece no dia 07 de dezembro de 2018 no Sesc 24 de Maio**

 

Lucio Costa é uma das mais importantes figuras da história brasileira do século 20. Ainda assim, especialmente aos mais jovens, é possível que tal personalidade seja absolutamente, ou em boa parte, desconhecida. Acontece que ele mesmo preferia estar mais à sombra do que posicionado sob os holofotes. Mas afinal, quem foi ele? A resposta mais simples e direta é: o pai da arquitetura moderna no Brasil e o fundador do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Somado a isso, podemos incluir mais um tanto de qualificações e adjetivos, como o fato de ter sido ele o autor do Plano Piloto de Brasília, no Distrito Federal. Para o arquiteto e ensaísta Guilherme Wisnik, autor de, entre outros, Espaço em obra: cidade, arte,  arquitetura, Costa, “além de um arquiteto notável e urbanista, foi um grande pensador, escrevendo textos fundamentais. Dentro da arquitetura, ele é para nós a figura que se enquadra naquilo que alguns chamam de os pensadores da formação brasileira, que seriam, por exemplo, Caio Prado Junior, Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Holanda, Antonio Candido e Lucio Costa no campo da arquitetura”.

Por tudo isso e muito mais que deve ser celebrado o lançamento atual de uma nova edição de Registro de uma vivência - Lucio Costa. Publicada originalmente em 1995, com segunda edição dois anos depois, essa biografia ficou fora de catálogo por mais de duas décadas, voltando agora como fruto da parceria da Edições Sesc e da Editora 34 e marcando também os 20 anos de falecimento do urbanista. Respeitando o projeto gráfico original, o livro traz textos críticos escolhidos pelo próprio autor, assim como cartas, desenhos, croquis e fotos. De diferente, essa edição inclui uma apresentação de Maria Elisa Costa, filha do arquiteto, e um ensaio da historiadora Sophia da Silva Telles, especialista em história arquitetônica.

“Figura admirável e de grandeza imensa, ele foi ao mesmo tempo o criador do patrimônio histórico no Brasil e o pai da modernidade. Só isso já seria de uma riqueza enorme, pois não é comum. Aliás, para a Europa, por exemplo, é muito estranho, pois lá quando as vanguardas modernas surgem, elas vão contra a história, elas fazem a tábula rasa, querem o futuro e não o passado. Assim, o Lucio é uma figura muito complexa, que entendeu que era hora de fazer a revolução moderna, mas que tinha um apreço muito forte pela colônia, pelas questões passadas”, diz Wisnik.

 


Lucio Costa | Foto: Juliana Sobral

Legado

Responsável pela edição, Milton Ohata, da Editora 34, salienta que, em sua opinião, apesar de fundamental, o legado de Lucio Costa ainda vem sendo avaliado pelas pessoas. “Essa nova edição é uma oportunidade boa para continuar a fazer isso. E os jovens de hoje podem acompanhar e participar disso com os próprios olhos, como parte ativa. Como aponta a Sophia Telles no posfácio dessa edição, a obra dele tem pelo menos duas vertentes. A primeira é que permite dizer que o Lucio foi a pessoa que possibilitou a arquitetura moderna no Brasil, porque sua intervenção teve um caráter público. A segunda vertente é que Lucio fez vários projetos em que combinava o que ele chamava de ‘nosso jeito de morar’ e os princípios da arquitetura moderna, os quais tinham sido desenvolvidos por pioneiros como Le Corbusier, Walter Gropius e Mies van der Rohe. São projetos de casas, geralmente para amigos e pessoas da família, de conjuntos residenciais como os três prédios do Parque Guinle, no Rio de Janeiro, e de uma pequena joia, o Parque Hotel de Nova Friburgo, também no Rio. Essas duas vertentes conversam entre si e isso é o fascinante de descobrir.”

Filho de um engenheiro naval, Costa nasceu na França, em 1902, veio bebê para o Brasil e depois morou em alguns países – devido à profissão paterna – até voltar ao Brasil definitivamente na adolescência. Formado na Escola de Belas Artes, foi ele quem fez a ponte e convenceu pessoas ligadas ao governo a trazer o franco-suíço Le Corbusier para dar consultoria ao grupo comandado por ele – e do qual fazia parte jovens como Oscar Niemeyer e Jorge Moreira – para a construção do mítico edifício do Ministério da Educação e Saúde (1936-1945), hoje Palácio Gustavo Capanema, na capital carioca. 

Tão forte é igualmente seu legado como pensador do Brasil. “Ele acreditava que nós, sem complexos de inferioridade nem ufanismos, podemos dar contribuições originais para o mundo”, enfatiza Ohata. Já Guilherme Wisnik faz questão de salientar um dos pensamentos do urbanista. “Considerando o terrível momento político atual do país, eu queria lembrar uma frase do Lucio: ‘O Brasil não tem vocação para a mediocridade’. A gente espera que o Brasil possa voltar a fazer jus a essa frase.”

 


Feira Mundial de Nova York | Acervo Lucio Costa

Segundo Plano

Conscientemente, Lucio Costa não trabalhou para que seu nome ganhasse ou mantivesse a projeção que merecia, embora fosse ele muito respeitado e louvado no meio, inclusive internacionalmente. Quando Niemeyer surgiu profissionalmente, ele se tornou estagiário de Costa, que, por sua vez, enquanto comandava a construção do Ministério da Educação e Saúde, notou o talento magnífico do jovem que ali estava, abdicando ali de sua posição para tornar Niemeyer o líder. “Depois, em 1939, na Feira Mundial de Nova York, na qual havia um pavilhão do Brasil, Lucio ficou em primeiro lugar em um concurso e Niemeyer em segundo. Mas Lucio disse que o júri se enganou, pois o projeto de seu pupilo era melhor na opinião dele. Por causa disso, chamou Niemeyer para fazer um novo projeto em dupla com ele. Penso que ele percebeu que a arquitetura moderna no Brasil precisava de uma pessoa com gesto forte autoral e que não era ele essa pessoa”, comenta Wisnik.

Duas décadas depois, sem escritório próprio e dedicado ao funcionalismo público no comando do Iphan, Lucio acabou, mesmo sem pretensão, por enviar croquis simples feitos a mão para o concurso que definiria o urbanista responsável pela construção de Brasília. E foi o escolhido. No comando do projeto piloto da cidade fundada em 1960, ele trouxe Niemeyer novamente para sua equipe. “Mas quando você olha Brasília, são os palácios que saltam à vista, que se tornam famosos. É difícil um leigo entender qual é o papel do urbanista. Então, seja quem fosse o urbanista, ele ficaria subjugado ao papel do arquiteto, pois teve um único em Brasília que concebeu todos os palácios [no caso, Niemeyer]”, enfatiza Wisnik. 

“Também dizem que ele era uma pessoa discreta”, complementa Ohata, que continua: “Nunca chamou a atenção das pessoas para si. Isso veio da educação inglesa que ele recebeu na infância, vivendo em Newcastle com a família. Mas acho que também tem a ver com um ethos de servidor público que cumpre suas obrigações para o bem do país, sem pensar muito em carreira, salário e licença-prêmio. Num texto que está no livro, Drummond, seu companheiro de repartição no Patrimônio Histórico, dá um depoimento tocante sobre esse modo de ser do Lucio. ‘Não tinha nem de leve ar importante, e parecia mesmo querer se ocultar de todos e de tudo, até do nome de Lucio Costa. Tanto que assinava os seus pareceres com um esmaecido LC, saído do toco de um lápis que era todo o seu equipamento de trabalho’. Na nossa era atual dos selfies, isso é quase inimaginável para uma pessoa da importância dele”, conclui.

 

*Gustavo Ranieri é escritor e jornalista.

 

**Serviços:

o que:

Lançamento do livro Registro de uma vivência - Lucio Costa

Bate-papo sobre o livro com Ciro Pirondi, Guilherme Wisnik e Paulo Mendes da Rocha.

onde:

Sesc 24 de Maio | Rua 24 de Maio, 109, Centro - São Paulo / SP
Espaço de Tecnologias e Artes (4º andar)

quando:

07 de dezembro de 2018 - sexta-feira, às 19h30.

quanto:

Grátis. 

 

Produtos relacionados