Uma espécie de expansão

21/10/2022

Compartilhe:

Com texto inédito de Silvia Gomez e direção de Vanessa Bruno, Gesto estreia dia 26 de outubro, quarta-feira, às 20h, no Espaço CPT do Sesc Consolação. A peça reúne toda a equipe formada no Centro de Pesquisa Teatral, incluindo o elenco, que foi o último grupo de atrizes e atores em processo de experimentação e ensaio com Antunes Filho.

Gesto faz parte do momento que marca os 40 anos do Centro de Pesquisa Teatral (CPT). O espetáculo fica em cartaz até 15 de dezembro, às quartas e quintas, às 20h. No feriado de finados, 2 de novembro, a sessão será às 18h.


Esta é a primeira montagem de um texto inédito escrito para o CPT a estrear nesse espaço sob a direção de uma mulher, Vanessa Bruno.


Em 2019, em meio às aulas de corpo, voz, teoria, retórica e dramaturgia do curso Introdução ao Método do Ator (CPTzinho), o encenador Antunes Filho (1929-2019) seguia em elaborações de dramaturgias e experimentações com o grupo de atores e atrizes até chegar em “Bonitinha, mas Ordinária”, de Nelson Rodrigues. Aproveitando a turma para ajudá-lo na adaptação do texto em junção às discussões e criação de cenas para o possível espetáculo, Antunes resolveu, no entanto, engavetar o projeto.  

“Como o formador que foi, ele estava sempre nos inquietando com as mais diversas referências. Na época, eu dava aulas de dramaturgia a seu convite e ele me pediu para reler ‘O Rinoceronte’, clássico de Eugène Ionesco escrito em 1959. Sou fã do Teatro do Absurdo e me senti imediatamente instigada, ali, naquele contexto, ao reencontrar a peça sobre aquela cidade tomada por um surto de ‘rinocerontite’, metáfora crítica para uma espécie de delírio coletivo capaz de contagiar corpos e mentes”, conta Silvia Gomez, dramaturga formada pelo Círculo de Dramaturgia do CPT. 

Logo depois, nasceu a primeira versão da peça “Gesto”, apresentada ao diretor. “Silvinha está voltando para casa”, manifesta Antunes ao ler o texto. Entre experiências com as cenas do Prêt-à-Porter, sob supervisão de Emerson Danesi, o trabalho com o elenco dentro do CPT seguiu também em pesquisas com a peça de Gomez.

É um gesto ao Brasil, a Antunes Filho e ao público que se está falando  

Diante de um Brasil polarizado, num momento de discussão sobre verdade e mentira, entre fake news que se espalham como contágio e discursos e ações que suscitam perplexidade, “a obra tenta elaborar poeticamente a sensação tantas vezes inexprimível de instabilidade, violência e contradição traduzida em uma narrativa híbrida, entre diálogos e monólogos em delírio, em torno do sentimento de vertigem e impasse de uma época que observa a fase atual do capitalismo avançar como necrose sobre os corpos e a natureza”, relata Gomez. 

Foto: Emidio Luis


Aquilo que não é dito

Ao narrar personagens que chegam a um hospital relatando inexplicáveis sensações, o texto coloca a pergunta sobre aquilo que não é dito, mas, sim, manifestado como sintoma, seja como movimento de um grupo ou no corpo de cada indivíduo. Em estado de urgência e limite, os personagens tentam relatar a sensação de perplexidade em relação ao próprio corpo e vivência. Seus contornos aparentam, de repente, ganhar formas que fogem ao controle racional, expressão individual do absurdo que muitas vezes todos nós experimentamos na vida cotidiana e na convivência em sociedade. Cada personagem parece, assim, falar de um profundo sentimento súbito de estranhamento: de si mesmo, de seu corpo, sua fala e, sobretudo, do outro.

Gesto é uma peça marcada por um humor lírico e poético, um riso nervoso que bebe em permanentes referências que são mestres em explorar a ideia de estranhamento, como o próprio Ionesco, assim como a obra de Franz Kafka e também nomes do fantástico latino-americano, como a argentina Silvina Ocampo e o brasileiro Murilo Rubião. E, ao mesmo tempo, a peça traz fragmentos das cenas em elaboração nos ensaios de “Bonitinha, mas Ordinária” que Antunes Filho trabalhava com o elenco em questão. 

“Pedi que as atrizes e os atores retomassem as últimas cenas esboçadas com Antunes e, também, construíssem partituras físicas e novas propostas de cenas coletivas, além de respostas cênicas individuais. A partir desse material é que foi nascendo o espetáculo. Estudamos também o acervo de obras do diretor no Sesc Memórias. Lançamos mão de inúmeras referências e de todos os aprendizados vindos do Antunes, entre eles – fundamento talvez mais precioso para mim – a emancipação da/o intérprete”, afirma a diretora Vanessa Bruno. O projeto evoca a essencialidade e o minimalismo característicos do CPT e resulta numa colagem que une formação, experimentação e também olha para a realidade brasileira.

Foto: Emídio Luis

Sobre Silvia Gomez

Silvia Gomez é jornalista, dramaturga e roteirista. Fez sua formação em dramaturgia no Centro de Pesquisa Teatral (CPT) a partir de 2003, espaço ao qual voltou para dar aulas no curso Introdução ao Método do Ator (CPTzinho), entre 2017 e 2019. Autora das peças teatrais “Mantenha fora do alcance do bebê” (ganhadora dos prêmios APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte, na categoria de melhor dramaturgia, e Aplauso Brasil, em 2015), “Neste mundo louco, nesta noite brilhante” (indicação ao Prêmio Shell paulistano, na categoria melhor dramaturgia, em 2019) e “A Árvore” (Editora Cobogó), entre outras. Suas peças foram traduzidas para o alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, mandarim e sueco, tendo sido encenadas e lidas em países como Bolívia, Colômbia, Escócia, Espanha, Inglaterra e Portugal. “Neste mundo louco, nesta noite brilhante” estreou ano passado no México e está atualmente em cartaz na Argentina.

Sobre Vanessa Bruno

Vanessa Bruno é atriz e diretora, bacharel em Cinema e mestre em Artes Cênicas pela USP. Desde 2003, esteve envolvida no Centro de Pesquisa Teatral (CPT), coordenado por Antunes Filho. Sob sua direção, atuou em “Prêt-à-Porter 9” (Prêmio Shell – categoria especial) e “Pedra do Reino” (Prêmios Bravo!Prime, APCA e Contigo!) e ministrou, a partir de 2010, aulas para atores no curso Introdução ao Método do Ator (CPTzinho). É propositora do VULCÃO [criação e pesquisa cênica], onde realizou diversos espetáculos autorais com o deslocamento da literatura de mulheres para a cena, entre eles, o mais recente “Águas do Mundo”, no qual dirigiu seu próprio solo. 



Gesto
Foto: Emidio Luis

Gesto


Sinopse 

Brasil, manhãs de calor num hospital. Indiferente aos dias azuis, um fenômeno começa a acontecer: pessoas relatam sensações estranhas brotando sob a pele.

Ficha Técnica

Dramaturgia: Silvia Gomez  
Direção: Vanessa Bruno  
Assistente de Direção: Luiz Felipe Bianchini  
Elenco: Guilherme Moilaqua, Luana Frez, Madu Possatto, Osmar Pereira, Rodrigo Fiatt, Stella Prata, Thiago Richter e Vitor Biazzin  
Ambientação Cênica e Figurinos: Rosângela Ribeiro  
Assistente de Ambientação Cênica e Figurinos: Neemias Villas Bôas  
Costureira: Vera Luz   
Cenotécnico: Cláudio Cabral  
Trilha Sonora e Operação de Som: Lenon Mondini  
Preparação de Canto: Solange Assumpção  
Aula de Guitarra: Bob Souza  
Luz: Elton Ramos, Fabio Albino, Felipe Siqueira Galvino e Vitor Silva  
Assistentes de Luz: Márcio Martins e Rodrigo Coelho
Operação de Luz: Lenon Mondini  
Edição de Vídeos: Osmar Pereira  
Produção: Tubo de Ensaio Arte e Comunicação  
Produção Executiva: Ivo Leme  
Fotos: Emidio Luisi 

Serviço

Gesto
De Silvia Gomez, com direção Vanessa Bruno 

De 26 de outubro a 15 de dezembro  
quartas e quintas, às 20h . 02/11, quarta, às 18h. 
Espaço CPT (7º andar)  
Duração: 70 minutos  
Indicação etária: 16 anos   
Ingresso – R$ 30,00 (inteira) | R$ 15,00 (meia entrada) | R$ 9,00 (credencial plena)

Conheça abaixo o Programa de mediação do espetáculo



Atividades formativas

Paralelamente ao espetáculo, três cursos serão oferecidos por realizadoras do projeto. Elas vão dividir suas experiências em suas áreas: Silvia, na escrita e dramaturgia; Rosângela, na cenografia e figurino; e Vanessa, na direção e atuação.

É tudo muito estranho!
Com Silvia Gomez
05 e 06/11, sábado e domingo, 14h às 17h
R$ 55,00 (inteira) | R$ 27,50 (meia entrada) | R$ 16,50 (credencial plena)
Inscrições antecipadas em inscricoes.sescsp.org.br de 25 a 30/10
Saiba mais aqui

Foto de Silvia Gomez
Foto: Renato Nascimento

O processo criativo de cenografia e figurinos no espetáculo Gesto
Com Rosângela Ribeiro
22 a 24/11, terça a quinta, 14h às 17h
R$ 70,00 (inteira) | R$ 35,50 (meia entrada) | R$ 21,00 (credencial plena)
Inscrições antecipadas em inscricoes.sescsp.org.br de 8 a 13/11
Saiba mais aqui

Processo criativo figurino
Foto: Divulgação

Jogo intrínseco da direção e atuação – procedimentos para intérpretes e diretores
Com Vanessa Bruno
07 a 09/12, quarta a sexta, 14h às 17h
R$ 70,00 (inteira) | R$ 35,50 (meia entrada) | R$ 21,00 (credencial plena)
Inscrições antecipadas em inscricoes.sescsp.org.br de 22 a 27/11
Saiba mais aqui

Jogo Intrínseco da Direção e Atuação
Foto: Nicolle Comis


Silvia e Vanessa falam sobre Gesto

Em entrevista sobre o espetáculo Gesto, Silvia Gomez e Vanessa Bruno falam sobre suas experiências criando a peça.

Ambas passaram pelo Centro de Pesquisa Teatral do Sesc, o CPT, e estudaram e trabalharam com Antunes Filho. Essa experiência é compartilhada na fala e elas também foram questionadas sobre a importância do espaço para suas carreiras e para a cena teatral brasileira.

Assista a seguir o resultado da conversa:

Entrevista com Silvia Gomez e Vanessa Bruno
Conteúdo relacionado

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.