Por que falar em drogas?

29/01/2021

Compartilhe:

Há um grande caminho a ser percorrido pelo debate público a respeito da temática das drogas, seus usos e políticas. A presença deste tema na mídia é marcada, historicamente, por discursos pautados na criminalidade, punição e moralismo. Levando em conta o foco que as cenas de uso de drogas da região central da cidade de São Paulo tiveram nestes debates, seja por conta de grandes projetos urbanísticos, ou pela ampla discussão entre governos, movimentos sociais e pesquisadores acadêmicos, é fundamental refletir sobre a relação que construímos, como sociedade, com o uso e proibições das drogas.

São muitas as histórias que compõem o cenário de uso de drogas na região central de São Paulo. Este cenário é povoado por pessoas que viveram deslocamentos de periferias, do interior do estado e das regiões Norte e Nordeste, por exemplo. Pobreza, esgarçamento e rompimento de laços familiares, empregos precários, racismo, violências cometidas ou sofridas e cárcere são muitas das circunstâncias que marcam o território e as pessoas que ali permanecem.

No cotidiano, ocupado por conflitos e repressões diárias, o uso de drogas é assunto historicamente tratado como problema higiênico e policial. A região do Centro e da Luz foi marcada pela presença do poder público através de operações policiais e projetos socioassistenciais que se pautam na abstinência, como princípio para recuperação individual e social. Dentro deste contexto atuam profissionais ligados à área da assistência social e saúde, além de voluntários e militantes, empenhados em agir buscando estabelecer relações e criando pontos de apoio para as pessoas que convivem ali. As opiniões a respeito de cuidados e terapias, distribuídas em programas governamentais ou não, defendem perspectivas diversas à prática única da abstinência.

Entre as muitas dimensões e visões que cercam a temática do uso do álcool e das outras drogas, é fundamental mencionar sua relação com o sofrimento psíquico. Segundo a World Health Organization, o Brasil é um dos países com maior número de pessoas que sofrem com depressão e ansiedade no mundo e, para enfrentar esta realidade em meio as muitas desigualdades, é fundamental fortalecer a rede de apoio a estas pessoas e reafirmar o direito humano de receber cuidados e atenção psicossocial. Entre as diferenças econômicas que impedem o acesso a serviços de saúde e assistência social, bem como no desequilíbrio racial que marca as condenações ligadas a drogas no processo penal e as punições no sistema prisional, está a construção histórica das desigualdades brasileiras.

Como instituição sociocultural, o Sesc São Paulo busca uma reflexão constante sobre as contradições sociais que permeiam as cidades promovendo o debate crítico a respeito delas com a intenção de reduzir as violências e sofrimentos e reiterando a importância da autonomia e dos diversos direitos humanos e sociais. Nesta perspectiva é fundamental o aprofundamento sobre o universo social e os conflitos psicológicos e físicos que cercam o uso de drogas em sua expressão nos centros urbanos.

A partir da ação Questão Social das Drogas cria-se um espaço de escuta, diálogo e construção acerca das muitas dimensões em torno da temática das drogas. Ao público fica o convite de participar ativamente deste diálogo para que possamos, juntos, imaginar maneiras de reduzir sofrimentos e garantir direitos, construindo uma sociedade mais tolerante.

Clique aqui para acompanhar as discussões acerca do assunto!

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.