Foto: Ricardo Lisboa
Foto: Ricardo Lisboa

Discografia Básica

Os Fundamentos do Jazz em Cinco Albuns Icônicos

Discografia Básica

Carmo

Duração: 120 minutos

L

atividade online

Grátis

Local: Zoom

Inscrições a partir de 02/08 em sescsp.org.br/inscricoes

Data e horário

De 15/08 a 19/09

Segunda

Segundas, às 18h

Foto: Ricardo Lisboa
Foto: Ricardo Lisboa

Através da escuta de álbuns que marcaram a história, o projeto propõe o estudo de um gênero musical. Uma espécie de discografia básica para conhecer, entender e apreciar o estilo. Nesta edição, o músico, apresentador e educador Daniel Daibem trata da importância de cinco álbuns icônicos da história do Jazz. Através da escuta desses discos, Daniel embarca o ouvinte nos Fundamentos da Linguagem do Jazz, sempre de forma acessível e didática, apresentando as razões musicais e artísticas que tornaram esses álbuns relevantes e fundamentais para a compreensão da história da música popular do Séc. XX em diante.

 

15 de agosto

Count Basie & Joe Williams – Every Day I Have The Blues (1959);

Neste encontro, ouviremos o álbum “Every Day I Have The Blues” (1959), de Count Basie & Joe Williams. O disco reúne um batalhão de músicos de primeira linha, arranjados pelo Maestro Count Basie, que acompanham o cantor Joe Williams (o preferido de Basie) em standards do Jazz, além de vários temas criados sob a forma Blues de 12 Compassos. Album sofisticado e, ao mesmo tempo, amparado pelos fundamentos das canções de trabalho na lavoura, os procedimentos de Pergunta e Resposta e todo o lastro da cultura afro americana. Gravado no estúdio da Capitol Records, um local que tem também uma história e um legado à parte.

 

22 de agosto

Miles Davis – Kind Of Blue (1959);

Neste encontro, ouviremos “Kind Of Blue” (1959), de Miles Davis. Álbum considerado um divisor de águas na forma de pensar o improviso sobre os temas, trazendo para o Jazz, os chamados Modos Gregos, que são escalas que trazem sonoridades de outras nacionalidades que, até então, não eram recursos utilizados com frequência no Jazz. Através da audição deste álbum e do contexto histórico de Nova York à época, fica clara a razão dele ter acontecido naquele momento, naquele lugar, com aquele grupo de músicos: Miles Davis (trompete), Wynton Kelly (piano), Bill Evans (piano), Julian “Cannonball” Adderley (alto sax), John Coltrane (tenor sax), Paul Chambers (baixo) e Jimmy Cobb (bateria).

 

5 de setembro

Dave Brubeck Quartet – Time Out (1959);

Neste encontro, ouviremos “Time Out” (1959), de Dave Brubeck Quartet. Álbum reconhecido por, entre outras coisas, propor uma série de experimentos rítmicos, trazendo compassos pouco comuns, como o 5/4 da famosa “Take Five”, a intersecção do 4/4 com o 3/4 em “Kathy’s Waltz” e os compassos em 9/8 presentes em “Blue Rondo A La Turk”. Todo este embasamento quase acadêmico, no entanto, sem perder a graça e o balanço, o swing. Um exercício para o ouvinte e para o executor.

 

12 de setembro

Ray Charles – Genius + Soul = Jazz (1960);

Neste encontro, ouviremos “Genius + Soul = Jazz” (1960), de Ray Charles.Gravado no lendário Van Gelder Studios, em Englewood Cliffs (New Jersey), este álbum mostra que é possível produzir música pop sem perder a qualidade. Padrão “Nasa” de produção, teve arranjos do maestro Quincy Jones e o grupo foi montado com membros da orquestra de Count Basie, além de músicos de renome na cena de Nova York nesta época. Produção de Creed
Taylor. Ou seja, muito mais que um disco; um evento a ser ouvido e analisado.

 

19 de setembro

Sarah Vaughan – At Mister Kelly’s (1958).

Neste encontro, ouviremos “At Mister Kelly’s” (1958), de Sarah Vaughan. Gravado ao vivo no Mister Kelly’s, em Chicago, este album mostra toda a destreza e conhecimento de uma cantora que, poucos sabem, mas tinha o piano como instrumento de estudo; daí, o seu conhecimento de harmonia e capacidade de improvisar como um músico de sopro o faz. Formação enxuta de piano trio, com Jimmy Jones (piano), Richard Davis (baixo) e Roy Haynes
(bateria). Um album que convida à audição atenta, percebendo os espaços livres entre as letras, onde todos os músicos, inclusive a bateria, preenchem com comentários rítmicos e melódicos, sempre respeitando a linguagem do Jazz e o teor dos temas apresentados.

 

Daniel Daibem é músico, guitarrista, apresentador e educador. Apresentou durante sete anos o programa Sala dos Professores, na Rádio Eldorado. Em 2018, lançou o DVD Auditivos, pelo Sesc, onde, tocando com seu sexteto, explica os Fundamentos da Linguagem do Jazz, de forma simples e didática. Hoje, Daniel é guitarrista do Projeto Vanda And The Youngs.

Utilizamos cookies essenciais, de acordo com a nossa Política de Privacidade, para personalizar e aprimorar sua experiência neste site. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.