Sesc SP

postado em 03/12/2020

Lusofonia

travessias-imaginarias-dest-2

      


Travessias imaginárias, coletânea de ensaios organizada por Mirna Queiroz, pretende fazer um panorama crítico da literatura de língua portuguesa nos últimos 20 anos

Por Maria Esther Maciel*

 

A palavra “travessia” deflagra algumas possibilidades instigantes de sentido: se, por um lado, designa o ato ou efeito de atravessar uma região de ponta a ponta, associando-se às ideias de traspassamento, cruzamento e deslocamento, indica também uma viagem pelo mar ou através de uma grande extensão de terra. Concerne, ainda, ao termo “travessão”, que, no português lusitano, é um qualificativo usado para caracterizar o vento contrário e forte, que desafia as embarcações. Para não mencionar o significado, no âmbito do regionalismo do norte e do centro-oeste brasileiros, de uma “espécie de recife dividido em várias seções, que se estende de uma a outra margem do rio, formando canais”.

Travessias imaginárias: literaturas de língua portuguesa em nova perspectiva é um livro que condiz com todas essas rotas semânticas. Voltado para reflexões matizadas sobre a multiplicidade de vias que se entrecruzam na literatura contemporânea de diferentes nações de língua portuguesa, ele reúne ensaios de pensadores brasileiros, africanos e portugueses, nos quais o conceito de fronteira se flexibiliza, abrindo-se às interseções e aos enlaces culturais entre países e continentes. Em movimentos não determinados pelas regras cristalizadas de navegação, são textos que se desviam de trajetos previsíveis e desafiam, com novos ventos e canais, os lugares-comuns do sistema literário pautado em nacionalidades fixas.

Aqui, as literaturas luso-afro-brasileiras surgem como uma constelação, e as identidades se pluralizam em distintas singularidades, sempre em relação umas com as outras. Escritores e escritoras de vários estilos, gerações e vieses criativos compõem o repertório dos nomes contemplados nos ensaios. De Portugal a Cabo Verde, pas-sando por Brasil, Moçambique e Angola, uma riquíssima rede literária se configura ao longo das páginas.

 


Trecho do livro

 

Temas como autoficção, espaços (auto)biográficos, identidades compósitas, experiências de diáspora e retorno, subjetividades transversas, dilemas da nacionalidade, trânsitos e errâncias, novos cânones literários, experimentos ficcionais, itinerários espirituais e movimentos coletivos, narrativas da oralidade, ficção científica, escritas das margens e do “mundo imaginal”,  modalidades alternativas de romance de formação (ou aprendizagem), colonização/descolonização, tudo isso atravessa os dez textos que integram o volume, trazendo à tona importantes questionamentos e leituras críticas que contribuem para a reconfiguração do mapa das confluências e diferenças literário-culturais de língua portuguesa.

Todos são ensaios fluidos, porosos, que fazem jus – em sua própria composição – às ideias de travessia, trânsito, transversalidade e transe criativo. Sem pontos estanques, sem cristalizações.

O resultado só poderia ser este: um livro vigoroso que, ao aliar reflexão crítica, consciência histórica e inventividade, confere às travessias (reais e imaginárias) uma dimensão não apenas geográfica, mas também cultural e política, evidenciando que as literaturas de língua portuguesa disseminadas em diversas partes do mundo também podem confluir em um espaço multifacetado, feito de afinidades, diferenças e contaminações recíprocas.   

 

*Maria Esther Maciel é escritora e crítica literária, foi professora titular de literatura comparada/teoria da literatura da UFMG e, atualmente, atua como professora colaboradora da Unicamp. Este texto foi publicado originalmente na orelha do livro.

Produtos relacionados