Parte da pintura
Parte da pintura "Vanitas - Still Life", de Pieter Claeszoon

Morte e extinção na História da Arte

Com Valeria Peixoto de Alencar

A Extinção É Para Sempre

Avenida Paulista

Duração: 120 minutos

L

atividade online

Grátis

Local: Zoom

Inscrições online abaixo, a partir de 12/1, às 14h, até dia 26/1, às 17h, ou até as vagas esgotarem.

Data e horário

De 26/01 a 09/02

Quarta

19h as 21h

Parte da pintura
Parte da pintura "Vanitas - Still Life", de Pieter Claeszoon

“O céu já caiu uma vez, era para ser o fim do mundo” – A queda do céu, mito do povo Gavião-Ikolen

Este curso online pretende explorar a temática morte e extinção na História das Artes Visuais, considerando também os Estudos da Cultura Visual, para que a temática seja explorada em sua visualidade, como produções culturais diversas. As questões norteadoras do curso são: como o ser humano tem representado a morte ao longo dos tempos? Como culturas diversas representam a morte e o evento da extinção? O que tais representações nos dizem sobre a sociedade que as produziu?

Compondo a programação paralela relacionada ao projeto “A Extinção é Para Sempre”, este curso tem o objetivo de, a partir de alguns exemplos de imagens produzidas ao longo do tempo, apresentar e discutir como a humanidade têm lidado com a morte e a perspectiva apocalíptica de extinção em massa em suas produções culturais visuais. Obras de artistas como Hyeronimus Bosch, Albert Dürer, Francisco de Goya e Edvar Münch além de dialogarem com seus respectivos contextos de produção e o imaginário da época sobre eventos de morte e extinção, também podem promover reflexões sobre o tema em diferentes contextos de espaço e tempo, propondo diálogos com artistas, tais como: Arthur Bispo do Rosário, Daiara Tukano, Célia Tupinambá, Jaider Esbell, Sidney Amaral, Jaime Lauriano, Damien Hirst, entre outros.

O olhar sobre a produção visual de épocas e culturas diferentes a respeito da extinção da vida humana pode nos trazer possibilidades de reflexões e ideias para adiar o fim do mundo, como dito por Ailton Krenak: “Pregam o fim do mundo como possibilidade de fazer a gente desistir dos nossos próprios sonhos. E a minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história” (2019, p. 29). Que histórias podemos contar a partir de tal visualidade?

Serão três encontros online pela plataforma Zoom, de duas horas cada com os seguintes temas:

Encontro 1 – Morte do indivíduo: o medo e a realidade da morte.
Encontro 2 – Morte do coletivo: as expectativas de extinção da humanidade.
Encontro 3 – O mundo dos mortos: a extinção é para sempre?

Valeria Peixoto de Alencar é graduada em História pela USP (1998), mestre em Artes (2008) e doutora em Artes (2015) pelo Instituto de Artes – UNESP. Tem experiência na área de mediação cultural em museus e exposições. Como docente atua na Educação Básica, Ensino Superior e em cursos livres sobre História da Arte e Arte-educação. Possui diversas publicações, dentre elas, destaca-se aqui o livro “Mediação cultural em museus e exposições de história: conversas sobre imagens/história e suas interpretações”.

O que preciso saber antes de comprar um Ingresso:

Pessoas com mais de 12 anos deverão apresentar comprovante de vacinação contra COVID-19, evidenciando DUAS doses ou dose única para ingressar em todas as unidades do Sesc no estado de São Paulo.

O comprovante pode ser físico (carteirinha de vacinação) ou digital e um documento com foto.

O uso da máscara é obrigatório durante toda sua permanência na Unidade.

Para atividades com ingresso, será necessário apresentar o QR Code na entrada da atividade.

Consulte antecipadamente em sescsp.org.br sobre o funcionamento do estacionamento da unidade promotora do evento.

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.