Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Audiovisual cego e surdo

Nathalia Silva e João Maia comunicam por meio de suas deficiências<br>Foto: Reprodução/Jota Mendes
Nathalia Silva e João Maia comunicam por meio de suas deficiências
Foto: Reprodução/Jota Mendes

#paratodomundover #audio

Ouça o conteúdo abaixo clicando no player

João Maia sempre gostou de fotografia. Ex-atleta de arremesso de peso e lançamento de dardo e disco, ele sabe quando fazer a foto. Por isso, e pelo seu trabalho excepcional, é que ele foi o primeiro fotógrafo com deficiência visual a cobrir as Olimpíadas Rio 2016.

 

"Mesmo com as minhas limitações visuais, consigo capturar as emoções de cada clique que faço. Sou fotógrafo e a minha fotografia é cega, pois uso a minha sensibilidade, os meus sentidos: audição, tato, olfato e minha baixa visão para construir minhas imagens."
 

Nathalia Silva sabe tudo de maquiagem. Pós-graduada em controladoria e graduada em gestão financeira, ela trabalha em banco, mas no YouTube é que fala de sua paixão e de todo assunto que gosta. Seu canal em Libras (Língua brasileira de sinais) é legendado em português.
 

"Os surdos têm maior capacidade em três coisas: visão, cheiro e sensação. E os ouvintes tem maior capacidade em uma coisa: audição. Eles só dão atenção ao som. Os surdos não, eles usam a visão, sentem as sensações e cheiros."
 

Em passagem pelo Sesc Consolação, os dois conversaram com o público sobre seus trabalhos, dando dicas e contando suas experiências. A EOnline aproveitou suas visitas e os entrevistou. Veja:
 

EOnline - Como é se expressar por meios tão usuais para ouvintes e videntes?

João Maia - Procuro levar uma comunicação sem barreiras atitudinais. Sei que sou um agente de transformação, ninguém nasce sabendo o que é uma deficiência visual. Estou sempre levando informação sobre o cotidiano das pessoas cegas e baixa visão, pois o maior canal de comunicação livre que temos hoje é a internet e lá faço a divulgação dos meus trabalhos, ações voluntárias e levo informação relevante à comunidade cega.

Nathalia Silva - Embora nossa primeira língua seja Libras e nos expressemos sempre através dela, o meio mais comum de nos expressarmos para ouvintes é escrito ou digitando no celular e mostrando a eles, infelizmente. 


EOnline - Quais são as dificuldades e as facilidades no trabalho de vocês?

João Maia - Minha dificuldade é que a minha câmera não têm acessibilidade, por isso que eu denominei a minha fotografia como Fotografia cega Facilidade. Eu consigo fotografar além da visão, utilizando as minhas percepções além das visuais, como olfato, tato e visão. Faço um trabalho bastante diferenciado, levando as pessoas a terem curiosidade sobre o minhas fotografias. Assim cada dia estou conquistando mais pessoas que acreditam verdadeiramente no meu trabalho, que tem como objetivo o empoderamento das pessoas com deficiência visual.

Nathalia Silva - Minha maior dificuldade é colocar legenda. Eu sempre peço ajuda de um intérprete para correção das legendas e tradução dos conteúdos. A facilidade que tenho é edição de vídeos, pois produzo e edito vídeos sozinha.
 

EOnline - Quais dicas vocês dariam para alguém com alguma deficiência começar uma carreira audiovisual (foto e vídeo)?

João Maia - Primeiro passo: Estude bastante, pois o saber nunca é demais. No começo não faça investimentos vultuosos em equipamentos caros, pois se você não gostar da profissão, pode vender os equipamentos e assim não fica no prejuízo. Faça cursos livres, técnicos ou superior em sua profissão, nunca pare de estudar, pois as oportunidades só aparecem para quem está preparado.

Nathalia Silva - Normalmente o ideal é fazer faculdade de audiovisual, porém é possível aprender fazendo cursos técnicos, buscar dicas na internet (YouTube, por exemplo). Eu, como nunca fiz faculdade de audiovisual, aprendi assim, pesquisando e buscando dicas e tutoriais na internet.
 

EOnline - Quais temas vocês mais gostam de trabalhar? Por quê?

João Maia - Sou especializado em esporte paralímpico, pois fui atleta, de 2008 a 2015. Fui atleta do arremeso de peso e lançamento de dardo, mas também faço qualquer cobertura fotográfica.

Nathalia Silva - Inicialmente o tema era focado somente na maquiagem e com o tempo fui mudando para temas gerais, visto que as pessoas gostam mais de assuntos variados. Escolhi ter esses temas gerais para que possa passar as dicas, informações, novidades e interagir mais com o público. Meus principais temas de hoje em dia são: maquiagens, TAGs, novidades e informações em geral, tecnologias e dicas.
 

EOnline - Como vocês pensam suas criações para serem acessíveis a todos?

João Maia - Nas redes sociais procuro fazer a descrição das minhas imagens. Sabemos que acessibilidade numa exposição fotográfica ainda tem um custo muito elevado.

Nathalia Silva - Como eu quero que meus vídeos sejam acessíveis a todos, eu penso em todos. Para ouvintes, eu coloco legenda para que eles possam entender o que estou passando no vídeo e para surdos eu falo a minha primeira língua, que é Libras. Também penso nas crianças, e, por isso, eu uso humor nos meus vídeos para animarem todos.
 

EOnline - João, ao fotografar, que outros sentidos você utiliza além da visão? Qual é sua técnica para fotografar?

João Maia - A minha fotografia é cega, pois os equipamentos profissionais que utilizo não têm acessibilidade, portanto, eu transformo os sons em imagens, utilizando principalmente a minha audição, tato e olfato. Vale a pena fotografar sem poder ver o resultado? A minha resposta é: sim, porque eu quero, porque eu posso.


João Maia em encontro sobre sua fotografia cega, no Sesc Consolação (Foto: Alexandre Babadobulos)

Descrição da Imagem (Sala com 6 pessoas assistindo a palestra de João Maia, que está de pé de frente para este público)
 

EOnline - Nathalia, o que você acha que ainda falta para que a Libras e a cultura surda sejam mais conhecidas?

Nathalia Silva - Para mim, ainda faltam muitas coisas para que a Libras e a cultura surda sejam conhecidas, pois ainda existem muitas barreiras a serem quebradas e, por sermos minoria, acabamos sendo esquecidos pela sociedade. E espero que no futuro melhorem a nossa acessibilidade, pois somos capazes tanto quanto as pessoas ouvintes, apenas temos uma diferença: audição.


Nathalia Silva durante bate-papo na Semana Modos de Acessar, no Sesc Consolação (Foto: Danilo Cava)

Descrição da Imagem (Foto que apresenta uma pessoa de costas assisintindo a Nathalia Silva, que está de pé de frente para o público, se comunicando em Libras)

 

 

 

 

Outras programações