Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

Uma jornada fotográfica por lugares intocados

Sebastião Salgado cruzou o mundo para registrar imagens impactantes<br>Foto: Lucas Muniz
Sebastião Salgado cruzou o mundo para registrar imagens impactantes
Foto: Lucas Muniz

De 5/setembro até 1/dezembro, o Sesc Belenzinho recebe a exposição “Genesis”, de Sebastião Salgado. A EOnline conversou com o fotógrafo. Assista a seguir:

Genesis é um projeto fotográfico de longo prazo, focado na natureza. Sebastião Salgado cruzou o mundo, entre 2004 e 2012, visitando 32 regiões extremas, entre elas o Alasca, a Patagônia, a Etiópia e a Amazônia, para registrar em suas lentes imagens impactantes, a majestade e a fragilidade da natureza, assim como sua relação com o homem e os animais. No site do projeto é possível assistir a videos, ver as fotos e viajar pelo mapa.

Com 245 fotografias, divididas em cinco seções geográficas, a mostra, que passará por 127 cidades do mundo, revela maravilhas que permanecem imunes à aceleração da vida moderna – montanhas, desertos, florestas, tribos, aldeias, animais.  Os trabalhos expostos fazem parte do livro homônimo lançado este ano pela editora alemã Taschen.

O projeto é fruto da relação do fotógrafo com a aspereza da vida em "Exodus", que passou em 2000 pelo Sesc Pompeia, e "Trabalhadores". "Eu estava morrendo. O desgaste dos projetos anteriores foi imenso, fosse físico ou por conta do contato com a dureza da vida em situações extremas", contou Salgado durante a entrevista coletiva que fez no Sesc Belenzinho no dia 3 de setembro.

A vida restituída é, talvez, uma leitura proposta pelo fotógrafo para este trabalho, veio na atuação do Instituto Terra, presidido por Lélia Wanick Salgado, curadora de Genesis. Foram 2 milhões de árvores plantadas, reflorestando 7 mil hectares no vale do Rio Doce - o fotógrafo viveu uma "infância de sonho" no lugar, antes cercado de mata atlântica.

"Eu queria fazer uma nova apresentação do planeta, que atendesse a uma esperança: que as pessoas reflitam sobre lugares ainda não marcados pelo homem. A gênese, a natureza, é o homem: abandonamos o planeta para viver nas cidades", explicou o fotógrafo brasileiro.

Durante o período da exposição, a EOnline registrará a impressão do público logo depois de visitar a exposição. Acompanhe por aqui!

Outras programações