Foto: Acervo Laje (Crédito: Daniele Domingues)
Foto: Acervo Laje (Crédito: Daniele Domingues)

A Parábola do Progresso

Coordenação curatorial de Lisete Lagnado e Curadoria Adjunta de André Pitol e Yudi Rafael

A Parábola do Progresso

Pompeia

L

atividade presencial

Grátis

Local: Área de Convivência

Data e horário

De 26/10 a 02/04

Terça a Domingo

  • Ter a sab: 10h às 21h
  • Dom: 10h às 18h
  • Feriados: 10 às 18h

  • Foto: Acervo Laje (Crédito: Daniele Domingues)
    Foto: Acervo Laje (Crédito: Daniele Domingues)

    Exposição reflete sobre os ideários de modernidade e independência do país, buscando projetos inclusivos e  diversos. Com cinco territórios dialógicos, apresenta a vocação de reunir forças sociais em ambientes acolhedores  para suas comunidades. Um conjunto que marca o 40º aniversário desta unidade, inaugurada em 1982, palco para a cultura, o lazer, o bem-estar social e a saúde, qualidades e valores a serem resgatados nesse momento de distopia global.

    A efeméride coincide ainda com o bicentenário da Independência do Brasil (1822) e o centenário da Semana de Arte Moderna de São Paulo (1922), duas datas históricas que atravessam a concepção do projeto, inserido na programação “Diversos 22” do Sesc São Paulo. A coordenação curatorial é da crítica Lisette Lagnado, com os curadores associados André Pitol e Yudi Rafael.

    Com o objetivo de discutir o legado de Lina Bo Bardi para o Sesc Pompeia, um dos ícones arquitetônicos mais vibrantes da cidade, a curadoria traz outras referências para somar camadas vivenciais e sociais ao projeto. Sendo assim, cinco “espaços dialógicos” participam da exposição, cada um com uma singularidade própria: o Acervo da Laje (subúrbio ferroviário de Salvador, BA), a Aldeia Kalipety (São Paulo, SP), a Casa do Povo (São Paulo, SP), o Quilombo Santa Rosa dos Pretos (Itapecuru Mirim, MA), e Savvy Contemporary – the Laboratory of form-ideas (Berlim, Alemanha).

    Em contraposição à derivas autoritárias e demagogas, diferentes forças sociais têm conseguido entretanto se organizar e gerar espaços de hospitalidade aptos a amparar sua comunidade. Sabendo articular a produção cultural dentro de uma perspectiva de cuidados, sensibilização e convivialidade, esses cinco centros de encontro, implantados agora dentro do Espaço de Convivência do Sesc Pompeia, reforçam sua transformação em “cidadela”, ampliando o desejo do Sesc São Paulo quando convidou Lina Bo Bardi e sua equipe para os trabalhos de recuperação da fábrica industrial de tambores: “construir uma outra realidade”. Operam como condutores de esperança dentro da parábola do Positivismo, chamada para ilustrar a mítica relação desse “país do futuro”, desde sua colonização e o tráfico afro-atlântico, passando por diversos fluxos migratórios que construíram a idílica imagem de uma nação hospitaleira, terra abençoada por uma natureza exuberante, a generosidade e expansividade emocional de um povo que teria encontrado sua felicidade na mestiçagem de suas raízes. Conhecido pela valorização da cultura popular, o trabalhode Lina Bo Bardi adquire também novas inflexões hoje na esteira dos estudos decoloniais atentos ao reconhecimento de diferentes graus de extrativismos e silenciamentos.

     

    Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.