Sesc SP

Esta atividade faz parte da

De Áfricas e diásporas. Cinema de memória, cinema de luta - Mostra de cinema de produções a partir de África e das diásporas. saiba mais

teste

Antes de ontem (Caio Franco, Brasil, 2018, 6', livre) + Travessia (Safira Moreira, Brasil, 2017, 5', livre) + Avó (Muidumbe) (Raquel Schefer, Portugal / França, 2009, 11', livre) + Babás (Consuelo Lins, Brasil, 2010, 20', livre).

Após a exibição dos filmes, haverá o bate-papo "Curadoria afro-diaspórica", com Amaranta Cesar, Caio Franco, Izabel de Fátima Cruz Melo e Lilian Solá Santiago.

Antes de ontem (Caio Franco, Brasil, 2018, 6', livre)
Um exame das fotografias de infância levam o realizador a se interrogar sobre suas origens e a cor de sua pele. Quando, afinal, alguém se torna negro? O curta-metragem estreou na edição 2019 do Festival de Tiradentes.

Travessia (Safira Moreira, Brasil, 2017, 5', livre)
A busca pela memória fotográfica de famílias negras conduz a uma tomada de posição crítica e afirmativa diante da quase ausência de corpos negros - ou dos estigmas que sua presença traz à tona.

Avó (Muidumbe) (Raquel Schefer, Portugal / França, 2009, 11', livre)
Moçambique, 1960. Pouco antes da eclosão da guerra, retrato de uma família colonial. Uma sequência de material de arquivo filmada pelo avô da cineasta, antigo administrador português em Moçambique, é o ponto de partida deste documentário experimental sobre a história da descolonização portuguesa e sua memória. Memória dupla ou desdobrada: a memória vivida e descritiva dos colonizadores (seus textos e imagens) contra a memória fabricada dos seus descendentes. O filme encena as lembranças indiretas da realizadora sobre Moçambique no período colonial.

Babás (Consuelo Lins, Brasil, 2010, 20', livre)
Fotografias, filmes de família, anúncios de jornais do século XX constroem uma narrativa pessoal sobre a presença das babás no cotidiano de inúmeras famílias brasileiras, mostrando uma situação em que o afeto é genuíno, mas não dissolve a violência.

Bate-papo "Curadoria afro-diaspórica"
Além da exibição de dezesseis filmes, o ciclo De África(s) e diásporas conta com uma mesa redonda destinada primordialmente à reflexão sobre o gesto curatorial. Donos de percursos transdisciplinares que não se resumem com uma categoria apenas, os debatedores - Amaranta Cesar, Caio Franco, Izabel de Fátima Cruz Melo e Lilian Solá Santiago - transitam entre a realização cinematográfica, a pesquisa, o ensino, a cinefilia e a curadoria, sempre atentos a circulações e heranças afro-diaspóricas. Pensar a programação e a circulação dos cinemas africanos e afro-diaspóricos é se debruçar sobre algo que se constitui, no Brasil de hoje, também como um exercício de luta e de memória. A mesa-redonda se pretende, ainda, por parte da curadoria da mostra, um momento de auto-análise e auto-crítica, em que interrogações a respeito de legitimidade, identidade e lugar de fala deverão vir para o primeiro plano.

Local: Sala de Espetáculos II

Cinema e vídeo

Antes de ontem + Travessia + Avó (Muidumbe) + Babás + bate-papo com Amaranta César, Caio Franco e Izabel de Fátima Cruz Melo L

Essa atividade aconteceu em 20/07/2019 no Sesc Belenzinho.

Mas nossa programação não para!
Quer fazer uma nova busca?
Clique em Programação e fique por dentro de tudo o que está acontecendo nas Unidades do Sesc em São Paulo