Arte: Arthur Porto
Arte: Arthur Porto

Fórum Internacional de Diplomacia Cultural e Cooperação Internacional

Inovação institucional para as relações internacionais e a cooperação cultural

Gestão Cultural

Centro de Pesquisa e Formação

16

atividade presencial

R$ 18,00 Credencial Plena
R$ 30,00 Meia entrada
R$ 60,00 Inteira

Local: Centro de Pesquisa e Formação do Sesc São Paulo

Inscrições a partir das 16h do dia 23/9

Data e horário

De 03/10 a 07/10

03/10 • Segunda a Sexta • 19h30
Arte: Arthur Porto
Arte: Arthur Porto

Encontros com especialistas e representantes de entidades internacionais ou multilaterais para aprofundar o tema das relações e da cooperação internacional no marco das políticas e iniciativas da área cultural. O programa oferece um alinhamento referencial conceitual e prático para futuros programas de cooperação cultural no Brasil.

A atividade está estruturada em quatro eixos temáticos: diplomacia cultural e mediação de conflitos; cooperação no âmbito público; agendas globais de cultura; e intercâmbios e diálogos artístico-culturais. Os debates devem gerar conteúdo editorial por meio de cobertura jornalística profissional a ser aproveitada em uma publicação sobre o tema.

Programação

3 de outubro
19h30
Abertura: A cooperação cultural internacional como pilar da alteridade e do respei-to às diferenças culturais
Inspiração: “O propósito da vida é abordar com uma canção qualquer coisa que encontrarmos pela frente.” (Ditado sioux).
Não seria essa a aposta da cooperação cultural? A abertura cumpre o propósito de apresentar os diferenciais que marcam as relações internacionais quando ela é estabelecida pela cultura e seus principais desafios na atualidade.

Convidados:
Danilo Santos de Miranda (Brasil)
Paulo Pires do Vale (Portugal)

Diálogos

4 de outubro
Das 11h às 12h30

Encontro 1- Diplomacia e Mediação Cultural em tempos de conflitos
Inspiração: “Pelo amor de Deus, abram o universo um pouco mais” (Saul Below)

O desafio do sistema de governança global para colocar em prática uma cultura de convivência pacífica. A cultura como pilar dos direitos humanos. O papel da diplomacia cultural na mediação de conflitos. As artes como valor da cooperação entre os povos e como instrumento de relações internacionais. A política de cancelamentos culturais, como a adotada por alguns países, institui-ções culturais e grupos identitários diversos, não desestabiliza os princípios defendidos pelos documentos e acordos internacionais de cultura?

Convidados
Irene Vida Gala (Brasil)
Michel Gherman (Brasil/Israel)
Marta Porto (Brasil)

5 de outubro
Das 11h às 12h30
Encontro 2 – Agendas globais, identidades culturais e a contribuição do Brasil
Inspiração: “O povo da mercadoria precisa dizer sim a outras formas de existência” Davi Kopenawa

Vivemos um tempo em que o medo, a desesperança e as incertezas contribuem para colapsar a nossa visão de futuro. Uma porcentagem cada vez maior da população mundial vive sob o risco da fome, da violência e da insegurança social. Muitas culturas estão sob ameaça diária de sobre-vivência e mesmo extinção. As agendas globais tais como as definidas hoje para enfrentar estes desafios da humanidade contribuem para promover as mudanças culturais que o mundo necessi-ta? Quais as novas visões de mundo que podem servir de inspiração para uma transformação dos paradigmas culturais que estabelecem essas agendas?

Convidados
Daniel Munduruku (Brasil)
Leda Martins (Brasil)
Mário Lúcio Souza (Cabo Verde) – participação virtual
Mediação: Denise Baena (Brasil)

6 de outubro
Das 11h às 12h30
Encontro 3- As comunidades como protagonistas da cooperação cultural
Inspiração: “De que lugar se projetam os paraquedas? Do lugar onde são possíveis as visões e o sonho. Um outro lugar que a gente pode habitar além dessa terra dura (…)” Ailton Krenak

As comunidades organizam no cotidiano um modo de vida que permite a milhões de pessoas sentirem-se parte da vida cultural. Isso leva à promoção de novas noções de convivência e de categorias de cooperação cultural. Quais noções e categorias são essas que projetam uma perspectiva renovada para cooperação cultural internacional? Que experiências e estudos de caso as comunidades latino-americanas nos trazem como inspiração?

Convidados
Andrés Gribnicow (Argentina)
Clara Mónica Zapata (Colômbia)
Renata Bittencourt (Brasil)
Mediação: Maria Helena Cunha (Brasil)

7 de outubro
Das 11h às 12h30
Encontro 4 – Intercâmbios e diálogos culturais por iniciativas artísticas
Inspiração: “Orientada por um ancião do local, aproximo-me do lago sagrado andando para trás” (Gabi Ngcobo)

Artistas, instituições e programas culturais impulsionam, há décadas, os intercâmbios e diálogos culturais por vias institucionais ou por ações diretas. As políticas públicas podem aproveitar esse conhecimento, experiências e relações para promover uma cooperação mais dinâmica, contínua e com maior potencial de investimento. O que deve ser feito para estruturar uma política de apoio, fomento e expansão de intercâmbios culturais?

Convidados
Francisca Caporali (Brasil)
Laís Bodanzky (Brasil)
Mário Lopes (Brasil)
Mediação: Aurea Vieira (Brasil)

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.