Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Quais são os seu projetos de vida?

“Há em nossa sociedade um preconceito muito grande em relação ao envelhecimento.  As pessoas velhas são vistas como ultrapassadas, improdutivas, dependentes, frágeis... É preciso portanto reverter esse quadro, especialmente diante da revolução demográfica que estamos vivendo e que permite um alongamento da vida cada vez maior.”

 

Trazendo um conjunto de iniciativas que busquem a inovação e a redefinição da longevidade, o laboratório Social LAB60+, em parceria com o Sesc São Paulo, apresenta o Festival da Longevidade, que acontece de 24 a 26 de outubro, das 10h às 17h, gratuitamente, no Sesc Itaquera.

O Festival oferece vivências, oficinas, apresentações artísticas e bate-papos sobre empreendedorismo, moradia, cuidado, finitude, trabalho, bem-estar, cultura, esporte e tecnologia, para todos os participantes.

E para saber um pouco mais sobre o LAB60+ e o que ele pode trazer as pessoas que participam, a EOnline conversou com o educador Rafael Sanches Neto, de 71 anos, frequentador dos encontros que o laboratório proporciona:

EOnline: Como você conheceu o LAB60+?
Rafael Sanches: Em 2015, num evento no Rio de Janeiro, promovido pelo Centro Internacional de Longevidade, conheci o Sérgio Serapião, que fez uma pequena apresentação do LAB60+. Na época eu havia decidido começar a trabalhar ajudando pessoas a construírem projetos de vida e trabalho para a segunda etapa da vida, que começa aos 50/60 anos. Eu estava cada vez mais impressionado com o drama das pessoas de minha geração, os chamados "baby-boomers" (nascidos entre 1946 e 1964), e sua enorme dificuldade de se manterem ativos e saudáveis em decorrência do isolamento social que chega com a aposentadoria, apesar de terem décadas de vida pela frente - graças à nova longevidade.

EOnline: Quais os benefícios que o LAB60+ trouxe a você?
Rafael Sanches: O que eu buscava no momento em que conheci o LAB60+ era uma organização ou uma empresa com a qual eu pudesse trabalhar e que permitisse dar escala a um trabalho que eu já vinha conduzindo de forma isolada com pequenos grupos de pessoas em São Paulo. E o LAB60+ se mostrou a parceria ideal para isso. Primeiro, por se tratar de um movimento de impacto social, orientado por uma causa e não por objetos comerciais. Segundo, pelo seu ideário de ressignificação da longevidade, com uma abordagem interdisciplinar e holística. E terceiro, por ser o articulador de um verdadeiro ecossistema da longevidade, mobilizando e reunindo pessoas, empresas e instituições de forma dinâmica e não competitiva.

EOnline: Fale um pouco sobre seus projetos de vida.
Rafael Sanches: Eu trabalhei por mais de 40 anos como educador, e a maior parte desse tempo coordenando iniciativas no campo da educação profissional de jovens e adultos. Ao chegar aos sessenta e poucos anos e perceber que precisava me reinventar para continuar trabalhando por um bom tempo, decidi me dedicar à preparação de pessoas 50/60+ para continuarem ativas profissionalmente. Surgiu assim o projeto Reinvenção do Trabalho 60+, que venho liderando. Trata-se de uma iniciativa voltada para apoiar pessoas que estão encerrando um primeiro ciclo de carreira e que têm pela frente a possibilidade de se  construírem novas alternativas de vida e trabalho. Essas pessoas precisam se reinventar, assumindo uma nova identidade perante a sociedade e construindo formas de se manterem trabalhando e contribuindo com a sociedade.

EOnline: Por que é importante para o idoso se ver como protagonista da sua vida? Continuar modificando e contribuindo para a sociedade?
Rafael Sanches: Há em nossa sociedade um preconceito muito grande em relação ao envelhecimento.  As pessoas velhas são vistas como ultrapassadas, improdutivas, dependentes, frágeis, etc. E esse preconceito atinge não apenas os jovens e adultos, mas os idosos também. Sua autoestima, sua autoconfiança e seu autorrespeito são contaminados por essa visão estereotipada da sociedade como um todo. É preciso portanto reverter esse quadro, especialmente diante da revolução demográfica que estamos vivendo e que permite um alongamento da vida cada vez maior. Quer dizer, cada vez será mais alto o percentual de idosos em nossa realidade populacional. E esse enorme contingente de pessoas apresenta, graças aos avanços da medicina e outros fatores, enorme capacidade produtiva e de contribuição social. Mas é preciso lidar com isso preparando os idosos e a sociedade como um todo.

 

Rafael Sanches | Foto: arquivo pessoal

Saiba mais aqui.

Outras programações