Sesc SP

CJ0A0403

Bia Lessa propõe a um só tempo uma peça de teatro e uma instalação em sua adaptação do livro Grande Sertão: Veredas – matriz do moderno romance brasileiro e obra-prima de João Guimarães Rosa. A peça traz para o palco a saga do jagunço Riobaldo que atravessa o sertão para combater seu maior inimigo, Hermógenes, fazer o pacto com o diabo e viver seu amor por Diadorim. 

A proposta cenográfica é constituída pela instalação de uma grande estrutura tubular na área de convivência da unidade, definindo a um só tempo um espaço cênico e expositivo. No entorno dessa estrutura, uma espécie de claustro cravado no espaço, será a circulação dos frequentadores do espaço e da plateia, numa criação que propõe a atmosfera do Grande Sertão: Veredas. Permanentemente propõe-se a falta de distinção entre início e fim do espetáculo; entre teatro e artes plásticas; entre espaço expositivo, espaço cênico e espaço público; entre espectador e ator, sendo fiel a Guimarães Rosa, inventor de uma nova categoria literária com esse romance, denominada de transregionalismo ou surregionalismo, pelo sociólogo e crítico literário Antonio Cândido.

Grande Sertão: Veredas é um livro de João Guimarães Rosa escrito em 1956 que se tornou uma das mais importantes obras da literatura brasileira e lusófona. Em 2006, o Museu da Língua Portuguesa realizou uma exposição sobre a obra no Salão de Exposições Temporárias com concepção geral e direção de Bia Lessa. Em maio de 2002, o Clube do
Livro da Noruega, entidade que congrega editores noruegueses, incluiu Grande Sertão: Veredas em sua lista dos cem melhores livros de todos os tempos - único brasileiro entre 100 escritores de 54 países.

A diretora Bia Lessa é uma artista multifacetada, cineasta, diretora de teatro e ópera, exposições e ganhadora de vários prêmios. Suas obras são exibidas em vários países, como Alemanha, França e EUA. Responsável pelo projeto do Pavilhão Brasileiro na Expo 2000 em Hannover, Mostra Redescobrimento na Bienal SP, Reabertura do Theatro Municipal do Rio de Janeiro com a ópera Il Trovattore, Pavilhão Humanidades 2012 (Rio + 20) e reinauguração dos painéis Guerra e Paz de Candido Portinari na ONU, em Nova Iorque.


FICHA TÉCNICA
Concepção, Direção Geral, Adaptação e Desenho de Luz – Bia Lessa
 
Elenco – Balbino de Paula, Caio Blat, Daniel Passi, Elias de Castro, Leon Góes, Leonardo Miggiorin, Lucas Oranmian, Luisa Arraes, Luiza Lemmertz, Clara Lessa.
 
Concepção Espacial – Camila Toledo, com colaboração de Paulo Mendes da Rocha
Música – Egberto Gismonti
Colaboração – Dany Roland
Desenho de Som – Fernando Henna e Daniel Turini
Adereços – Fernando Mello Da Costa
Figurino – Sylvie Leblanc
Desenho de Luz – Binho Schaefer
Projeto de Audio – Marcio Pilot
Diretor Assistente: Bruno Siniscalchi
Assistente de Direção: Amália Lima
Direção Executiva: Maria Duarte
Produtor Executivo: Arlindo Hartz
Colaboração – Flora Sussekind, Marília Rothier, Silviano Santiago, Ana Luiza Martins Costa, Roberto Machado
Idealização: 2+3 Produções Artísticas Ltda
Realização: Sesc, Ministério da Cultura, Lei de Incentivo à Cultura.
Patrocínio Master: Banco do Brasil
Patrocínio: Globosat.
Apoio: Instituto-E

Fonogramas licenciados pela Carmo Produções Artísticas: “Sertões Veredas I” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas II” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas III” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas IV” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas V” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas VI” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Sertões Veredas VII” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Camerata Romeu - Teatro Almaden Roldan - Havana - Cuba); “Selva Amazônica” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti - Teatro CCK Buenos Aires 2016); “Dança Solitária” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti - Teatro CCK Buenos Aires 2016); “Aboio” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Orquestra I Musici de Montreal - Montreal 2009); “Palácio de Pinturas” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti & Orquestra - Luzern 2007); “Nó Caipira” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti - CD Egberto Gismonti Nó Caipira Carmo/ ECM); “Bambual” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti - CD Egberto Gismonti Dança das Cabeças Carmo/EMI); “Vale do Eco” (Egberto Gismonti / Egberto Gismonti - CD Egberto Gismonti Nó Caipira Carmo/ ECM).

 

Agradecimento

              especial à viúva do Autor, a quem a obra foi dedicada,

              Aracy Moebius de Carvalho Guimarães Rosa, à Nonada

              Cultural e a Tess Advogados.

©

              Nonada Cultural Ltda.

Duração: 160 minutos

Área de Convivência


[foto: Roberto Pontes]

NÃO É PERMITIDA A ENTRADA DE MENORES DE 18 ANOS, MESMO ACOMPANHADOS DOS PAIS
Teatro

Grande Sertão: Veredas 18

Essa atividade aconteceu em 22/10/2017 no Sesc Consolação.

Mas nossa programação não para!
Quer fazer uma nova busca?
Clique em Programação e fique por dentro de tudo o que está acontecendo nas Unidades do Sesc em São Paulo