Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Exposição 'Ausente Manifesto', no Sesc Mogi das Cruzes, investiga natureza simbólica da produção contemporânea

Detalhe da obra
Detalhe da obra "Yes, nós temos bananas..." (2001), de Nelson Leirner | Foto: Romulo Fialdini

A nova unidade do Sesc São Paulo, localizada na cidade de Mogi das Cruzes, abre ao público a partir do dia 6 de novembro com a exposição Ausente Manifesto: ver e imaginar na arte contemporânea. A mostra reúne 35 obras do acervo do MAM São Paulo (Museu de Arte Moderna de São Paulo) e de seu clube de colecionadores, e inaugura uma parceria entre as instituições que deve prosseguir, nos próximos meses, com ações que incluem atividades educativas e outras mostras.

A curadoria de Ausente Manifesto é de Cauê Alves, curador do MAM, e Pedro Nery, museólogo da instituição.  As obras escolhidas são de artistas contemporâneos que transpõem as divisões sedimentadas das linguagens artísticas, trazendo à tona um jogo entre desenho e instalações, vídeo e imagem, fotografia e representação. A ideia é criar uma oportunidade de aproximar o público amplo e diverso do Sesc da arte contemporânea.

Os artistas que integram a mostra são Adriana Varejão, Angela Detanico, Anna Bella Geiger, Antonio Dias, Cao Guimarães, Carlito Carvalhosa, Cinthia Marcelle, Coletivo Garapa, Dora Longo Bahia, Efrain Almeida, Ernesto Neto, Fabrício Lopez, Gabriel Velarde, Gilvan Barreto, Jonathas de Andrade, José Damasceno, José Patrício, Lenora de Barros, Lucia Koch, Marcius Galan, Marepe, Matheus Rocha Pitta, Mídia Ninja, Milton Machado, Milton Marques, Nelson Leirner, Nuno Ramos, Rafael Lain, Regina Silveira, Rivane Neueschwander, Romy Pocztaruk, Sara Ramo, Tadeu Jungle,  Thiago Bortolozzo, Thiago Honório e Waltércio Caldas.

 

Botequim Humaitá (2009), de Adriana Varejão | Foto: Estúdio 17

 

A mostra trata da natureza simbólica que a coleção é capaz de abrigar. Obras metalinguísticas que abrem acesso ao problema central do acervo de um museu, e da própria produção contemporânea, que está empenhada em diluir as divisas das linguagens e da separação com o mundo exterior enfrentando problemas conceituais e da consciência do que é fazer arte. Algumas obras discutem objetivamente o problema proposto, evidenciando justamente o que não está presente ao espectador, remontando ao que está invisível e que pode ser imaginado", comentam os curadores.

Os trabalhos selecionados ganham concretude a partir do olhar do público, como no caso da obra de Regina Silveira que projeta uma sombra de um móbile de Alexander Calder esparramando pela parede, distorcendo a peça que está ausente; ou Mácula, de Nuno Ramos, que mostra uma foto tirada diretamente para o sol e que revela um halo de luz, com inscrições em braile, criando visualidade de uma experiência primordial de significação.

No jogo irônico da obra Working Class Hero, da série The Illustration of Art, de Antonio Dias, o artista se filma comendo um prato de arroz e feijão e depois lava a louça usada, colocando em questão a idealização simbólica da produção artística e do museu. "Assim, é das próprias obras que temos a experiência de espectadores da produção simbólica, e de seu questionamento", dizem os curadores.

O telhado de Marepe faz uma miragem de uma casa completa, com janelas, paredes e portas, e na obra de Damasceno, é possível ver um homem que olha um quadro feito do instrumento que permite desenhar, dessa forma, o olhar do público é que confirma e atribui essas condições.

 


Nota sobre uma cena acesa ou os dez mil lápis (2000), de José Damasceno | Foto: Romulo Fialdini

 

Na exposição, sente-se a ausência do objeto e ao mesmo tempo é possível imaginá-lo pendurado ali. Esse preenchimento é justamente o universo simbólico pretendido. "Falar do que não está presente é, na verdade, o tema central do museu. Os objetos expostos, guardados e preservados, estão lá por seus valores simbólicos, por exemplo, um simples lápis quando entra para a coleção de um museu, deixa de servir à escrita e passa apenas a atender ao olhar do visitante", comentam os curadores.

A exposição reforça um caráter inusitado, e por vezes irônico, da arte contemporânea em deturpar a lógica de representação dos objetos que são reconhecidos por suas utilidades, estabelecendo, dessa forma, uma ordem diferente entre o que é representar e criar. A arte é produtora do simbólico de nascença, ou seja, quando criada ela não tem uma utilidade prática.

Essa parceria reforça a união de duas instituições reconhecidas pelo fomento à arte e por criar plataformas educacionais para gerar experiências mais ricas e didáticas ao público. Fazer parte de um momento tão relevante quanto à abertura da unidade de Mogi das Cruzes é uma resposta direta aos esforços do MAM em democratizar e estimular o acesso à arte”, diz Elizabeth Machado, presidente do MAM São Paulo.

Composta por obras selecionadas da coleção do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP), a mostra dá início ao programa de exposições dessa nova unidade do Sesc no Alto Tietê, reunindo exemplares hábeis em fazer da ausência algo perceptível, fruível em manifestações que relativizam as fronteiras entre as linguagens e mesmo entre estas e o mundo exterior. Valendo-se das edificações existentes, a unidade nascente e sua proposta arquitetônica introduzem novos usos e significados nesse equipamento, que segue tendo finalidade pública”, comenta Danilo Santos de Miranda, diretor do Sesc São Paulo.

 


Ruas de junho (2013/2014), de Mídia Ninja | Foto: Estúdio 17

 

Orientações de segurança para visitantes

A entrada em qualquer unidade do Sesc só é permitida após a apresentação do comprovante das duas doses da vacina contra a Covid-19 (ou o comprovante de vacinação em dose única) para maiores de 12 anos e documento com foto. O uso de máscaras cobrindo boca e nariz continua obrigatório.

Sesc Mogi das Cruzes 

Com um espaço de 27.287 metros quadrados, a unidade ocupa um terreno onde funcionava um Centro Desportivo do município. O espaço, cedido pela Prefeitura de Mogi das Cruzes ao Sesc, traz equipamentos para lazer, esportes, cultura, educação e saúde para toda a comunidade. 

O público poderá conhecer a nova unidade por meio de visitas agendadas. A infraestrutura da unidade conta com espaços como o Galpão Múltiplo Uso, onde a exposição pode ser visitada; o Centro de Educação Ambiental, que realizará oficinas, vivências e outras atividades na área de educação e sustentabilidade; o Espaço de Tecnologia e Artes, o Espaço de Brincar e Juventudes, voltado às crianças, além de piscina, sala de ginástica, duas quadras poliesportivas, espaços livres para a realização de eventos e recreação e um café.  

 

Siga o Sesc Mogi das Cruzes no Facebook, Instagram e YouTube.


Ausente Manifesto: ver e imaginar na arte contemporânea
Local: Sesc Mogi das Cruzes – Rua Rogério Tacola, 118, Socorro – Mogi das Cruzes (SP)
Curadoria: Cauê Alves e Pedro Nery
Período expositivo: 6 de novembro de 2021 até 20 de fevereiro de 2022
Funcionamento: Terça a sexta, das 13h às 22h. Sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h
Saiba mais em sescsp.org.br/mogidascruzes
Classificação indicativa: Livre
Grátis

 

Informações para imprensa
imprensa.mogi@sescsp.org.br

Outras programações