Afrofuturismo em cores neon – o mural da Criola no Sesc Osasco

13/05/2022

Compartilhe:

#pracegover #pratodosverem Foto horizontal colorida. O mural da artista plástica Criola na fachada do Sesc Osasco. A foto panorâmica tirada de cima mostra o prédio do Sesc Osasco ao centro e, nas laterais, duas avenidas e seus carros. Há também árvores, postes de luz, casas e prédios. Na parte superior da imagem, o céu azul com nuvens. Na foto o sol incide sobre a cidade. Crédito: Marcelo Pimentel / Instagrafite

Ao chegar ao Sesc Osasco, uma moça com seus cabelos crespos cor-de-rosa olha a cidade por trás dos seus óculos de sol de aros brancos. As cores vibrantes e neon desenham suas roupas, que exibem padrões geométricos, remetendo às culturas africanas. Na boca, o batom orna com as madeixas, nos olhos, um delineado azul. Esse é o painel criado pela artista brasileira Criola, natural de Belo Horizonte, que exibe artes de rua tanto em São Paulo como em outras cidades do mundo, e agora chega a Osasco. 

O painel é parte de uma série iniciada durante a pandemia, quando a artista começou a experimentar a arte digital, levando o que já fazia na rua para dentro de casa, devido ao lockdown. Foi quando a paleta de cores presente no painel do Sesc Osasco começou a aparecer: muito azul e muito cor-de-rosa.

“Comecei a retratar personagens com padronagens nas roupas, com um lifestyle mais urbano afrofuturista. Um futuro que já é real, mas que é uma manifestação recente, pretos e pretas ostentando cabelos coloridos”, comenta Criola, que também é formada em moda. Para ela, a cor é vibração, uma oportunidade interferir no cenário cinza que se encontra todos os dias na cidade. 

#pracegover #pratodosverem Foto horizontal colorida. A foto foi tirada em um dia ensolarado. O mural da artista plástica Criola em destaque na fachada do Sesc Osasco. Ao lado direito vê-se a calçada e a rua cheia de carros, postes de luz e seus fio e prédios e casas ao fundo. Na parte de cima da foto, o céu azul com nuvens. Crédito: Marcelo Pimentel / Instagrafite

Para a artista, que pinta desde 2012, a rua é o lugar de encontro múltiplo. “É um lugar potente do ponto de vista de reverberar mensagens para o todo sem intermediários. É atitude de tomar como seu aquilo que realmente é”, diz. 

Criola traz para sua arte suas vivências como mulher preta na sociedade brasileira, ainda permeada diariamente pelo racismo. “A partir do momento que faço isso, minha trajetória artística se torna um documento que retrata uma realidade histórica do nosso país, servindo de material de estudo para entender uma era”, comenta a artista.  

Pintar no Sesc Osasco é, para ela, conversar com a periferia. “Acredito que um trabalho dessa dimensão na fachada do Sesc irá interagir diretamente com a realidade dessas pessoas, que é a minha também.”. Por mim, Criola coloca em palavras o que na sua visão é a arte de rua: verdade, humanidade e transgressão.

#pracegover #pratodosverem Foto horizontal colorida. A imagem mostra a artista criola de maneira espelhada. De perfil e olhos fechados, a artista está duplicada, de modo que fique uma de frente para a outra, cada uma em uma metade. Ela usa um vestido vazado na cintura e costas, com ombros à mostra. A parte de cima é preta e a saia tem estampas africanas geométricas com tons de azul e amarelo. A artista usa um turbante com a mesma estampa e brincos de argola grandes. Ao fundo, padrões africanos geométricos de um de seus murais nos mesmos tons da roupa. Crédito: acervo pessoal.

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.