Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Dom das panelas

Foto: Acervo Sesc Santana
Foto: Acervo Sesc Santana

Quando criança, não via a hora de as férias chegarem.

Era tempo de ir para a rodoviária, pegar o ônibus de viagem e encarar 7 horas de estrada rumo à casa da minha avó. Devido à distância em relação da capital, a viagem ocorria no período noturno.

Durante o caminho o motorista entrava em diversas cidades para deixar passageiros em seus destinos. Lembro-me de admirar as luzes dessas cidadezinhas, suas construções, sua rodoviária, de sentir o cheiro de mato e da chuva que às vezes caia durante a madrugada. A cada cidade vencida, o meu destino estava mais próximo.

Ao chegar à cidade da minha família, última parada dessa jornada pelas estradas paulistas, sentia-me diferente. Sabia que o melhor da vida de uma criança estava a poucos passos: gerações de uma família, primos, brincadeiras de rua e uma mescla da culinária paulista, mineira e goiana.

Chegando à casa da minha avó, cozinheira nata que usava o dom das panelas para sustentar uma pequena grande família, sentia o cheiro de lenha queimada, do café sendo torrado e o calor do fogão a lenha. Melhor que isso, apenas o amor que sentia ao participar desta cena...

Na cozinha quentinha via minha avó fazer pães e roscas com uma maestria cirúrgica: a massa não desandava, o melado estava sempre no ponto e nada melhor do que assar essas gostosuras no fogão a lenha. A melhor parte? Provar tudo, claro!

A cozinha sempre foi território comum na minha infância. Lá via gerações passarem conhecimento prático para os mais novos, aprendia a fazer coisas diferentes e – o melhor de tudo – compartilhávamos tudo o que tínhamos: o pão, o amor, as dúvidas, os anseios, as risadas... E isso tem um nome: família!

Hoje, aprendi que não preciso me deslocar tanto para ter a mesma sensação.
Com o desenvolvimento da tecnologia e da sociedade, podemos fazer tudo isso em qualquer lugar, em qualquer momento.

Infelizmente não temos mais o fogão a lenha, o café torrado na hora e o cheiro de mato. Mas continuamos com a essência que propiciou toda essa experiência: compartilhar um pouco de nós mesmos com os outros. O pão deve ser compartilhado com todos: esposo, esposa, filhos, pais, mães, primos, amigos, colegas, vizinhos, amores e até um novo amigo que há poucos minutos era um ilustre desconhecido...

Tudo pode ser compartilhado. Onde está a sua cozinha?
Viva e compartilhe o dom da sua panela! 

Por Geraldo Cruz, Editor Web do Sesc Santana.

Outras programações

Alimentação

Gosto da terra: os alimentos e suas propriedades e identidades culinárias

Gosto da terra: os alimentos e suas propriedades e identidades culinárias

SESC Vila Mariana

Saiba mais

Alimentação

Oficina Culinária de Aproveitamento Integral dos Alimentos | Aula 4

Oficina Culinária de Aproveitamento Integral dos Alimentos | Aula 4

SESC Bauru

Saiba mais