amazonias – ver a mata que te vê [um manifesto poético], protagonizado por jovens das periferias de São Paulo, propõe reflexões sobre essa região fundamental para o planeta

21/11/2022

Compartilhe:

O Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros será palco, a partir de 25 de novembro, de um espetáculo inédito que mescla linguagens artísticas como teatro, dança, música e audiovisual, com o objetivo de propor um diálogo sobre as amazônias, suas histórias, seus povos e suas culturas.

Trata-se de “amazonias – ver a mata que te vê [um manifesto poético]”, uma proposta do Sesc para a montagem conduzida pela diretora teatral e pedagoga Maria Thaís. O espetáculo fica em cartaz até o dia 12 de fevereiro de 2023, com sessões sempre às sextas e sábados às 19h e domingo às 18h.

Sob os ecos da floresta, fizemos um chamamento público aos jovens para uma residência artística. Da semente do coletivo, raízes foram crescendo e trançando corpos pretos, indígenas e brancos, rompendo as bordas das cidades grandes, os fios invisíveis que insistem em separar um país”, comenta Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo. “O resultado desse processo só poderia ser um convite à epifania coletiva, à catarse do encontro e do deslumbramento, capazes de sensibilizar as gerações atuais e futuras para a importância da preservação, do conhecimento e da ampliação da floresta, seus mistérios, suas gentes e saberes”, complementa.

Jovens residentes
O projeto é o resultado de uma extensa produção coletiva e residência artística com foco nas amazônias, realizada ao longo de seis meses com 35 jovens criadores entre 16 e 20 anos, crescidos em grande parte nas periferias de São Paulo e selecionados especialmente para o projeto. Um elenco diverso, formado em sua maioria por negros, além de integrantes brancos e indígenas.

Para se chegar a esse grupo, foi realizado um chamamento por meio das redes do Sesc e de organizações que atuam com a juventude. A produção recebeu cerca de 200 inscrições, via preenchimento de um formulário e o envio de um vídeo em que eles se manifestaram artisticamente. No total, foram selecionados 120 jovens para entrevistas, sendo que 80 partiram para um processo de trabalho com a equipe, coordenada por Maria Thaís, para que fossem, ao final, escolhidos 40. Destes, 35 seguiram na residência e integram o elenco.

Formado o grupo, a diretora Maria Thaís ressaltou que “estava menos interessada em descobrir talentos, e sim em perceber a capacidade de aprendizagem, de enfrentar o material, de se colocar na frente de uma criação coletiva”.

Foto: Matheus José Maria
Foto: Matheus José Maria

Trabalho coletivo
Para dar vida ao espetáculo, a dramaturgia desenvolveu-se a partir de três eixos principais: a orientação da equipe criativa abrangendo dança, teatro, música e palavra; as contribuições para o pensar das “amazônias reais”, vindas do encontro com especialistas convidados ao longo do processo e, complementando, as próprias vivências dos jovens que participam do projeto. Importante ressaltar que o grupo selecionado contribuiu diretamente para a construção do espetáculo, seja na elaboração das cenas ou na criação das músicas e coreografias.

Árvore invertida
O pensamento dramatúrgico baseado na estrutura de uma árvore invertida como um elemento simbólico. “Entendemos a raiz como um lugar de existência não observada. Já o tronco seria aquilo que se manifesta no mundo, o bem e o mal, a cidade e a mata, a cidade matando a mata. Por fim, a copa é de alguma maneira esse lugar dos rios voadores, simbolizando que o que está embaixo, está em cima”, analisa a diretora.

Parte desta visão surgiu após uma viagem de Maria Thaís à Amazônia, antes da existência do projeto. “Entrei de canoa no Igapó, que é quando a floresta está inundada. E, neste passeio, você vê o mundo como se estivesse invertido, com o céu refletido na água. Foi quando entendi esse mundo meio ‘desentendido’, que não tem ordem entre céu e terra, o que a gente vê não é necessariamente o que ele é”, explica a diretora.

Essa experiência culminou também com a criação do subtítulo do espetáculo, “ver a mata que te vê”. “Quando saí dessa experiência, tinha a sensação física de quando você entra na floresta, você também está sendo visto. O título ficou guardado e foi retomado no projeto amazonias por traduzir a possibilidade de uma relação”.

amazonias - ver a mata que te ve
Foto: Matheus José Maria

Cenografia
A encenação abre mão da quarta parede e o palco e plateia do Teatro Paulo Autran estarão integrados por passarelas laterais e central. Na cenografia, criada por Márcio Medina, há também elementos que fazem esse papel, como um céu pintado em tecido de voil, que em determinado momento, se estende sobre o espectador.

Há ainda vasos de plantas espalhados pelas cadeiras em forma de serpente, em alusão a uma imagem recorrente nas culturas amazônidas. Completando essa espiral, projeções exibirão cenas do processo de trabalho, além das “amazônias identificadas” – inclusive as manifestadas nas cidades – por meio de tecidos que envolvem o palco para receber imagens.

Foto: Matheus José Maria

Música
A trilha sonora que envolve as cenas é caracterizada pelo imaginário sonoro que vem da Amazônia e de São Paulo. As músicas, em sua maioria, são obras que já existem e que foram recriadas, indo do carimbó ao bregafunk, num processo conduzido pelos compositores Morris e Marcelo Nakamura.

Três músicas foram criadas em grupo, todas interpretadas ao vivo. A diretora Maria Thaís destaca que “toda a expressão desse universo dos sons se deu a partir de um processo rico de polinização cruzada entre as muitas amazônias ouvidas e as cacofonias das múltiplas São Paulo, experienciadas pelos jovens criadores a partir das culturas sonoras deles”.

Equipe
Por fim, é imperioso destacar que um espetáculo desta envergadura é resultado do trabalho de diferentes núcleos criativos. O Núcleo de Dramaturgia é formado por Murilo de Paula, Marcia Kambeba e Rita Carelli. O Núcleo de Movimento é composto por Rubens Oliveira e Odacy Oliveira. O Núcleo de Visualidades reúne Naine Terena, Márcio Medina, Wagner Antônio, Jennifer Ramos e Willame Leite, Patrícia Gondim, Tiça Camargo e Edlene Sousa e se articula diretamente com o Núcleo audiovisual conduzido por Ubiratan Suruí e Yghor Boy. O Núcleo de Música e Sonoridade é dividido entre Marcelo Nakamura e Morris.

FICHA TÉCNICA

NÚCLEO DE DIREÇÃO ARTÍSTICO-PEDAGÓGICA
Direção: Maria Thaís
Assistência de Direção: Otávio Oscar
Assistência Pedagógica e Coreográfica: Silvana de Jesus
Direção de Palco: Aelson Lima

NÚCLEO DRAMATURGIA
Márcia Kambeba, Murilo de Paula e Rita Carelli

NÚCLEO DE VISUALIDADES
Consultoria: Naine Terena
Cenografia: Márcio Medina
Figurinos: Jennifer Ramos e Willame Knowles
Objetos Cênicos: Patrícia Gondim
Visagismo: Tiça Camargo e Edlene Sousa
Iluminação: Wagner Antônio

NÚCLEO DE MÚSICA E SONORIDADE
Direção Musical: Marcelo Nakamura e Morris
Canto: Marcelo Onofri
Desenho Sonoro e Coordenação Técnica de Áudio: Kako Guirado

NÚCLEO AUDIOVISUAL
Documentação do projeto e Captação de vídeos para cena: Yghor Boy e Ubiratan Suruí
Edição de Vídeos para cena: Yghor Boy
Video Mapping: Clara Caramez e Ihon Yadoya – Rizomatique

NÚCLEO DE MOVIMENTO E COREOGRÁFICO
Dançarino Convidado: Odacy Oliveira (Performance Salto no Vazio)
Coreografia: Rubens Oliveira (Mata-Cidade-Mata’ e ‘Canoa dos Povos’)
Assistente: Hallison
Alinhamento Corporal: Dória Gark
Kempô: Ale Gusmão, Ciro Godoy e Mavut Santana
Butô: Eduardo Fukushima e Emilie Sugai

NÚCLEO SOCIAL
Coordenação: Cleo Regina Miranda
Equipe: Luis Nogueira (Psicanalista) e Simone Gama (Psicóloga)

NÚCLEO DE PRODUÇÃO
Direção de Produção: Julia Gomes
Produção Executiva: Marita Prado
Produção de Figurinos: Roberson Lima
Produção Administrativa: Digo Amazonas

ATUANTES
Anna Chaves, Breno Luan, Cailane Jesus, Clara Beatriz, Estevan Vital, Eyberth Montoya, Gabriel Vilar, Gabrielli Lopes, Gregório Musatti, Gumball Portela, Hallisson Ferreira, Igor Lira, João Victor Pereira, Kalu, Karol Mikaelly, Kuaray Turiba, Leone Lage, Letícia Progênio, Lívia Giorgi, Marcus Paulino, Mari Poty Silva, Maria Eduarda Ferreira, Maria Eduarda Lopes, Matheus Sena, Melissa Leal, Murilo Bratti, Nathália Elizabeth, Nathaly Braga, Rayssa Rodrigues, Ryan Malves, Sabrina Charlott, Sam Aleha, Stephanie Rosário e Tankian e Veneno Gu.

ATUANTES CONVIDADOS
Jana Figarella, Odacy Oliveira, Palomaris e Sandra Nanayna


Para ingressos e mais informações sobre o espetáculo, acesse www.sescsp.org.br/amazonias

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.