Sesc SP

Esta atividade faz parte da

Jazz na Fábrica 2017 - Panorama da diversidade de estilos, formações e sonoridades do jazz. saiba mais

guo

O mesmo entusiasmo que levou o pianista alemão Alexander von Schlippenbach a criar a Globe Unity Orchestra há mais de 50 anos, o mantém na ativa, a despeito de ter perdido importantes companheiros, como o trombonista Paul Rutherford, morto em 2007, ou o saxofonista Peter Brötzmann, que deixou o grupo nos anos 80. Adicto do jazz feito nos Estados Unidos, o jovem Schlippenbach dedicava seu tempo a ouvir (e posteriormente estudar e copiar) blues e bebop, até os anos 1960 quando, sob influência de Ornette Coleman, ele passou a tocar suas próprias composições como Manfred Schoof Quintet e o Gunther Hampel Quintet. Em 1966, a partir de uma encomenda do Festival de Jazz de Berlim, Schlippenbach sugeriu ao amigo Peter Brötzmann, na época à frente de um trio, que se unissem para formar uma big band de free jazz. A composição executada na primeira performance, Globe Unity, causou estranheza na crítica musical, que a definiu como um mix de jazz e música clássica europeia. Na verdade, se tratava de pura improvisação, característica que continuou a permear os concertos da GUO. O encontro representou um impulso criativo, estimulando seus integrantes a criarem música autoral juntos ou em projetos paralelos — a maioria deles manteve carreira independente, a exemplo de Brötzmann. Pela primeira vez no Brasil, a orquestra se apresenta sob a liderança de seu fundador, Schlippenbach, acompanhado por instrumentistas da primeira formação, como o trompetista Manfred Schoof e o baterista Paul Lovens, e outros que se juntaram a ele ao longo de décadas de atuação.

Alexander von Schlippenbach (piano), Gerd Dudek (sax soprano e tenor/clarinete/flauta), Henrik Walsdorff (sax alto), Rudi Mahall (clarinete/ clarinete baixo), Axel Dörner (trompete), Jean-Luc Capozzo (trompete), Célio Barros (trompete), Thomas Rohrer (sax soprano), Manfred Schoof (trompete), Christof Thewes (trombone), Gerhard Gschlössl (trombone) e Oliver Steidle (bateria). 

Vendas limitadas a 4 ingressos por pessoa.

Local: Teatro*
*O Teatro do Sesc Pompeia possui duas plateias (lados par e ímpar) e galerias superiores não numeradas. Por motivo de segurança, não é permitida a permanência nas galerias, de menores de 12 anos, mesmo acompanhados dos pais ou responsáveis. 

------

The same enthusiasm that led German pianist Alexander von Schlippenbach to create the Globe Unity Orchestra over 50 years ago keeps the group active, despite having lost important members such as trombonist Paul Rutherford, who died in 2007, and saxophonist Peter Brötzmann, who left the band in the 1980s. Addicted to American jazz, Schlippenbach spent his early days listening (and later studying and copying) blues and bebop, until the 1960s when, encouraged by Ornette Coleman, he started playing his own compositions with the Manfred Schoof Quintet and the Gunther Hampel Quintet. In 1966, at the request of the Berlin Jazz Festival, Schlippenbach asked to his friend Peter Brötzmann, who was fronting a trio at the time, to join him in forming a free jazz big band. The composition presented in their first performance, Globe Unity, was considered odd by music critics, who defined it as a mix of jazz and European classical music. In reality it was pure improvisation, a stance that continued to characterize guo’s concerts. The experience propelled the band’s members to create authorial music together or in parallel projects — as most of them have independent careers, like Brötzmann. For the first time in Brazil, the orchestra will perform under the leadership of its founder, Schlippenbach, accompanied by instrumentalists of its first lineup, such as trumpeter Manfred Schoof and drummer Paul Lovens, along with musicians wh ohave joined the group over the years.

Alexander Von Schlippenbach
(piano), Gerd Dudek (soprano and tenor saxophones/clarinet/flute),  Henrik Walsdorff (alto saxophone), Rudi Mahall (clarinet/clarinet bass), Axel Dörner (trumpet), Jean-Luc Capozzo (trumpet), Célio Barros  (trumpet), Thomas Rohrer (soprano sax),  Manfred Schoof (trumpet), Christof Thewes (trombone), Gerhard Gschlössl (trombone) and Oliver Steidle (drums). 

Purchase is limited to four tickets per person. 

Venue: Teatro*
*Balcony seats at the Sesc Pompeia Theater are not numbered. For safety reasons, children under 12 are not allowed on the balconies, even if accompanied by a parent or guardian. Not suitable for under 12s.


(Foto/ Photo: Japo/ECM Records) 




saiba mais

Música

Globe Unity Orchestra (Alemanha) | (Germany) 12

Essa atividade aconteceu em 18/08/2017 no Sesc Pompeia.

Mas nossa programação não para!
Quer fazer uma nova busca?
Clique em Programação e fique por dentro de tudo o que está acontecendo nas Unidades do Sesc em São Paulo