Vozes de São Paulo

07/04/2022

Compartilhe:

Muitos são os sons de uma cidade. Quando se pensa em uma metrópole como São Paulo, de tráfego intenso, frota veicular, comércio e indústria de grandes proporções, além de uma população com cerca de 12,4 milhões de habitantes (IBGE/2021), essa massa sonora ganha uma dimensão quase particular. 

Mas, para além dos ruídos diários, é possível encontrar melodia na cidade. E é por isso que desde 2008, o Sesc Carmo realiza o projeto Centro em Concerto

Com a proposta de ocupar igrejas e espaços públicos do centro, valorizando períodos, autores ou particularidades da históricas da música de concerto, a ação, que já foi chamada de “Centro Erudito” e “Sons das Igrejas do Centro”, entre outras denominações, manteve a proposta de realizar apresentações musicais em espaços históricos da região central, em diálogo com as diferentes formas e estéticas que compõem a música de concerto.   

 Em 2022, o Centro em Concerto – Vozes de São Paulo recebe curadoria da cantora e musicóloga Anna Maria Kieffer e traz apresentações que realçam aspectos das sonoridades da cidade, enfatizando sua formação, sua diversidade cultural e a herança das principais matrizes que caracterizaram a música em São Paulo desde seus primórdios até o século XXI.  

 Ao todo, serão seis apresentações, realizadas entre os meses de abril e outubro de 2022. Todas elas farão parte também de roteiros do Programa de Turismo Social do Sesc São Paulo. Serão passeios de curta duração realizados a pé, sem a correria do dia a dia, que podem ser vivenciados por turistas ou moradores da cidade, criando a oportunidade de olhar para o local em que se vive sob outras perspectivas, como um(a) turista em um novo local. 
 
Todos os passeios precisarão de inscrição prévia, realizada na página da unidade no Portal do Sesc São Paulo. 

 
 Acompanhe a programação completa:  

CENTRO EM CONCERTO: VOZES DE SÃO PAULO

 19/4, terça, 13h | Pateo do Collegio  

A Herança Indígena

com Grupo Mawaca e Grupo Indígena Multiétnico  

O concerto celebra a existência dos povos indígenas de todo o Brasil com arranjos e recriações sobre músicas de diferentes etnias como Mbya Guarani, Paiter Suruí; Kayapó, além de composições próprias de Magda Pucci. A apresentação conta com a participação do Grupo Indígena Multiétnico, formado por indígenas de quatro povos do Nordeste: Fulni-ô (PE), Kariri-Xocó (AL), Pankararé (BA) e Kaimbé (BA) sob a direção de Ava Fulni-ô. Esse repertório tem sido pesquisado presencialmente e executado pelo Grupo Mawaca e representa uma homenagem àqueles que foram os primeiros habitantes de São Paulo.   


3/5, terça, 13h | Catedral Metropolitana de São Paulo – Sé  

Mestres Paulistas – Mestres de Capela e Compositores Sacros nos séc. XVIII e XIX

com São Paulo Schola Cantorum   

Obras dos mestres de capela, da Sé de São Paulo, e de compositores paulistas cuja música foi executada na cidade, a começar por André da Silva Gomes, no século XVIII, chegando até nosso mais importante compositor do século XIX, Antônio Carlos Gomes.   

Entre as peças, haverá três performances do Canto de Verônica, normalmente realizada durante a Procissão do Enterro, na Semana Santa.   


14/6, terça, às 13h | Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos  

Ngoma: A Memória do Tambor  

com Grupo Cachuera!   

Ressaltando a herança africana, simbolizada pelo tambor, será realizada uma demonstração do Batuque Paulista, na entrada da igreja, seguido de um cortejo que recupera a música das Irmandades Negras, como a de Nossa Senhora do Rosário, Santa Ifigênia, e São Benedito. Em São Paulo, a principal Irmandade Afro-brasileira, foi a da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, localizada na igreja do mesmo nome, construída em 1721. Posteriormente, a igreja foi demolida e foi reconstruída, já no século XX, no Largo do Paissandu, onde está até hoje.    


9/8, terça, 13h | Santuário São Francisco  

São Paulo: Paisagens Sonoras 1830-1880   

com Anna Maria Kieffer e convidados  

Caminhada musical e sonora pelo Centro da cidade de São Paulo, em meados do século XIX, enfocando a música das ruas, os saraus acadêmicos, as reuniões Abolicionistas e Republicanas e as primeiras casas comerciais de instrumentos e edição de partituras, como a Casa Levy.   


13/9, terça, 13h | Igreja Nossa Senhora da Paz  

Música num quintal italiano: memórias da imigração

Sarau que registra a música realizada em São Paulo pelos imigrantes italianos, na virada do século XIX para o XX. Peças de música tradicional e danças típicas de diferentes regiões da Itália e árias de salão de compositores eruditos, cujas obras se tornaram populares nesse tipo de prática musical, tais como as de Bellini, Donizzetti, Rossini e Tosti.   


11/10, terça, 13h | Igreja da Nossa Senhora da Boa Morte  

Tradições PaulistanasMúsica de compositores paulistas do século XX e XXI    

 Apresentação musical que reúne obras populares e eruditas de compositores paulistanos, ou que viveram em São Paulo, quando a cidade se abre para a Modernidade, tais como Américo Jacomino (Canhoto), Aníbal Augusto Sardinha (Garoto), Camargo Guarnieri, Francisco Mignone entre outros, algumas delas com textos de importantes poetas como Mário de Andrade e Vinicius de Moraes.  


ENCONTROS VIRTUAIS

Complementando a programação do Centro em Concerto – Vozes de São Paulo, a partir do mês de julho o Sesc Carmo realiza encontros virtuais, transmitidos ao vivo pelo Youtube, abordando aspetos históricos e musicais dos seis concertos que compõem o projeto.    

5/7 – A presença das musicalidades indígenas no Brasil, com Magda Pucci

Um breve panorama sobre a extensa e rica diversidade músico-sonora indígena no Brasil, com enfoque nos cantos e seus entrelaçamentos com os ritos do cotidiano e nos grandes rituais. Uma introdução às musicalidades dos povos originários para que nos acerquemos da complexidade do universo sonora indígena no Brasil.  

12/7 – A Cidade: dentro e fora da igreja, com Delphim Rezende Porto 

Os mestres da música em São Paulo, por Delphim Rezende Porto, atual Mestre de Capela da Sé de São Paulo.  

São Paulo paisagens sonoras, por Anna Maria Kieffer, cantora e musicóloga, autora do projeto homônimo, que retrata os ruídos e a música na cidade entre 1830 e 1880.   

19/7 – Memórias do tambor, com Paulo Dias 

  Histórico, escuta e prática da música de africanos e afrodescendentes em São Paulo, incluindo falares em língua Banto e seu significado.   

26/7 – A música entre os imigrantes italianos e seus descendentes: tradição e modernidade, com Anna Maria Kieffer e Edelton Gloeden

A música entre os imigrantes italianos, por Anna Maria Kieffer.  

Imigração e Modernismo, por Edelton Gloeden.   


Acesse a programação e acompanhe as apresentações do projeto.

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.