Jogos que educam: conheça PoN – A Ilha dos Tatus

28/09/2022

Compartilhe:

Já se foi o tempo em que os jogos digitais não tinham reconhecidas as suas potências como ferramentas aliadas à educação e conscientização de todos os públicos. Objeto de estudo de pesquisadores há décadas – e, mais recentemente, também prática de ensino – os jogos permitem que as pessoas tenham um papel ativo em seu próprio aprendizado, vejam sentido no conhecimento e pratiquem diferentes habilidades e competências.

No Brasil e no mundo, diferentes grupos e segmentos da sociedade têm se reunido para pensar e produzir games com propósito de contribuir ao processo educativo, em diversas áreas do conhecimento. Para citar algumas apenas alguns, temos o trabalho do estúdio Sue The Real, dedicado jogos com temáticas afro-brasileiras, do projeto Game e Arte, que atua com produtos e ações socioeducativas, a iniciativa global Games for Change, que estimula o desenvolvimento de games de impacto social, ou do grupo DiGRA (Associação de Pesquisa em Jogos Digitais), que congrega grupos acadêmicos de todo o mundo.

O tema também é presença constante na programação do Sesc São Paulo, em atividades como os ciclos Lugar de Jogo, desenvolvidos pelo Centro de Pesquisa e Formação, e principalmente nos Espaços de Tecnologias e Artes das unidades, os ETAs.

Em outubro, uma dessas atividades programáticas é uma vivência educativa sobre sustentabilidade a partir do jogo digital ‘PoN – A Ilha dos Tatus‘. Ideal para pessoas a partir de 10 anos, a vivência tem o acompanhamento de educadores e busca sensibilizar os participantes para questões importantes e contemporâneas, como mudanças climáticas e respeito à natureza.

Mais sobre o jogo Pon – A Ilha dos Tatus

No jogo, você ajuda os pacíficos tatus a defenderem sua ilha da ameaça dos terríveis robôs que destroem a natureza e ameaçam o ecossistema de seu habitat natural, que pode entrar em colapso. Característico dos biomas brasileiros, o protagonista do jogo são os tatus-bola não por acaso: quando ameaçados, eles se fecham em seu e formam uma ‘bolinha’ – e é neste formato que eles atuam e se defendem.

O nome PoN refere-se ao conceito filosófico de Bruno Latour, Politics of Nature (Políticas da Natureza em português), no qual o jogo se inspira para trazer a ideia de ouvir e respeitar os diversos seres da natureza. Para Marcelo Rigon, diretor de programação do jogo, ele é uma ferramenta que pode ensinar e transmitir ideias. “Ao criar regras e um universo que tem um paralelo com os problemas reais das mudanças climáticas e desastres ambientais, conseguimos demonstrar relações do mundo real dentro do jogo de forma metafórica”, comenta.

O jogo para celulares e tablets PoN foi desenvolvido pela Ilex Games em colaboração europeia-brasileira, promovida pelos clusters EUNIC (European National Institutes of Culture) de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro, e apoiada pela EUNIC Global. A atividade contará com a coordenação do Instituto Cultural da Dinamarca e a produção da Averso Artemídia.


Para jogar agora mesmo

Clique aqui e baixe o jogo em seu celular com Android ou iOS.

Para jogar nas unidades do Sesc SP | Vivência PoN! A ilha dos tatus

No Sesc Guarulhos | dias 1 + 4, 5, 6 e 7 de outubro, sábado + terça a sexta, a partir das 14h

No Sesc Santos | dias 8 e 9 de outubro, sexta e sábado, a partir das 14h

Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.