Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Arquitetura e Artes no Sesc Pinheiros

Como consequência ou resistência a processos históricos específicos, resultantes das tensões e transformações do capitalismo tardio e da crise do modelo urbano, tanto a arquitetura quanto o campo das artes têm refletido a busca por novas formas de relações entre as pessoas e seus territórios, sejam eles físicos ou simbólicos.

Processos tão díspares quanto a preocupação com a qualidade da ocupação e das relações entre cidadãos e o espaço urbano, o fortalecimento da permacultura, as preocupações ambientais na construção de casas e no design de mobiliários, o emergente protagonismo de atores sociais antes negligenciados no mainstream da arquitetura são, para citarmos alguns, evidências de que a arquitetura e as artes têm sido atravessadas e são agentes de mudanças sociais e culturais da contemporaneidade.

Tais tendências não se operam apenas pelo esgotamento de possibilidades criativas e poéticas da arte ou da arquitetura em seus espaços e ações convencionais. É porque as pessoas habitam cidades cada vez mais numerosas e complexas, particularmente nas metrópoles que se experimenta uma crise urbana crescente e o anseio por transformações, em que diversos campos são convocados a pensar novas formas de habitar, construir e ocupar nossos espaços privados e públicos.

Desta forma, tanto a criação artística quanto os projetos arquitetônicos passam a demonstrar maior engajamento na pesquisa de poéticas e técnicas orientadas por critérios ecológicos e pela busca de inclusão e democratização na ocupação da cidade, dado que arte e arquitetura não são apenas reflexos da conjuntura histórico-social, mas também veículos privilegiados para a expressão da vontade humana de transformar a realidade de moradias e cidades.

O projeto ARQUITE-TÔ, que tem início dia 8/5 no Sesc Pinheiros, convida o público a imaginar como as artes e a arquitetura podem articular conhecimentos e formas mais democráticas de construir, habitar e fruir.  Do microcosmo de nossas casas às escalas mais extensas em que operam arquitetos e urbanistas, os artistas e arquitetos podem nos inspirar a nos apropriarmos de novos recursos e conhecimentos na busca por experiências mais plenas de habitar?

 


 

EIXOS NORTEADORES DAS ATIVIDADES:

1. Retomada da cidade
Vivemos tempos de retomada da cidade e reapropriação do espaço urbano? De quem são as cidades? As formas como as vemos mudam nossas experiências nos espaços? Neste eixo, apresentamos uma instalação, espetáculo e intervenções cênicas, exibição de filme com bate-papo, oficinas, curso e lançamentos de livros, representativos de uma tendência observada em muitas metrópoles do mundo: a inquietação de artistas e arquitetos por ações que refletem a retomada do espaço público como tema de interesse e locus de ação.

2 - Artes e arquiteturas em tempos de transformação
Como novos agentes econômicos, as transformações de gênero e as demandas por mais mobilidade e inclusão afetam a produção de artistas e arquitetos? Neste eixo, contamos com uma exposição, oficina, curso e bate-papos que permitem refletir como a arquitetura e as artes afetam e são afetadas por mudanças sociais e históricas mais amplas e como podem nos ajudar a pensar o futuro.
 
3 - Jeitos de morar
As mudanças sociais têm implicado novos jeitos de morar e construir nossas casas e cidades? Neste eixo, oferecemos oficina, cursos, vivência e bate-papo que refletem sobre as tendências da arte e da arquitetura nas formas de habitar, construir casas e mobiliários, e também sobre arquitetura inclusiva e as boas práticas de arquitetura para a educação.


>> Confira a programação completa aqui.
 



Espetáculo raízes em RUÍNAS [reR]
 

Outras programações