Sesc SP

poetas-silenciadas

Como uma continuação do curso Quatro séculos de poetAs silenciadas, os encontros discutem como é ser poeta no atual contexto político e social brasileiro, bem como as formas de luta para impedir o silenciamento e o apagamento da história da literatura brasileira feita por mulheres. Nestes encontros, serão discutidas questões de gênero, raça e/ou classe social. Com Lubi Prates. Convidadas: Miriam Alves (12/3) e Ana Rüsche (26/3).

Lubi Prates é poeta, editora e tradutora. Tem três livros publicados: "coração na boca" (2012), "triz" (2016) e "um corpo negro" (2018), que foi contemplado pelo PROAC com bolsa de criação e publicação de poesia, além de diversas participações em antologias nacionais e internacionais e da plaquete trilíngue (pt, esp e ingl) "de lá / daqui".
Organizou o festival de poesia produzida por mulheres [eu sou poeta] (São Paulo, 2016) e o Otra forma de ser (em Barcelona, 2018). Em 2018, foi convidada do Festival Literário de Votuporanga, Festival Internacional de Poesia do Uruguai e do La Juntada - Festival Internacional de Poesía Joven da Argentina. Participou da organização da "GOLPE: antologia-manifesto", um grito de diversos artistas contra o golpe político que sofreríamos no Brasil. É sócia-fundadora e editora da "nosotros", editorial, e é editora da revista literária Parênteses, além de participar do conselho editorial do selo CAROLiNA - da editora Linha a Linha, para escritoras negras, e da revista Deriva. Dedica-se à ações que combatam a invisibilidade de mulheres e negros na literatura. Atualmente, cursa Mestrado na Universidade de São Paulo.

Miriam Alves é poeta, romancista, contista e ensaísta. Faz parte de uma geração de escritoras negras que participaram das primeiras edições dos Cadernos Negros - antologia literária que há mais de 40 anos vem revelando grandes nomes da literatura negra no Brasil. Além disso, Miriam integrou o grupo Quilombhoje Literatura nos anos 1980, co-organizou duas antologias bilíngues internacionais "Finally us: contemporary black brazilian women writers" (poemas), em 1995, e "Women righting - Afro-brazilian women's short fiction" (contos), em 2005, e foi escritora visitante na Universidade do México, em 2007, e, em 2010, na escola de português do Middelbury College, nos EUA, nas quais ministrou os cursos de Literatura e Cultura Afro-brasileira. Livros publicados: Momentos de busca; Estrelas nos dedos; Terramara; Brasilafro autorrevelado; Mulher Mat(r)iz; Bará, na trilha dos ventos.

Ana Rüsche é escritora, publicou os livros de poesia Rasgada (Quinze & Trinta, São Paulo: 2005), traduzido e publicado no México (Ed. Limón Partido, Cidade do México, 2008, trad. Alberto Trejo e Alan Mills), Sarabanda (Selo Demônio Negro, São Paulo: 2007), que recebeu uma reedição pela Ed. Patuá (São Paulo, 2013), Nós que Adoramos um Documentário, ganhador do ProAC (Ed. Ourivesaria da Palavra, São Paulo: 2010), Furiosa edição comemorativa (ed. autora, 2016), traduzida ao inglês com seleção de Maíra Mendes Galvão em Furiosa - a nautical chart and its monters (ed. autora, 2017). Em prosa, publicou o romance Acordados (Ed. Amauta, Brasil: 2007), também premiado pelo PAC, Secretaria de Cultura de São Paulo e a novela Do amor - o dia em que Rimbaud decidiu vender armas (Ed. Quelônio, 2018). Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).

As duas sessões, dias 12 e 26/3, contarão com tradução em Libras.

Local: Biblioteca (15° andar)
*Acesso livre, sujeito à lotação do espaço.

(Fotos: Douglas Thiago Pereira / Divulgação / Divulgação )

Literatura

Quatro séculos de poetAs silenciadas Com Lubi Prates. Convidadas: Miriam Alves e Ana Rüsche L

Essa atividade aconteceu em 26/03/2019 no Sesc Avenida Paulista.

Mas nossa programação não para!
Quer fazer uma nova busca?
Clique em Programação e fique por dentro de tudo o que está acontecendo nas Unidades do Sesc em São Paulo