Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Acarajé, performance e arte – Confira a semana de abertura da exposição “Ounje – Alimento dos Orixás”

 Trecho de
Trecho de "Oferenda de Abertura" - Foto: Matheus José maria

Na última terça-feira (18/6), o Sesc Ipiranga recebeu a abertura da exposição “Ounje – Alimento dos Orixás”, que realiza uma imersão artística na culinária e na cultura das religiões afro-brasileiras. Com a presença dos curadores Adriana Aragão, Ana Celia Santos, Ayrson Heráclito, Beatriz Coelho, Bel Coelho, Maria Lago e Patrícia Durães, o público pôde participar de performances, além de provar pratos típicos como acarajé e pipoca.

Marcada pela “Oferenda de Abertura”, performance coordenada por Beatriz Coelho, a celebração começou ao som de cantos tradicionais. Cerca de 300 abarás foram servidos para os presentes durante a intervenção.

A performance aconteceu dentro do galpão da Unidade que remonta uma cozinha de terreiroFoto: Matheus José Maria
 

Já Fábio Osório, um dos poucos homens registrados na ABAM (Associação Nacional das Baianas de Acarajé e Mingau), realizou “Bola de Fogo”. O ator e cozinheiro serviu cerca de 50 abarás e mais de 100 acarajés ao público.

Além de fritar no óleo de dendê a massa típica feita de feijão fradinho, o artista também contou como arte e culinária se unem na história de sua vida. Foto: Matheus José Maria
 

Em “Fagun Ga-mi-ori”, Odaraya Mello convidou os presentes para dobrar pequenos papéis em um processo de "desenvolvimento da minha cabeça" como é chamada Ga mi Orì - na transcriação da palavra origami para a expressão na língua iorubá-nago.

Parte do resultado da performance “Fagun Ga-mi-ori” ficou como acervo na área expositiva da mostra. Foto: Matheus José Maria
 

No dia 19/6, aconteceu uma Oficina de xilogravura com o gravador e artista plástico Davi Rodrigues. O artista, influenciado por tradições afro-indígenas, é responsável pela intervenção artística no piso em frente ao galpão. Os presentes aprenderam as principais técnicas do método de impressão e puderam levar sua obra para casa.
 

Davi Rodrigues trabalhou com o gravador Hansen Bahia, com quem aprendeu e desenvolveu sua técnica de xilogravura. Sempre gravando personagens do Recôncavo. Foto: Guilherme de Sousa
 

E quem se contagiou com a história do artista Fábio Osório durante a apresentação “Bola de Fogo”, pôde participar de "A Vida Não É Bolinho".  Na oficina, os inscritos aprenderam a fazer um acarajé, da massa à fritura.

Foto: Guilherme de Sousa

No domingo (23/6), a cantora Rita Bennedito animou o Quintal da Unidade. O show “Tecnomacumba” misturou MPB, sons eletrônicos, rezas das religiões afro-brasileiras e esquentou a tarde de inverno.
Show Tecnomacumba com Rita Benneditto. Foto: Rafaela Queiroz

A exposição é gratuita e fica em cartaz até dia 25 de agosto na Unidade. Confira a programação integrada da mostra clicando aqui.

Outras programações

Artes Visuais

Para Respirar Liberdade - 70 Anos da Declaração dos Direitos Humanos

Para Respirar Liberdade - 70 Anos da Declaração dos Direitos Humanos

SESC Jundiaí

Saiba mais

Artes Visuais

Maquinações - Homens, máquinas e a invenção do cotidiano

Maquinações - Homens, máquinas e a invenção do cotidiano

SESC Piracicaba

Saiba mais

Artes Visuais

Para Respirar Liberdade - 70 Anos da Declaração dos Direitos Humanos

Para Respirar Liberdade - 70 Anos da Declaração dos Direitos Humanos

SESC Jundiaí

Saiba mais