Direito à cidade e cotidiano: população em situação de rua em tempos de pandemia

15/02/2021

Compartilhe:

Em agosto de 2020, fazendo referência a luta por direitos da população em situação de rua, o Sesc Carmo apresentou uma série de vídeos que tematizou o direito à cidade para essa população, principalmente no contexto da pandemia de Covid-19. Em meio a uma crise sanitária que atingiu ao mesmo tempo o mundo todo, muitas contradições do nosso modo de vida foram escancaradas. Um mal-estar que tem a ver com a saúde, mas também com outras dimensões da nossa vida em comunidade: a desigualdade social, as condições de vida e trabalho precários, discursos e ações de intolerância. Em contraposição, fomos confrontados com a necessidade de atitudes fundamentalmente éticas, coletivas, altruístas, solidárias e radicalmente humanitárias.

As entrevistas, conduzidas por Fernanda Almeida, assistente social de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS-AD) e Coordenadora do Curso de Pós Graduação em Serviço Social e Saúde da FAPSS-SP, e com direção técnica e edição de Beto Amorim, abordam questões do cotidiano nas ruas, antes e durante a pandemia.

Acompanhe aqui os quatro vídeos da série!

1 – O entrevistado Jorge Broide, psicólogo, psicanalista e doutor em Psicologia Social, faz uma reflexão sobre a complexidade e diversidade da composição da população em situação de rua, além de discutir estratégias de políticas públicas para a mesma.

2 – A segunda convidada foi Katia Muniz Amiarati, enfermeira, pós-graduada em saúde da família e comunidade e especialista em enfermagem em saúde mental e psiquiátrica. Neste vídeo, ela faz uma reflexão sobre as condições de saúde e os serviços existentes para a população em situação de rua.

3 – Os entrevistados do terceiro vídeo são membros da Rede Rua. Alderon Costa e Darcy da Silva Costa falaram sobre o tema Isolados nas calçadas: Resistência e sobrevivência do Povo de Rua.

4 – No último vídeo da série, tanto o direito à cidade quanto cotidiano são conceitos articulados a partir do tema: Não tenho casa para ficar em casa. A conversa foi com o educador popular Luiz Kohara, membro da coordenação do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, assessor do Centro de Apoio e Assessoria a Inciativas Sociais (CAIS), colaborador da Rede BrCidades, assessor da Pastoral Nacional do Povo da Rua, doutor em Arquitetura e Urbanismo.

Acompanhe as discussões acerca de questões sociais e direitos humanos, aqui!

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.