Revistaria
Revistaria

Mesa 3: Atlântico lusófono – revistas literárias em língua portuguesa

Revistaria

Revistaria

Ipiranga

Duração: 120 minutos

L

atividade presencial

Grátis

Local: Espaço de Tecnologias e Artes (transmissão online)

Data e horário

De 03/12 a 03/12

Sábado

Dia 03/12, sábado, às 18h.

Revistaria
Revistaria

Esta mesa tem o objetivo de proporcionar um grande encontro de revistas literárias em língua portuguesa e seus projetos editoriais. Ao traçar um paralelo entre a produção literária nos diversos países lusófonos, aproximando América, África e Europa, os debatedores abordarão as linhas gerais de suas revistas e elaborarão um panorama da literatura contemporânea de seu país.

Convidados: Diogo Borges (Palavra – Brasil), José Pinto (Txon – Portugal/Cabo Verde) e Mário Loff (Boletim Cultural – Cabo Verde). Mediação – Mirna (Revista Pessoa – Portugal).

Abertura com videopoema de Andressa Coutinho.

Andressa Coutinho é filósofa, dramaturga, crítica de arte, curadora e artista visual. Tem experiência na área de Estética, Crítica e Filosofia Contemporânea e em linguagens das Artes Visuais como a fotografia, cinema experimental, colagem e performance. Participa de exposições em galerias, residências artísticas, revistas literárias, festivais de cultura e colabora em processos de criação e argumentação cênica. É tradutora no livro Insurgência Viral: Autodefesa sanitária e Despostimo ocidental, pela coleção Baderna. Atualmente, faz Mestrado de Crítica, Curadoria e Teorias da Arte, na Universidade de Belas Artes de Lisboa.

Diogo Borges é especialista em Literatura e arte pela PUC-Rio e Contação de Histórias pela Casa Tombada em São Paulo. Atua como analista de literatura no Departamento Nacional do Sesc, coordenando projetos como o Prêmio Sesc de Literatura, o Arte da Palavra – rede Sesc de Leituras e a revista Palavra. É poeta, contador de histórias e pai.

José Pinto, Portugal, 1988. Poeta, dramaturgo, psicólogo e mestrando em Cultura e Comunicação pela Universidade de Lisboa. Curador da Revista txon (Cabo Verde). “Txon” é chão em crioulo e a revista é um espaço para a partilha de poesia e poética afro-luso-brasileira em língua portuguesa.

Mário Loff já foi diretor de teatro. Participou em dezenas de antologias de conto e poesia. É caboverdiano, nascido em Tarrafal de Santiago. Licenciado em História e Património. Autor das obras O Rapto da Primeira Dama, 10 cêntimos para nunca mais e Eretos e Fundidos. Atualmente é presidente da Associação Literraria do Tarrafal de Santiago e um dos editores de Boletim Cultural da Associação.

Mirna Queiroz é jornalista, editora, programadora e produtora cultural. Depois de 15 anos a viver em alguns países da Europa, Ásia e África, voltou para o Brasil em 2010, onde fundou a Editora Mombak, responsável pela publicação da revista Pessoa. Atualmente vive em Lisboa. Em Portugal, criou a Associação Cultural Mombak, voltada, sobretudo, para a formação no campo cultural e do pensamento crítico. Pela Mombak lançou a FesThink – Festa do Pensamento, na cidade de Almada. Recentemente assumiu a direção da Kees Eijrond Fonds, braço português de uma Fundação que opera há 30 anos na Holanda

 

 

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.