Sesc SP

Matérias do mês

Postado em

22 exposições nas unidades do Sesc para ficar de olho em 2019

Exposição
Exposição "Não temos condições de responder a todos", no Sesc Consolação | Foto: Carlos Daniel

Em 2018, o público paulista pode visitar mais de uma centena de exposições de artes visuais nas unidades do Sesc São Paulo. Muita gente vibrou ao ritmo do reggae e de outros gêneros musicais nascidos na terra de Bob Marley e Peter Tosh em Jamaica, Jamaica! (Sesc 24 de Maio), exposição indicada ao Prêmio SIM 2018 na categoria Projeto do Ano.

As crianças mergulharam na arte contemporânea brincando na mostra coletiva YOYO: Tudo que vai volta (Sesc Belenzinho), agora em cartaz no Sesc Taubaté, até dia 28/04. Em Papéis Efêmeros: Memórias gráficas do cotidiano (Sesc Ipiranga), foi possível realizar um passeio afetivo por um século de impressos – de papéis de bala a catálogos de lojas de departamento.

E as reflexões audiovisuais de Bill Viola abriram o espaço de exposições do novo Sesc Avenida Paulista, na mostra de videoarte Bill Viola: Visões do Tempo. No Sesc Pompeia, o público teve a oportunidade de duas experiências pedagógicas diferentes de arte e design nas exposições bauhaus imaginista: Aprendizados Recíprocos e Vkhutemas: o futuro da construção (1918-2018) – esta última, que segue em breve para o Sesc Rio Preto, foi eleita o melhor projeto de pesquisa e difusão em arquitetura pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), no último ano.

A lista vai beeeem longe. Foi ano de Bienal Naïfs do Brasil no Sesc Piracicaba e tivemos também a abertura de exposições ainda em cartaz, como Lasar Segall: Ensaio sobre a cor (Sesc 24 de Maio), Ziraldo… de A a Zi (Sesc Interlagos) e muitas outras.

Mas o que 2019 reserva de novidade nas unidade do Sesc São Paulo para quem adora se deixar levar pelos sentidos e se perder em uma boa exposição?

Bem, a lista, mais uma vez, é grande. Que tal, então, apenas 22 destaques, entre as exposições previstas para 2019, para ficar de olho esse ano?*

Não temos condições de responder a todos
Sesc Consolação
De 25 de janeiro até 5 de março

Curadoria: Alexandre Sesper Cruz
Mostra resgata fitas K7, discos de vinil, cartazes de shows, cartas e outros objetos de 1988 a 1990, época em que a comunicação e divulgação de bandas do universo punk era realizada basicamente por meio de cartas e fanzines.

São Vito - Uma escavação
Sesc Parque Dom Pedro II
De 2 de fevereiro a 5 de maio

Concepção: Grifo Projetos
Composta por fotografias documentais e artísticas, imagens aéreas, anúncios de diferentes momentos, a exposição propõe uma reflexão sobre o Parque Dom Pedro II tendo o edifício São Vito como elemento central.

Dorminhocos – Pierre Verger
Sesc Santo André
Abertura prevista para março

Curadoria: Rafael Fonseca
O antropólogo e fotógrafo francês Pierre Verger rodou o mundo com a câmera nas mãos, sempre fugindo dos clichês e se interessando por temas pouco comuns. Na exposição Dorminhocos, uma série de imagens de sua autoria retrata o modo como as pessoas descansavam em lugares públicos e de trabalho.

O tempo mata: imagem em movimento na Coleção Julia Stoschek
Sesc Avenida Paulista
Abertura prevista para março

Curadoria: Rodrigo Moura
Exposição de obras audiovisuais de diversos artistas internacionais da Coleção Julia Stoschek, baseada na Alemanha, uma referência para estudos e pesquisas dedicadas à arte contemporânea mundial.

William Forsythe: Objetos Coreográficos
Sesc Pompeia
Abertura prevista para março

Curadoria: Estúdio Forsythe (Alemanha)
Pesquisa curatorial: Veronica Stigger
Maior mostra apresentada no Brasil dedicada a produção do artista e coreógrafo norte-americano William Forsythe que, desde a década de 1980, produz instalações e performances que investigam os movimentos e coreografias do corpo humano. Os objetos coreográficos apresentados provocam uma mudança no sentido de direção e de composição com o espaço arquitetônico, permitindo aos seus visitantes fazerem parte da obra, dançando e se movimentando. 

O que os olhos alcançam – Cristiano Mascaro
Sesc Pinheiros
Abertura prevista para março

Curadoria: Rubens Fernandes Junior
A exposição apresentará um amplo panorama do artista que há 50 anos está presente na cena fotográfica paulistana, brasileira e internacional. Nessa visão panorâmica de sua obra, serão destaque as principais linhas de ação do seu percurso técnico e estético.

Lado B: o disco de vinil na arte contemporânea brasileira
Sesc Belenzinho
Abertura prevista para abril

Curadoria: Chico Dub
Exposição coletiva analisa a influência do disco de vinil na produção de arte contemporânea nacional, para além das capas (ou da superfície), mostrando toda uma ampla gama de usos do objeto enquanto material estético de intervenção sonora, física, conceitual, ritualística e poética.

Estremecer Auroras – Augustin Rebetez
Sesc Consolação
Abertura prevista para abril

Curadoria: Adelina Von Fürstemberg
A mostra apresentará instalações, filmes e obras do artista suíço Augustin Rebetez, proporcionando uma experiência imersiva. No trabalho do artista, um fluxo de imagens que se sobrepõem se desdobra em diversos formatos, como fotografias, curtos filmes, animações, pinturas e instalações que se referenciam em diversos movimentos artísticos. O resultado é a síntese de uma imagem do mundo contemporâneo, com todas as suas camadas e sobreposições com as quais nos acostumamos.

À nordeste
Sesc 24 de Maio
Abertura prevista para maio

Curadoria: Bitú Cassundé, Clarissa Diniz e Marcelo Campos
À nordeste se dedica a apresentar o caso da invenção sociocultural do Nordeste como fundo contra o qual podemos repensar o Brasil. A mostra se desenvolve ao redor da pergunta "à nordeste de quê?" e apresenta um olhar crítico sobre a história dessa região a partir de um extenso conjunto de obras de arte e outras formas de manifestação artística e cultural.

Pretatitude: Insurgências, emergências e afirmações na arte afro-brasileira contemporânea
Sesc Vila Mariana
Abertura prevista para maio

Curadoria: Claudinei Roberto
A mostra apresenta um recorte da produção afro-brasileira contemporânea a partir de trabalhos de artistas consagrados e emergentes, todos insurgentes na afirmação de suas vocações ante as adversidades que transcendem o universo da arte. São obras de caráter muito variado, que abordam questões de identidade, memória, política do corpo negro, gênero e formulações de caráter político que não abdicam da complexidade que o lugar da fala dos artistas contempla.

História da Poesia Visual Brasileira
Sesc Bom Retiro
Abertura prevista para maio

Curadoria: Adolfo Montejo Navas e Paulo Bruscky
A exposição é composta por obras de vários artistas, que vão desde movimentos como o modernismo até o concretismo, apresentando um pouco da riqueza experimental da nossa poesia e desdobramentos de uma série de questionamentos sobre o fazer poético, a maleabilidade da linguagem, a incorporação do campo imagético e a dualidade comunicativa.

Ounje. Alimento dos orixás.
Sesc Ipiranga
Abertura prevista para junho

Organização: Ana Celia Santos, Adriana Aragão, Patricia Durães, Ayrson Heráclito, Beatriz Coelho, Maria Lago e Bel Coelho
A exposição é composta por obras de vários artistas, que vão desde movimentos como o modernismo até o concretismo, apresentando um pouco da riqueza experimental da nossa poesia e desdobramentos de uma série de questionamentos sobre o fazer poético, a maleabilidade da linguagem, a incorporação do campo imagético e a dualidade comunicativa. Ounje significa ato de comer juntos em Yorubá.

Ver/Olhar
Sesc Campo Limpo
Abertura prevista para junho

Nesta exposição, o artista Gal Oppido apresenta uma série de fotografias tiradas com o celular pelas imediações da unidade do Sesc Campo Limpo. Localidades, paisagens e personagens familiares são retratados pelo olhar estrangeiro do fotógrafo que acrescenta um tom misterioso e coloca à prova a familiaridade do público. Paralelamente à mostra, ocorrerão cursos e oficinas que têm a fotografia e o território como temática.

Sebastião Salgado
Sesc Avenida Paulista
Abertura prevista para julho

Curadoria: Lelia Wanick Salgado
A mostra do renomado fotógrafo brasileiro apresenta a série Serra Pelada, produzida nos anos 1980, no auge do garimpo de ouro em Curionópolis, no estado do Pará.

Mestras Populares do Brasil
Sesc Vila Mariana
Abertura prevista para agosto

Curadoria: Adélia Borges
Exposição que apresentará um recorte da produção artesanal brasileira, a partir da produção de importantes mestras guardiãs destas tradições.

29ª Mostra de Arte da Juventude
Sesc Ribeirão Preto
Abertura prevista para agosto

Nesta edição o projeto comemora 30 anos de existência da Mostra de Arte da Juventude na cidade de Ribeirão Preto. Dedicada exclusivamente a apresentar e premiar trabalhos e pesquisas jovens, ao longo desta trajetória a mostra revelou diversos artistas e curadores hoje estabelecidos na arte brasileira.

Meta-Arquivo
Sesc Belenzinho
Abertura prevista para agosto

Curadoria: Ana Pato
O projeto Meta-Arquivo é parte do programa de ação curatorial Arquivo e Ficção, desenvolvido por Ana Pato e tem como meta imaginar os processos de construção da história brasileira. O programa tem como proposta produzir exercícios de comunicação para "tornar público" nossos arquivos e acervos e incentivar experiências coletivas de criação de espaços de escuta para (re)construção das memórias de "nossa" experiência histórica traumática.

Cildo Meireles
Sesc Pompeia
Abertura prevista para setembro

Curadoria: Júlia Rebouças e Diego Matos
A exposição apresentará obras e projetos idealizados pelo artista da década de 1960 até a atualidade, ocupando todos os espaços expositivos do Sesc Pompeia. Contará com um grande número de obras, entre instalações de pequeno, médio e grande porte, obras sobre papel, projetos e registros de obras efêmeras.

Inextricabilia
Sesc Pinheiros
Abertura prevista para setembro

Curadoria: Lucienne Peiry
A exposição reúne produções de Art Brut, que designa a arte produzida por artistas e autodidatas livres de qualquer influência de estilos oficiais, como as diversas vanguardas ou imposições do mercado de arte. A mostra apresenta objetos rituais africanos, obras de arte sacra e arte popular, arte moderna e contemporânea, passando por produções de Bispo do Rosário, estatuetas N'kisi do Congo e objetos religiosos da Europa Central do século XVIII.

21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil: Comunidades Imaginadas
Sesc 24 de Maio
Abertura prevista para outubro

Curadoria: Solange Farkas, Gabriel Bogosian, Luisa Duarte e Miguel Lopez Lopez
Esta edição pretende contemplar não apenas as comunidades imaginadas em torno dos Estados nação do Sul, mas também aquelas organizadas sem Estado, como as de povos originários de diferentes continentes, as divididas por fronteiras desenhadas pelo colonialismo e as constituídas nos guetos e nos universos subterrâneos de práticas sexuais e corpos dissidentes, contra-hegemônicos ou não-ocidentais, entre outras. Contará com 4 plataformas curatoriais: Exposição, Mostra de filmes/vídeos, Programas públicos e Publicação.

E isso não é tudo! Acompanhe a programação atualizada de artes visuais no portal do Sesc São Paulo.

*O título e o período de algumas exposições podem sofrer alterações.

Outras programações